Publicidade

header ads

RETROSPECTIVA 2021 - EM BREVE NO BRASIL - HONDA HR-V 2023

 


Tá. Eu tinha falado no segundo editorial de abertura de temporada que a seção Em Breve no Brasil estava suspensa. Mas eu disse claramente que seria uma suspensão temporária. E, neste caso, o castigo durou muito pouco, pois retomo a seção para falar da nova geração do Honda HR-V, que virá para o país no ano que vem. 


O crossover compacto da marca japonesa, que no Japão se chama Vezel, já tinha um estilo cupê nas janelas, mas a caída do teto era convencional. Mesmo assim, dava uma aparência arredondada às linhas. Agora, a terceira geração (contando a de 1999) ficou bem reta. Não chega a ser um estilo cupê. Ficou mais próximo de um hatch dos anos 1970. Mas para dar um aspecto fastback, a Honda manteve as maçanetas das portas traseiras nas colunas.  




A frente, por outro lado, ficou bem ousada. Só que não é tão original. Lembra um pouco os atuais SUVs da conterrânea Mazda, como o CX3, CX30 e CX5. A grade hexagonal e os faróis finos fogem do novo conceito de "capô invadindo a grade" já visto nos novos City, Fit e Civic. Pelas primeiras imagens oficiais, o novo HR-V tem dois estilos de grade. Como só foram divulgadas fotos da versão híbrida, o estilo normal tem filetes na cor da carroceria e sem molduras, apenas com um friso cromado na parte superior, perto do capô. O visual "Seat", com grelha colmeiada e alguns cromados tracejados na parte superior, lembrando também o Volkswagen T-Cross, faz parte de uma linha de acessórios de personalização chamado Urban Style (visto na foto logo acima). Tem também o Casual Style, com a mesma grade, mas é mais discreto. 


Mazda CX3

Seat Ateca

Volkswagen T-Cross


A traseira agora tem lanternas mais finas, horizontais e com lentes mais transparentes e refletores brancos. Elas são interligadas por um filete vermelho, provavelmente iluminado, um pouco invadido pelo emblema H no centro. A placa continua no para-choque ou na área equivalente. Em resumo: o novo Honda HR-V parece o cruzamento de um modelo atual qualquer Mazda com um Fiat 147 modernizado. 




O interior continua sofisticado como antes, com imitação de couro no painel, mas as linhas deste estão mais horizontais e o quadro de instrumentos (que não aparenta ser eletrônico) ficou mais arredondado, assim como o miolo do volante, que continua com três braços enquanto o inferior passa a ser totalmente vazado. Vendo as fotos pela primeira vez, temos a impressão de que os difusores de ar ficaram mais contínuos. Mas é apenas uma impressão. Só nos dois cantos do painel e ao redor da tela multimídia (que, aliás, adotou a banalizada posição flutuante e agora tem 9 polegadas) é que há saídas verdadeiras. A faixa acima do porta-luvas é um difusor cego, decorativo. O console flutuante da primeira geração sai de cena e ainda ficou mais baixo. Os bancos são Magic Seat.  





As medidas não foram divulgadas oficialmente, mas o site Car.Blog obteve alguns rumores de que o comprimento aumentou de 4,33 para 4,35m. Só que a distância entre-eixos foi mantida em 2,61m. Mesmo assim, o novo HR-V aparenta estar mais espaçoso para as pernas dos passageiros de trás, que também ganharam saídas de ar. Ainda não há informações sobre a capacidade do porta-malas. 



Uma das novidades mais interessantes na lista de equipamentos será a chave digital, que permite que o smartphone seja usado para entrar no carro através do aplicativo Honda App Center. O utilitário também terá sistema de WiFi 4G nativo e uma evolução do Honda Sensing (cuja primeira versão só chegou ao Brasil no Accord), que agora tem piloto automático adaptativo com função de rastreamento de congestionamento, frenagem automática, bloqueio de desvio off-road, reconhecimento de sinal, sistema de suporte de manutenção de faixa, eliminação de falsa partida traseira e um farol alto automático.



O sistema multimídia tem o módulo de comunicação Honda CONNECT, com tecnologia conectada de nova geração, equipada com um serviço de atualização automática de mapas do sistema de navegação. Traz também o serviço conectado Honda Total Care Premium, semelhante ao Chevrolet On Star.




Outros recursos de tecnologia do novo HR-V são o sistema de câmera multiview e informações de ponto cego. Eles dão suporte ao estacionamento automático e mudanças de faixa em locais com pouca visibilidade com maior tranquilidade. Também farão parte da lista ar condicionado digital dual zone, carregador sem fio de smartphones, porta traseira elétrica de abertura por gestos, teto panorâmico (usando vidro Low-E), "saída de brisa", controle de descida de colina, lâmpada LED para ambiente e sistema de áudio premium com nove auto-falantes, desenvolvido originalmente para o modelo.



Como já foi dito acima, o HR-V terá uma versão híbrida. E só híbrida, inicialmente. A chamada e:HEV terá um motor a gasolina de ciclo Atkinson com 99 cv e dois elétricos (propulsor e gerador) de 109 cv, com potência combinada de 151 cv. O câmbio será um e-CVT, continuamente variável com controle eletrônico. A tração deste terá a opção de dianteira ou integral. 


O novo HR-V chega ao mercado japonês já em abril. Na Europa, onde só terá versão híbrida, será vendido no fim de 2021. E no Brasil, se a Honda não mudar de ideia, chegará ao mercado apenas na metade de 2022, fabricado no estado de São Paulo e equipado, provavelmente, com o motor 1.5 de injeção direta que será adotado nos City sedã e hatch. Talvez tenha a opção do 1.5 turbo. Como o  modelo já vale para o ano seguinte, foi por isso que eu coloquei 2023 no título. 

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO 

FOTOS: DIVULGAÇÃO

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 26 DE FEVEREIRO DE 2021




Postar um comentário

0 Comentários