quarta-feira, 25 de março de 2015

ANALISANDO - CHEVROLET CRUZE SPORT6 LTZ 2015


   TEXTO : WEVERTON GALEASE | FOTOS: DIVULGAÇÃO

Em 2014, no Salão do Automóvel de São Paulo, a Chevrolet apresentou a "segunda geração" da família Cruze, porém, sem muito sucesso ao concorrer com marcas mais baratas, o modelo ficou estaticamente parado no estande, daí, logo se pensou de que a mudança para os próximos fossem pequenas. E realmente a marca foi pouco ousada na mudança do carro, porém, a família Cruze recebeu algumas mudanças que só podem ser sentidas, ao uso do carro, em um test-drive já é possível. Para avaliação deste modelo 2015, hatchback, batizada por Sport6, em uma versão top de linha LTZ, ao qual Gustavo do Carmo já havia descrito no lançamento em 2014 (Arquivo GUSCAR), foram perceptíveis as melhorias na reprogramação da injeção eletrônica, com mudança de torque do motor e o remapeamento do ponto de troca de marchas de câmbio automático de seis marchas.

NOVO DESENHO SÓ NA DIANTEIRA

As mudanças na carroceria da família Cruze, foram concentradas apenas na parte da frente do veículo, sendo assim, o para-choque foi redesenhado, a grande bipartida traz agora novos elementos e incorpora barras cromadas nesta versão LTZ, o que é inédito num carro da Chevrolet no Brasil, sendo incluídas as luzes de posição diurnas como item de série.

 Formadas por LEDs brancos, localizadas sobre os faróis auxiliares, vem sendo bem vista para a facilitação a outros motoristas, quando visualizassem o veículo, e até para pedestres durante o dia. Sendo ligadas automaticamente assim que o motor seja ligado, ainda em um futuro próximo, considerando um sucesso na mudança, este exemplo seguirá nos próximos modelos.

 Na lateral do Cruze, a única novidade é um novo desenho das novas rodas de alumínio de 17 polegadas nesta versão LTZ, a traseira segue a mesma do modelo anterior, nada modificado. Talvez em pesquisas de compradores, a marca foi parabenizada pela traseira...

O INTERIOR É OUTRO

O novo Cruze recebeu um acabamento interno 'Premium', os bancos, as laterais de portas e o painel passaram a serem revestidos em couro bicolor (Brownstone e Jet Black) com costura pespontada, além disso a cor marrom traz a vantagem de sujar menos, mantendo um aspecto de novo por mais tempo. O isolamento acústico também deu-se lá uma melhorada, o carro está bem mais silencioso na rodagem.


OS EQUIPAMENTOS TRADICIONAIS SÃO MANTIDOS

 Desde a versão LT de entrada, o Cruze vem equipado com controles eletrônicos de tração e estabilidade, airbags frontais e laterais, cinto de segurança de três pontos em todos os assentos, sistema isofix para a fixação de cadeirinhas infantis, além de trava interna anti-sequestro no porta-malas, ar condicionado eletrônico, direção com assistência elétrica progressiva, retrovisor interno eletrocrômico, com ainda com conexão bluetooth e mais suporte a comando por voz (em português) e volante ajustável em altura e profundidade. Estes são os equipamentos tradicionais mantidos pela configuração.

INTERIOR PASSA POR MELHORIAS

Nesta linha 2015, o novo Cruze volta a ter vidros elétricos com levantamento automático, assim que o usuário trava as portas pelo controle remoto. Mas existe uma forma de trancar o carro e deixar os vidros abertos, para isso, basta apertar o botão da maçaneta da porta com a chave no bolso, daí as portas se trancam com os vidros abertos.

 Outra novidade é a possibilidade de acionamento do motor por meio de uma tecla no chaveiro do veículo, esse recurso já vem do Captiva V6 e do Camaro, este item de partida-remota é um dos novos diferenciais da versão LTZ, sendo que a principal utilidade disso, é acionar o ar-condicionado, mesmo antes de entrar no carro, estabilizando a temperatura interna, o que seria uma boa em dias super quentes do nosso verão!

Para isso ocorrer, o motorista deve pressionar uma vez o botão de trancar o carro e em seguida segurar o botão de partida remota, o motor se liga, acionando o ar-condicionado. A marca faz um "alerta", não é um carro autônomo, é necessário o motorista estar dentro do carro, com a chave presencial, para poder liberar a alavanca de câmbio e aí poder dirigir. Parece uma bobagem este "alerta", mas num futuro próximo será necessário informal se o carro é autônomo ou não. 'Contra-Roubos', fiquem tranquilos, pois se um sujeito pegar seu controle e ligar o carro, adentrar ao veículo, sem abrir a porta, o veículo estará programado para desligar-se em breves minutos.

 Ainda esta versão apresenta em topo de linha:

 Sensor de chuva e crepuscular, câmera de ré com gráfico para auxílio a manobras, navegador com GPS, tela sensível ao toque, airbags laterais do tipo cortina, sistema presencial de abertura de portas, e de acionamento do motor por meio do botão Start/Stop no painel. Porém a Chevrolet perdeu a chance de incluir o recurso de TV Digital (de fábrica). Sendo disponível apenas na versão LT.

AVANÇADA CENTRAL MULTIMÉDIA 

À distância até para quem não entende muito de carros, um grande diferencial de um carro é justamente sua avançada central multimédia, chamado por 'Central MyLink', contando com bastantes características próprias, possuí : tela touch screen de sete polegadas, CD player compatível com MP3, entrada USB, entrada auxiliar P2, conexão bluetooth completa (viva-voz e reprodução de música digital sem fios), visualizador de fotos, navegador GPS, e reconhecimento de voz.

Bacana, que apenas falando com a 'central' o usuário pode interagir com a agenda e fazer ligações telefônicas, como também dar ordens para a navegação, além do controle das funções de áudio, ah, isso tudo em português.

Vale lembrar que o sistema 'MyLink' possui uma interface intuitiva de fácil navegação. Além disso o usuário pode escolher as teclas cursoras do rádio ou fazer uso da tela touch screen. As funções se estendem à configuração do carro, como o destravamento remoto das portas, iluminação e o volume de áudio compensado pela velocidade.

A grande funcionalidade da central pode ser vista pela navegação do GPS, a central é mais ágil que a dos concorrentes Corolla e Civic.

No Cruze, um Zoom In ou Zoom Out é realizado quase que instantaneamente, as instruções de navegação também são claras, além disso, antes mesmo de começar a navegar, o sistema exibe um sumário que permite mudar configuração do trajeto, como percurso curto, rápido ou ecológico. A base de dados da central é tão ampla, que se estiver acabando o combustível, ela própria pergunta ao condutor se quer ser guiado até o posto de gasolina mais próximo.

DESEMPENHO FLEX

Além do motor Ecotec 1.8 Flex, o Cruze passa a contar com a nova geração de transmissão de seis marchas, chamada de GF6-2. Com a tendência global de reduzir o tamanho dos motores, a Chevrolet preferiu a continuidade do motor 1.8 L. São 16 válvulas em um motor Ecotec 1.8L, com essa configuração torna-se 144 cavalos quando abastecido com etanol, 140 quando gasolina, a 6.300 rpm, sendo o torque máximo de 18,9 kgfm.

Em relação ao modelo anterior, este de 2015 foi com câmbio automático de seis marchas foi até 1,2 segundo mais rápido na aceleração de 0 a 100km/h, sendo 10,2 segundos quando abastecido com etanol.

Outra mudança importante ao qual se destaca neste modelo 2015, é a economia, que varia de 2% a 5%, ainda que o tempo de troca de marcha está 50% mais rápido, existe menor perda.

DESEMPENHO FLEX "NEGATIVO"

A Chevrolet optou por economia de combustível, legal, bacana, mas isso faz com que o carro fique refém da força do motor, ao qual 1.8 L Flex seja um ponto fraco quando relacionado a uma proposta esportiva.

MELHOR 'HATCHBACK' MÉDIO

O conjunto de suspensão do Cruze 2015 é o melhor da categoria, ganhando pontos em relação aos seus concorrentes Fiat Bravo, VW Golf, Hyundai I30 e o Peugeot 308. O Cruze possui melhor compromisso entre conforto e estabilidade. Ao qual entrega uma suspensão robusta para o conforto em plenas péssimas condições de rodagem das estradas/ruas brasileiras.

QUANTO CUSTA?

O Chevrolet Cruze Sport6, modelo LTZ 2015, o qual é uma versão bem mais completa (superior) ao modelo LT (este custa na faixa dos R$ 70 mil), o preço inicial do LTZ é de R$ 86 mil, a pintura metálica acrescenta ao valor R$ 1,3 mil.

Duas novas cores passam a ser ofertadas : Branco Vintage e Cinza Aztec, e as já tradicionais Azul Macaw, Branco Summit, Bege Desert, Preto Carbon Flash, Prata Switchblade, Cinza Mond e Vermelho Pepper.



segunda-feira, 23 de março de 2015

GUSCAR MOTO - TESTE - KAWASAKI NINJA 300 ABS



TEXTO E MEDIÇÕES: MÁRIO COUTINHO LEÃO | FOTOS: DIVULGAÇÃO

Carenagem com bolha e estilo arrojado, motor bicilíndrico com sonoridade agradável e potência para atingir mais de 160 km/h, roda mais que 20 quilômetros a cada litro de gasolina consumido, tem freios antitravamento e preço pouco acima dos R$20mil. Fora o nome Kawasaki nas laterais... É a Ninja 300, que veio para eliminar as deficiências da extinta 250R e continuar espancando a Honda CBR 250R nas vendas e nas estradas. Garanto, não é exagero nosso!

Se a antecessora pecava pela pouca força em baixas rotações, essa novata desfaz a reputação na primeira girada de acelerador. Muito mais torque e em rotação pouco mais baixa garantem reações bem mais agradáveis que a antiga Ninjinha. A primeira marcha mais curta só amplia o "pulo" nos semáforos verdes. A posição de pilotagem está mais ergonômica e os freios ABS garantem mais paz de espírito para evitar as fechadas dos motoristas desatentos. Na chuva, então, nem se compara.

sábado, 21 de março de 2015

COMPARATIVO - FIAT 500 ABARTH x CITROËN DS3

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO
DADOS DE TESTE: REVISTA QUATRO RODAS


Popular na Europa, mas discreto no Brasil. O envenenado escorpião da marca esportiva do preparador austríaco Carlo Abarth (morto há mais de 35 anos) só esteve oficialmente presente em nosso país no velho Stilo Abarth, que tinha motor 2.4 20v (era de cinco cilindros), de 2002 a 2008. Depois a versão saiu de cena e a Abarth ficou ausente por seis anos, até o finalzinho do ano passado, quando foi lançado o  pequenino 500 Abarth, importado do México, com motor MultiAir Turbo 1.4 16v.

Para enfrentar o foguetinho italiano, de apenas 3,66m de comprimento, só encontrei o estiloso Citroën DS3, que tem o já banalizado motor THP 1.6 Turbo. Recentemente, o DS3 ganhou um discretíssimo face-lift que lhe deu faróis com luzes diurnas de LED e xenônio, que ainda são opcionais.

O Audi A1 também se encaixaria neste comparativo. Ficou de fora não pelo fato de ser o único com quatro portas. Mas por causa da dificuldade de encontrar uma lista completa e correta dos equipamentos de série no site da marca.

Vencer este comparativo não os torna melhores do mundo, mas é a chance para tanto a Abarth quanto o DS3 saírem do "anonimato".


domingo, 15 de março de 2015

LEMBRA DE MIM? - CHEVROLET CALIBRA

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO


No final do ano passado, o Honda Civic Si desembarcou no Brasil, importado do Canadá, despertando paixões. Um dos seus antecessores, vendido aqui há uns vinte anos atrás, não chamava tanta atenção. Naquela época, havia um outro cupê encantador: o Chevrolet Calibra.

terça-feira, 10 de março de 2015

EM BREVE NO BRASIL - MITSUBISHI L200 TRITON 2016

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO


Quando foi apresentada em 2006 na Tailândia e chegou ao Brasil no ano seguinte, a picape média Mitsubishi L200 Triton conseguiu ser mais arrojada que a arquirrival então recém-lançada Toyota Hilux. Tudo por causa da linha de cintura bem elevada, da base das janelas laterais extremamente ascendente e da caçamba baixa.

O tempo passou e as duas picapes japonesas ganharam a companhia das novas gerações da Chevrolet S10, Ford Ranger e, da já apresentada no exterior, Nissan Frontier. Por isso, chegou a vez da L200 seguir a renovação e mudar também.

quarta-feira, 4 de março de 2015

CARRO DO ANO EUROPEU 2015 - VOLKSWAGEN PASSAT

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO


Uma engenharia que transpira qualidade. Assim definiu o editor da revista inglesa Autocar Magazine, uma das organizadoras do pool de revistas europeias que compõem a comissão Car of The Year, para justificar a vitória na edição 2015 do novo Volkswagen Passat, anunciado na última segunda-feira em Genebra (que saudade!).

Esta definição foi o principal argumento para justificar o primeiro título do sedã médio-grande da Volkswagen em seus 42 anos de história e seis gerações. Mas outros pontos se destacaram, como a leveza do carro (que tem o menor peso do segmento graças ao uso ostensivo do alumínio), o espaço interno amplo, consumo (com motor a gasolina chega a percorrer, de média, 22 km/l) e a tecnologia (é equipado com itens como piloto automático de engarrafamento, internet wifi, sistema de entretenimento traseiro e ainda tem o quadro de instrumentos virtual). 

domingo, 1 de março de 2015

BABA, BRASIL! - RENAULT KADJAR

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO


Enquanto os brasileiros estão subindo num Renault Duster, projeto velho e barato da romena Dacia, os europeus, asiáticos e até africanos vão subir num Renault maior e mais caprichado: o novo Kadjar, a ser apresentado ao público no Salão de Genebra, que começa na próxima semana.

Baseado na plataforma da segunda geração do Nissan Qashqai (também inexistente por aqui), o utilitário esportivo médio da marca francesa tem 4,45m de comprimento. O Kadjar não vai substituir o Koleos, utilitário de mesmo porte projetado pela sul-coreana Samsung e que deve ser reposicionado em sua nova geração.