quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Texto: Gustavo do Carmo
Fotos: Divulgação (ilustrativas)
Dados: Revista Carro



Se fosse uma partida de futebol, este comparativo entre o Ford Ecosport e o Renault Duster seria um clássico. Um confronto esperado desde 2009, quando a Renault anunciou seus planos de produzir no Brasil um utilitário esportivo compacto para países emergentes como o nosso, com base no Logan e no Sandero. Assim como estes dois, o Duster é uma criação da romena Dacia, subsidiária da marca francesa.

O Ecosport foi lançado em 2003 e logo assumiu a liderança do mercado de utilitários. Desde então ganhou dois facelifts. Um mais profundo em 2007 e outro, no ano passado, que mudou apenas a grade e acrescentou o nome do carro no capô, ao estilo Land Rover. Nesses oito anos surgiram novos concorrentes como os Volkswagen CrossFox e SpaceCross, os Fiat Idea e Doblò Adventure, a Peugeot 207 SW Escapade, a Nissan Livina X-Gear e o Citroën Aircross. A Palio Weekend Adventure já existia desde 1999.

Assim, temos três peruas, três minivans, um hatch e um furgão. Nenhum deles é um utilitário de verdade. Ah, Gustavo! Você se esqueceu do Suzuki SX4 e do Mitsubishi TR4? Não esqueci, não. Sendo o primeiro um importado ameaçado pela alta (por enquanto, suspensa) do IPI e o outro nacional e caro, os autênticos utilitários de marcas japonesas sempre foram concorrentes da versão 2.0 e com tração 4x4.

A disputa mais acirrada mesmo ficava com o Ecosport de motor 1.6, categoria na qual o Duster será o primeiro utilitário legítimo a desafiá-lo. Aliás, foi o sucesso do Ecosport que motivou a Renault a lançar seu SUV compacto no Brasil.

Pensei em incluir o Citroën Aircross no confronto, mas achei que fugiria da proposta de reunir dois autênticos utilitários. Então, fica o duelo, ou melhor, o clássico entre Ford Ecosport XLT e Renault Duster Dynamique, suas versões completas, com motor 1.6.


Estilo e Acabamento

Modelos maiores dos respectivos fabricantes foram a referência de estilo para os dois SUV compactos. O Ecosport inspirou-se no Explorer dos anos 1990. O sinal está na pintura preta fosca na coluna traseira. Outra moda da época, embora o irmão grande nunca tenha usado, é o estepe pendurado na tampa do porta-malas. A Ford pagou o preço do pioneirismo e do sucesso. Se acomodou e não fez mais que mudanças leves no Ecosport, que continua com linhas retas.

Resultado. O Renault Duster chegou mais arredondado e musculoso. Apesar de ser um Renault criado pela Dacia, suas linhas foram inspiradas no finado Nissan X-Terra, também do grupo. Maior que o rival (4,31m de comprimento contra 4,24m), é mais moderno. Pena que a frente não tenha agradado. Ficou com aparência de jipe russo. 


O acabamento interno é o maior defeito de ambos. Com muito plástico duro, aparenta rudeza nos dois modelos, mesmo sendo explicitamente voltados para o uso na cidade. Os dois tons de cinza do painel deixaram o Duster com aparência de carro chinês. A moldura prateada do painel do console central em black piano, reforça a impressão.

O Ecosport também abusa dos apliques prateados no exagerado aro dos difusores do ar e na máscara dos comandos de ventilação. O painel, preto em sua maior parte, aparenta ter mais qualidade, apesar do plástico. As portas dos dois modelos têm tecido, mas o do Renault aparenta maior capricho. Mesmo assim, ambos se nivelam no acabamento. Por baixo.



Duster 1x0



Espaço interno e Porta-malas

A Renault estudou o projeto antigo do rival e desenvolveu uma carroceria maior para proporcionar mais espaço interno. Com 1,69m de altura, 1,82m de largura e 2,67m de distância entre-eixos, o Duster tem mais espaço para as pernas, ombros e cabeça, principalmente atrás. É o que melhor acomoda dois adultos e uma criança no banco de trás. O Ecosport tem 1,62m, 1,72m e 2,49m nas três respectivas medidas.

Já no porta-malas, a vantagem do Duster é gritante. São 475 litros de capacidade contra 296. Mesmo se a versão 4x4 estivesse em questão, o domínio continuaria, pois são 400 litros. Em compensação, a bagagem entra mais fácil no Ecosport, que tem abertura lateral da porta traseira e para o lado da calçada. E o Ford tem mais porta-objetos: no console, embaixo do assento do banco do carona e, quando não estiver equipado com airbag, um compartimento refrigerado acima do porta-luvas (curiosamente só nas versões básicas XL, XLS e Freestyle).

Duster 3x0


Motor, Desempenho e Consumo

Tanto o Ecosport quanto o Duster têm duas opções de motor, tração e câmbio. E os dois só têm a tração integral com o motor 2.0 e câmbio manual. Com esta cilindrada, a transmissão convencional do Renault tem seis velocidades. O automático de ambos tem quatro.

Estamos considerando o motor 1.6, mas só para informar: o 2.0 do Ecosport é um Duratec 16 válvulas Flex, com 141 cavalos abastecido com gasolina e 145 cv com álcool. O do Duster também tem quatro válvulas por cilindro, mas rende apenas 138 e 142 cavalos. É o mesmo que o Mégane Sedan usava.

Já o 1.6 do Duster é mais potente (110 e 115 cv) e também tem 16 válvulas. O do Ecosport (101 e 107 cv) só tem oito. Ambos têm rendimento semelhante, como a velocidade máxima de 165 km/h, e só não empatam porque o Renault se destacou na retomada de velocidade. Segundo a revista Carro, a dupla acelera de 0 a 100 km/h em 13 segundos, com leve vantagem de três décimos para o Ecosport (13,3s). O Duster recupera entre 80 e 120 km/h em 12,6 seg. contra 16 seg. do Ford.

Já o mais econômico é o Ecosport, que marca o seu primeiro ponto no comparativo. Faz 7 km/l na cidade e 9,8 km/l na estrada com álcool. O Duster faz 5,8 km/l e 8,7 km/l. Assim como no desempenho, os números de consumo foram obtidos pela Carro com etanol no tanque.

Duster 5x1 Ecosport


Segurança e Conforto

A versão XLT 1.6 do Ecosport já vem com airbag duplo e freios ABS de série, assim como o Duster, que já oferece as bolsas frontais de série desde a versão básica. O Renault ainda freia mais rápido. A 100 km/h para em 40,8 metros contra 45,8 metros do rival. O Duster também oferece apoio de cabeça para o quinto passageiro, tem mais estabilidade nas curvas e absorve melhor os buracos do asfalto. 

Mas é o silêncio que conta pontos neste critério. E nele o Ecosport supera o novo rival, graças ao melhor isolamento acústico. O ruído é de 66,7 decibéis a 120 km/h contra 70,2 dBA. Dados novamente da Carro.

Também sem contar pontos, o Duster enfrenta as trilhas off-road com mais coragem. Seu ângulo de ataque é de 30º e o de saída, 35º. A altura em relação ao solo é de 21 cm. No Ecosport, as relações são de 28º, 34º e 20 cm.



Duster 6x2 Ecosport


Preço, Equipamentos de Série e Assistência

Além de superar o Ecosport nas características, a Renault atingiu a Ford no item mais importante: o preço. Suas seis versões (básica, Expression, Dynamique 1.6, Dynamique 2.0 manual, Dynamique 2.0 automática e Dynamique 4x4) são bem mais baratas que as correspondentes do Ecosport (XL, XLS, Freestyle 1.6 e XLT 1.6, Freestyle 2.0, XLT 2.0 manual ou automática e 4x4). Veja a comparação dos preços: 

  • Duster básico - R$ 50.900 x R$ 54.790 - Ecosport XL
  • Duster Expression - R$ 53.200 x R$ 58.120 - Ecosport XLS
  • Duster Dynamique 1.6 - R$ 56.900 x R$ 60.730 - Ecosport Freestyle 1.6 e R$ 63.870 - XLT 1.6
  • Duster Dynamique 2.0 manual - R$ 60.600 x 65.780 - Ecosport Freestyle 2.0 ou XLT 2.0
  • Duster Dynamique 2.0 automático - R$ 64.600 x R$ 68.690 - Ecosport XLT 2.0 automático
  • Duster Dynamique 2.0 4x4 - R$ 64.600 x R$ 66.830 - Ecosport 4WD (wheel drive)
Já a lista dos principais equipamentos de série é semelhante nos dois, se compararmos as versões 1.6 do Dynamique e XLT. Elas têm ar condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, tocador de CD e MP3 com Bluetooth e entradas com controle na coluna de direção, airbag duplo, freios ABS, computador de bordo, rodas de liga-leve (15 polegadas no Ecosport, 16 no Duster), faróis de neblina, ajuste de altura do banco do motorista e da coluna de direção, chave com abertura das portas por controle remoto. 

O Ecosport leva pequena vantagem por oferecer bancos revestidos de couro de série, mesmo que parcial. No Duster, o revestimento de pele animal é opcional e com ele o preço aumenta para R$ 59.250, com pintura metálica. Mesmo completo, o Renault ainda é mais barato. As cores metalizadas aumentam o custo do Ford em 1.085 reais e as perolizadas, R$ 1.262. 

Ainda não foram divulgados os custos de manutenção do Duster. Portanto, a avaliação da assistência será, mais uma vez, com base no número de concessionárias, que a Ford tem mais: 508 contra 181. Ambos têm garantia de 3 anos. 

Conclusão

No primeiro "clássico" dos SUVs compactos, o novato goleou o veterano por 7x3. Estilo, espaço interno, porta-malas, motor, desempenho, segurança e, principalmente, preço. São os itens que o Renault Duster mostrou mais evolução. Os dois ficaram nivelados (por baixo) no acabamento e vêm com quase os mesmos equipamentos de série, desde que sejam comprados nas versões top. Com oito anos de idade e prestes a ser totalmente reestilizado pela primeira vez, o Ford Ecosport ainda consegue gastar menos combustível, ser mais silencioso e ter mais concessionárias para manutenção. Sua liderança está ameaçada? Só o tempo vai dizer. Aguardemos, também, um revanche com a nova geração em 2012.

Resumo

PREÇO - Duster
MOTOR - Duster
DESEMPENHO - Duster
CONSUMO - Ecosport
SEGURANÇA - Duster
CONFORTO - Ecosport
PORTA-MALAS - Duster
ESTILO - Duster
ACABAMENTO - EMPATE
ASSISTÊNCIA - Ecosport
ESPAÇO INTERNO - Duster
EQUIPAMENTOS - EMPATE

Placar Final - Renault Duster 7 x 3 Ford Ecosport




    FICHA TÉCNICA - RENAULT DUSTER DYNAMIQUE 1.6 16V HIFLEX

    Motor: Quatro cilindros, transversal, flex, 1.598 cm³,16 válvulas

    Potência: 110 cv (gasolina) e 115 cv (álcool)
    Aceleração de 0 a 100 km/h: 13,6 segundos (revista Carro, com álcool)
    Velocidade máxima: 165 km/h (fabricante)
    Consumo Médio: 7,25 km/l (Carro, com álcool)
    Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 4,31/1,82/1,69/2,67 m
    Porta-malas: 475 litros
    Tanque: 50 litros
    Preço: R$ 56.900







    FICHA TÉCNICA - FORD ECOSPORT XLT 1.6 FLEX

    Motor: Quatro cilindros, transversal, flex, 1.598 cm³, 8 válvulas
    Potência: 101 cv (gasolina) e 107 cv (álcool)
    Aceleração de 0 a 100 km/h: 13,3 segundos (revista Carro, com álcool)
    Velocidade máxima: 165 km/h
    Consumo Médio: 8,4 km/l (revista Carro, com álcool)
    Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 4,24/1,73/1,62/2,49 m
    Porta-malas: 296/712 litros
    Tanque: 54 litros
    Preço: R$ 63.870



0

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Texto: Gustavo do Carmo
Foto: Divulgação



Finalmente, depois de oito anos e muitas peruas e minivans com aparência de fora-de-estrada como concorrentes, o utilitário esportivo compacto Ford Ecosport agora tem um adversário a altura: o Renault Duster, um projeto da romena Dacia, do grupo francês, que recebeu novos 774 componentes para ser lançado no Brasil. A mais visível é a grade frontal, que ganhou mais um friso cromado.

O Duster, fabricado no Paraná, tem seis versões no total. Três com motor Hi-Flex 1.6 16v de 110/115 cavalos e câmbio manual de cinco marchas: básica, Expression e Dynamique. Esta última batiza as três restantes, todas com motor 2.0 16v de 138 e 142 cv, também bicombustível. Uma tem câmbio manual de seis marchas, a outra é automática de quatro e a versão completa vem com transmissão manual e tração 4x4. 

O Duster básico custa R$ 50.900 (apesar da propaganda na TV anunciar R$ 49.900) e já sai de fábrica com ar condicionado, direção hidráulica, vidros dianteiros e travas elétricos, abertura interna da tampa do combustível e volante regulável em altura. O porém é o aspecto simples, sem bagageiro no teto, com para-choques pretos e uma roda de aço de 16 polegadas com aparência de carro popular. A Expression sai por R$ 53.200 e ainda vem com roda feia. Entretanto, adiciona para-choques na cor do carro, barras no teto, os airbags frontais, alarme anti-furto, vidros elétricos traseiros e o banco do motorista com ajuste de altura.

A Dynamique é a mais equipada e seus preços começam em R$ 56.900, com o motor 1.6. Vem com freios ABS, faróis de neblina, encosto de cabeça para o quinto ocupante, rodas de alumínio, banco traseiro bipartido, computador de bordo, iluminação do porta-luvas, retrovisores elétricos, volante e pomo do câmbio revestidos em couro, retrovisores e barras do teto cromados, rádio toca-CDs com MP3, Bluetooth e conexões USB, Ipod e auxiliar, tudo com comando na coluna de direção. O único opcional são os bancos em couro. Com o motor 2.0, que era usado no Mégane, sai por R$ 60.600. Tanto o  automático quanto o 4x4 manual custam R$ 64.600. 


O SUV da Renault é construído sobre a plataforma do Logan e do Sandero. Até as portas dianteiras são as mesmas do hatch. O interior repete o erro do rival Ecosport e é mais simples do que merecia ser. O painel seria idêntico ao do Dacia, mas mudou e parece que ficou ainda mais espartano. Com muito plástico duro, tem console com moldura prateada e acabamento em black-piano nas versões mais caras. O porta-malas tem 475 litros, exceto no Dynamique 4x4, que tem 400. É que o diferencial da tração integral rouba o espaço do estepe, que, nesta versão, foi para dentro do porta-malas. 

O Duster tem visual mais moderno que o Ecosport, mas sua frente ficou robusta demais. Já que ia mudar, a Renault deveria ter caprichado mais no desenho dos faróis. A traseira lembra o finado Nissan X-Terra. Como pontos positivos destaco o posicionamento elevado ao volante e o espaço interno traseiro. A garantia é de 3 anos. A Renault espera levantar poeira com 2.500 unidades até o final do ano. Outros comentários farei no tão esperado comparativo contra o Ecosport, que vou publicar nos próximos dias.


0

segunda-feira, 17 de outubro de 2011


A partir desta semana vou tentar mostrar e responder, semanalmente, os comentários que eu recebo no Guscar. A demanda está aumentando e isso é muito bom. Agradeço aos mais de mil visitantes diários e aos comentaristas. 




Acho muito estranho estes resultados, pois sem exagero algum fiz um percurso de 10km e o march 1.0s fez 20,8 km/l em seu computador de bordo, abastecido com gasolina. Ou então o computador de bordo está mentindo. 
ddnunes

DD, os dados são da Revista Quatro Rodas, obtidos com equipamentos eletrônicos profissionais e com álcool no tanque, que gasta mais. O computador de bordo também costuma errar. 


Bom, parabenizo pela iniciativa do comparativo, mas critico o fato de usar apenas dados da revista Quatro Rodas, cujos comparativos mostram-se em sua grande parte tendenciosos. Se vc consultar este mesmo comparativo na revista Car and Driver Brasil verá resultados bem diferentes destes... nela o Nissan apresenta os melhores números de frenagem, aceleração, ruido interno e consumo (etanol), justamente nos ítens em que levou "bomba" na QR. No mínimo estranho quando está se tratando do mesmo carro - Nissan March 1.0S. Não confie tanto assim na "famigerada" Quatro Rodas amigo! 
Zona Sul FSA





Se não fosse o maldito do IPI daria meu nacional de entrada. Que droga de carros populares as montadoras que tem aqui no Brasil.
ailton

Política de proteção economica é brincadeira. Aumentam o imposto pra proteger a economia do país, mas as montadoras nacionais não tem o mínimo de consciência com nós consumidores e continuam vendendo esses tocos pelados sem equipamentos de segurança. E se agente quiser algum equipamento melhor no carro eles chamam de opcional mas cobram caro por isso. Olha só os equipamentos de série do elantra, mesmo com o IPI mais caro espero que ele arrebente com a concorrência pra que parem de vender "opcionais" a preço de ouro pra gente.
Zed

Isso é uma falta de vergonha... Não ao carro nacional http://busaocheio.blogspot.com/2011/09/diga-nao-ao-carro-nacional.html  
Busão Cheio




melhorou a mala, e a beleza...de resto tudo já era muiiiiito bom. 
2



Que máquina heim! Pena que é um sonho distante da minha realidade, é o tipo de veículo que eu gosto, ms infelizmente sou pobre ainda.
Rodrigo dos Reis






Essa versão não vai agradar tanto quanto a versão atual. O interior ficou muito conservador, e o exterior sem graça, não atendeu as minhas espectativas. 
André Luis Finotti Filho







Eu tenho um 83, 2 portas azul e motor 1.6 refrigerado á água, herança de família, meu vô foi o único dono. E não vou vender, nem rebaixar ou colocar turbo, jamais!
PXinho
0

domingo, 16 de outubro de 2011

Texto: Gustavo do Carmo
Fotos: Divulgação


Em 1995 a General Motors introduziu um novo porte de picape no Brasil. Criada com sucesso nos Estados Unidos, a média S10 posicionou-se abaixo da veterana A/C/D20. Bem mais moderna, atraiu compradores, a concorrência da arquirrival conterrânea Ford Ranger e acabou roubando o espaço da sucessora da Série 20, a Silverado, que começou a ser montada na Argentina.

Sempre fabricada no nosso país, a S10, nascida apenas com cabine simples, cresceu na vida quando ganhou cabine dupla, tração 4x4, motor a diesel, versão luxuosa Executive, teve a frente reestilizada e se tornou a única picape grande da marca. Assumiu a liderança do mercado, inclusive sobre a grandalhona Ford F250, e... dormiu sobre os louros. 

Vieram as modernas Nissan Frontier, Toyota Hilux e Mitsubishi L200 Triton. Mesmo assim a S10 só ganhou pequenos face-lifts. A Volkswagen entrou no terreno das picapes com a Amarok e a GM acordou. Bastou a Ford apresentar a nova Ranger no Salão de Buenos Aires, em julho deste ano, e confirmá-la para o Brasil no ano que vem, para a marca da gravata dourada levantar.

Primeiro mostrou o conceito Colorado no mesmo evento. No início do mês lançou a versão definitiva da picape na Tailândia (nova referência mundial desse tipo de veículo) e confirmou a fabricação do mesmo modelo no Brasil (enquanto a maioria das rivais vem da Argentina) já em janeiro de 2012. E ainda manterá o nome S10. Só resta confirmar se sozinho ou com o prenome ou sobrenome Colorado. 

Na Tailândia, a Colorado foi apresentada nas opções de cabine simples, estendida ou dupla. Para cá a estendida não deve vir, pois a S10 nesta configuração não foi bem vendida em 1996 e 1997. 


As linhas, segundo a General Motors, desenhadas por brasileiros, ficaram mais arredondadas em relação à S10. Mas o perfil ficou quase idêntico ao da rival Hilux, embora que, vista de frente, seja mais reta. A grade dianteira dividida pela barra na cor do carro com a gravata dourada segue a identidade da marca. Os faróis poderiam ser maiores. As lanternas traseiras possuem três elementos quadrados nas luzes. Podem ser em LED nas versões mais caras. 

Por dentro, o painel de utilitário foi substituído por um estilo mais próximo dos carros esportivos, como podemos ver nos instrumentos separados, lembrando o Camaro. O conceito de duplo cockpit está presente, mas de forma mais discreta. O luxo e o bom acabamento dominam o ambiente. Bem diferente da S10. 


Lá na Ásia, a Colorado terá três versões de acabamento: LS, LT e LTZ. Preciso dizer que está dentro do padrão Chevrolet? Além do ar condicionado com disposição circular dos comandos (típico de carros da japonesa Mazda), a nova picape terá equipamentos de segurança modernos como freios ABS, duplo airbag, controles eletrônicos de estabilidade e de tração. Porém, estes itens não estão garantidos no Brasil. 

O motor 2.4 Flex já está confirmado para nós. Mas espera-se que venha o turbodiesel, também de quatro cilindros, 2.8 Duramax, com 180 cavalos de potência. Seu torque varia de acordo com o câmbio de seis marchas. Com o manual rende 44,8 kgfm e com o automático, 47,9 kgfm. Há também o 2.5 de 150 cv. A tração pode ser 4x2 ou 4x4. 

A minha aposta é que a S10 Colorado ou Colorado S10 chegue apenas em março ao mercado. A perua Blazer deverá chegar no fim de 2012 ou início de 2013. 

A S10 foi a pioneira no seu segmento e dominou facilmente o mercado, se dando ao luxo de ficar tanto tempo com a mesma carroceria. Já a Colorado chegará em um mercado disputado e não terá vida fácil. Quem mandou dormir em cima dos louros? 


0

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Texto: Gustavo do Carmo
Fotos: Divulgação


Lançado mundialmente em 2007, chegando ao Brasil dois anos depois, o Tiguan ganhou a sua renovação de meia idade.

O utilitário esportivo médio deixou a fila - onde agora só estão o Passat CC e a linha Gol - e recebeu a frente com o atual padrão Volkswagen. Ou seja, grade e para-choques retos, fundo preto, frisos cromados duplos (que o Tiguan já tinha) e faróis com filetes de LED, autênticos ou não. Os de neblina agora direcionam nas curvas fechadas, em baixa velocidade. Na traseira, as lanternas mantiveram o tamanho e o formato. O que mudaram foram as lâmpadas e o efeito das luzes, agora em L.


O painel interno, com os quatro pares verticais de difusores de ar circulares, também foi conservado, mas o Tiguan ganhou tela colorida no quadro de instrumentos, um novo volante multifuncional, tela sensível ao toque e equipamentos tecnológicos como o detector de fadiga (acende um ícone de café quando sente alguma mudança de comportamento do motorista) e a segunda geração do Park Assist, que agora também estaciona automaticamente em vagas perpendiculares. Pena que este último recurso é opcional. O Tiguan, aliás, lançou a primeira versão do sistema no Brasil. 

Também são cobrados à parte a entrada com a chave guardada no bolso e partida do motor por botão (chamado Kessy), o revestimento integral de couro dos bancos (em três cores: preto, marrom ou bege), o ajuste elétrico para o banco do motorista, rodas de liga-leve de 18 polegadas (as originais têm 17 polegadas), o GPS, os faróis direcionais bi-xénon com 14 LEDs e o teto solar panorâmico.


A linha 2012 do Tiguan vem de série com ar condicionado digital de duas zonas, computador de bordo, retrovisores externos rebatíveis eletricamente, com espelhos aquecíveis que baixam quando se aciona a marcha ré, rádio MP3, Bluetooth e CD Player para seis discos, com comando na tela e no volante, entradas para cartão de memória e iPod, piloto automático, bancos de couro Alcantara na parte central do assento e do encosto (opções de cores preta, cinza e bege), direção elétrica, freio de mão elétrico, gancho Isofix para cadeirinha de criança, sensores de estacionamento traseiro e de chuva, freios ABS, controle de estabilidade (ESP) e tração, além de seis airbags (frontais, laterais e de cortina). 

O bom espaço interno e o porta-malas de 470 litros foram mantidos. A capacidade pode subir para até 1.510 litros. O banco traseiro é rebatível em 60-40, corre para frente e para trás e seu encosto pode ser reclinado. Os bancos dianteiros levam mesinhas retráteis nas suas costas. 


Também permanecem o motor 2.0 TSI com turbo e injeção direta de combustível, que rende 200 cavalos de potência, a tração integral 4Motion - que pode ser concentrada inteiramente no eixo traseiro - e o câmbio automático Tiptronic. Suas marchas podem ser mudadas na alavanca no console e agora também nas borboletas atrás do volante. 

O preço do Tiguan já sofre o efeito do aumento do IPI. Antes previsto para custar na faixa de R$ 105 mil, já subiu para o mínimo R$ 110 mil, podendo aumentar ainda mais. A Volkswagen não divulgou o preço da versão completa. A compensação é que os seus principais concorrentes, como o Hyundai ix35 (R$ 108.000), o Kia Sportage (R$ 103.400) e o Mitsubishi ASX (R$ 96.990) também podem encarecer. A exceção é o Chevrolet Captiva (R$ 100.774), fabricado no México. O ASX será fabricado aqui em breve.

O Tiguan continua confortável e bem acabado. Mas esta renovação poderia ter ido além da nova grade. Os novos itens tecnológicos poderiam ser de série e não deveriam faltar a câmera de ré e o câmbio de dupla embreagem DSG, o que deixaria o jipinho completo, num momento turbulento para carros que vêm de fora do Brasil, dos países do Mercosul e do México. 



FICHA TÉCNICA - VOLKSWAGEN TIGUAN 2.0 TSI 


Motor: Quatro cilindros, transversal, gasolina, 1.984 cm³, turbo, injeção direta, 16 válvulas
Potência: 200 cv
Aceleração de 0 a 100 km/h: 8,5 segundos
Velocidade máxima: 207 km/h
Consumo Médio: 11,05 km/l
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 4,42/1,81/1,70/2,60 m
Porta-malas: 470/1510 litros
Tanque: 63,5 litros
Preços: R$ 110.000 (básico) 



0

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Texto: Gustavo do Carmo
Fotos: Divulgação
Dados de teste: Revista Quatro Rodas


Primeiro compacto de uma marca japonesa desde o Suzuki Swift, vendido em 1993, o Nissan March já está entre nós. Ou melhor, entre os principais populares com motor 1.0 que lideram o mercado, como Volkswagen Gol, Fiat Uno e Chevrolet Celta, de quem o novo carro vai tentar quebrar essa hegemonia.

A partir de R$ 27.790 o Nissan March também promete incomodar a vida do Ford Fiesta Rocam e do Renault Sandero. Porém, estes dois ficaram de fora do comparativo que você lerá mais abaixo. Não consegui encontrar testes do Fiesta 1.0 e quis evitar uma concorrência interna com o Sandero, já que a Nissan e a marca francesa são do mesmo grupo.

Assim, o duelo fica entre o March e o trio citado no primeiro parágrafo. Incluí o Celta para dar uma resposta ao comercial da Nissan, que ironiza os carros velhos que ganham uma frente nova e viram carros novos.

Antes de começar a análise, uma rápida descrição dos preços e versões do March. Começa com a básica 1.0, que não tem nem calotas, mas traz airbags para motorista e passageiro. É a que custa R$ 27.790. Para ter ar condicionado, vidros e travas elétricos, no mínimo, só comprando a versão 1.0 S, por R$ 33.390. O March também terá versões com motor 1.6, mas só a partir de novembro. Com esta cilindrada, a mais barata é a S, por R$ 35.890. A SV custará R$ 37.990. A top, a SR, de aparência mais esportiva, sairá por R$ 39.990.


Estilo e Acabamento

Visto de frente, o March é simpático e parece ser inteiramente arredondado, combinando com o formato ovalado dos faróis. As duas grades têm formato diferenciado. A do para-choque é mais reta. No capô, a entrada é mais arredondada e moldada pelo relevo onde fica o emblema que se estende até a metade da tampa do motor.

A impressão de linhas curvas permanece na lateral com as janelas em formato de arco, mas acaba na traseira truncada. As lanternas verticais, parecendo uma gota, se destacam da tampa do porta-malas e ainda formam um culote. Lembra a geração retrasada, de 1993, desconhecida no Brasil. A diretamente anterior (2002) era arrojada demais. Por isso, a nova versão ficou mais leve, sem perder a modernidade.


Ele supera o excesso de quadrados do Uno, que em breve vai enjoar. Com três anos de idade, o visual do Gol já está cansado. Mesmo assim, empata com o Fiat por ser mais agradável. Já o Celta dispensa apresentações. Sua carroceria data de 2000, com um face-lift em 2006 e outro ainda mais simples este ano. Pede uma reestilização total ou um sucessor urgente. É um dos modelos representados pelo Senhor Cabeça de Batata, da propaganda do March, que na Europa se chama Micra. 

Bastante plástico rústico até vai, mas não consigo entender porque todo carro popular tem que ter difusor de ar interno circular. É uma mania que começou com o próprio Celta, mesmo com o outro painel. Chegou ao Uno, ao Gol, ao Fiesta, ao Sandero e não podia faltar no March, que é fabricado no México, mas foi projetado para mercados emergentes como o nosso. O carro fica com aparência de espartano, simples demais. Difícil escolher o melhor acabamento.

O Gol é o que aparenta menos pobreza. Seus materiais são os que têm melhor encaixe e aparência de qualidade e requinte. Em segundo vêm o March e o Uno. O Celta é o campeão da franciscanidade. Pra piorar, o Chevrolet ainda tem o volante deslocado para a esquerda.

March e Gol, 1. Celta e Uno, 0.




Espaço interno e Porta-malas

O Uno pode ter o visual estranho, mas suas formas beneficiam o espaço interno. Mas quem surpreende é o Celta. Mesmo com o seu projeto antigo, o GM tem a maior folga para as pernas de quem vai atrás, segundo as medições da revista Quatro Rodas. Junto com o Fiat, também tem a maior largura do banco traseiro. O novato March é o mais alto, inclusive do lado de fora (1,53m). Apesar de mais comprido e com maior distância entre-eixos (3,84m e 2,47m), o Gol é o mais apertado e empata em largura interna com o Nissan. Todos, aliás, abrigam com conforto apenas quatro passageiros. 

O maior porta-malas é o do Gol, com 285 litros. Cinco litros abaixo vem o Uno. O March tem 265 litros e o Celta, 260.

Gol 2, Celta e March 1 e Uno 0. 




Motor, Desempenho e Consumo

Embora seja o único com quatro válvulas por cilindro, o motor 1.0 Flex do March consegue ser o menos potente deste comparativo. Tem 74 cavalos, tanto com álcool (me recuso a falar etanol), quanto com gasolina. Estranho, pois é o mesmo bloco usado nos Renault Clio e Sandero, que rendem 76 e 77 cv.

Em terceiro vem o Evo do Uno, com 73 e 75 cv. O EA-111 do Gol é o segundo melhor colocado, com 72 e 76 cv. O motor mais potente é o VHCE do veterano Celta, com 77/78 cavalos.

Com destaques na retomada e na velocidade máxima, o Gol tem o melhor desempenho. De acordo com a Quatro Rodas, recupera entre 80 e 120 km/h em 22,1 segundos e alcança 169 km/h. Em 14 segundos, o March acelera, de 0 a 100 km/h, meio segundo mais rápido que o Volks e sete décimos em relação ao Celta. O Uno foi o mais lento em todas as principais medições: 17,1 seg. de aceleração, 31,2 seg. de retomada e 153 km/h.

O March recupera a velocidade em 30,4 segundos e o Celta em 23,3 seg. O Chevrolet alcança os 161 km/h. A Nissan não divulgou a velocidade máxima do seu compacto.

Três carros empataram em primeiro lugar no consumo médio. Empate técnico, claro. O Gol fez 10,35 km/litro com álcool (como a Quatro Rodas sempre testa seus carros). Na cidade, o Volkswagen percorreu 8,7 km/l e na estrada, 12 km/l. O Uno, com média de 10,3 km/l, fez respectivamente 8,9 e 11,7 km/l. E com 10,2 km/l, o Celta fecha o trio dos mais econômicos (8,4 e 11,8 km/l). O March, apesar da boa média, ficou em último com 9,75 km/l (8,3 e 11,2 km/l).

Gol 4, Celta, 3. March e Uno, 1. 




Segurança e Conforto 

O March é o único popular equipado com airbag duplo de série desde a versão básica. A Nissan resgatou, assim, uma estratégia que a Renault fez na época do lançamento do Clio nacional, no final de 1999. Espero que não abandone de novo.

Mas a preocupação com a segurança passiva dos seus passageiros parou por aí. O March vem sem freios ABS até para a versão mais cara com motor 1.6. Nem como opcional. Dos rivais, apenas o Celta não disponibiliza airbags e ABS. No Gol e no Uno são opcionais. Cinto de segurança de três pontos para o passageiro que vai no meio do banco traseiro ninguém tem. Já o Uno é o único que oferece apoio de cabeça para o mesmo passageiro e ainda assim, opcional.

Se o March se destaca no papel ao oferecer airbags de série, na segurança ativa a surpresa é mais uma vez o Celta, que freia em menor espaço: 29,4 metros a 80 km/h. Em segundo lugar vem o Gol, com 31,7 m. O Uno parou em 34,6 e o March decepcionou ao precisar de 38,5 metros.

O compacto da Fiat consegue no conforto a sua primeira vitória individual ao ser o mais silencioso a 80 km/h. O Uno registrou 62,1 decibéis. Logo atrás dele, Gol e Celta empataram tecnicamente em 63,3 e 63,5. Mais uma vez o March ficou na lanterna, com 66 decibéis.

Gol 4, Celta 4, March e Uno 2. 


Preço, Equipamentos de série e Assistência

Exigindo que todos os carros tenham pintura metálica, ar condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricos no mínimo, o mais barato é o Celta LT 4 portas, que sai por R$ 33.616. E pode ficar mais barato (R$ 33.034) porque o leque de cores sólidas, sem custo, é mais variado do que as metálicas. Além do branco, tem preto e vermelho. As metálicas só prata e cinza. Vem de série com as travas elétricas, entre os itens "obrigatórios", além de cintos de segurança dianteiros com regulagem de altura, travamento automático das portas em movimento, imobilizador, aviso sonoro de faróis e lanternas acesos com o motor desligado, ajuste manual interno dos retrovisores externos, limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro e preparação para som com alto-falantes. A última reestilização do Celta, felizmente, acabou com aquela política de deixar os equipamentos importantes nas mãos das concessionárias, como acessórios, o que dificultava a comparação dos preços. 

Segundo mais barato com a mesma configuração exigida, o Uno Vivace 1.0 4 portas custa R$ 33.780. Mas vem praticamente pelado na versão básica. Só traz o imobilizador na lista de série. Os demais itens presentes no Celta estão no pacote de opcionais que tem o ar, a direção, os vidros e as travas: o Celebration 5 (R$ 4.520).  

O terceiro é o March, que merecia ser o segundo. Se o interessado quiser um carro preto, pode pagar os R$ 33.390 pelo 1.0S. Mas o Celta com essa cor ainda ficaria mais barato. Além do preto, o Nissan só tem de graça a cor branca. Cores como prata, azul, laranja e vermelho, só metálicas e com elas o preço aumenta para R$ 34.110. A versão considerada é a mais completa entre os quatro. Traz não só os itens exigidos como também a direção assistida é elétrica e vem com abertura e fechamento das portas e porta-malas por controle remoto, retrovisores elétricos, volante com regulagem de altura, banco do motorista com regulagem manual, airbag duplo e computador de bordo. Só pra destacar os itens que os concorrentes não têm. Os três últimos itens já estão presentes na versão básica, que tem como opcionais o ar condicionado, a direção assistida e o volante regulável. Incluindo estes, o March sai por R$ 31.990.  

Além de caro (R$ 38.040), o Gol consegue ser mais pelado do que o Uno. Só tem banco do motorista com regulagem de altura entre os relevantes. Claro que alguém vai achar alguma coisa interessante em cada lista, mas aqui citei os principais equipamentos de série. 

A melhor assistência é do March. Além da garantia maior de fábrica (3 anos), o Nissan tem o menor custo de manutenção. De acordo com a Quatro Rodas, somando os preços das revisões até 30.000 quilômetros (R$ 717) com um pacote de peças que inclui par de pastilhas de freio dianteiro, kit de embreagem, amortecedores dianteiros, farol esquerdo, capa de para-choque dianteiro e retrovisor esquerdo (R$ 1.243), o gasto total é de 1.940 reais. Não considerei o preço do seguro porque foi calculado para São Paulo. 

O Gol fica com o segundo lugar por causa das 619 concessionárias da Volkswagen. As peças dele custam R$ 2.464 e as revisões R$ 702. A General Motors tem 596 revendas, a Fiat 562 e a Nissan, apenas 113. A manutenção do Celta custa R$ 2.765 (864 + 1.901) e a do Uno, R$ 2.095 (628 + 1.467).



Conclusão

Aprendi na vida que debochar dos outros é feio e merece um castigo. Foi o que fez a Nissan, mesmo que não tenha citado explicitamente os concorrentes. Um dos alvos de sua chacota na TV superou o seu primeiro carro compacto no Brasil, o primeiro de uma marca japonesa.  

O Celta venceu o comparativo, que foi muito equilibrado. O veterano carro do final do século XX é o mais barato, tem o motor mais potente, é um dos mais econômicos em combustível, freia mais rápido e ainda conseguiu a proeza de ser o mais espaçoso para quem vai atrás. Mas, por favor, Chevrolet! Não se acomode. Continue desenvolvendo o sucessor do Celta e o lance mais rápido possível. Carro moderno é bom e o povo gosta. 

O March venceu a mesma quantidade de itens que o Gol, mas só ficou em segundo porque empatou apenas com o Celta na segurança. O Gol dividiu o ponto no consumo com o mesmo Chevrolet e o Uno. Este é o critério de desempate. Quem ganha mais sozinho ou empata com menos rivais leva vantagem. 

O Nissan se destacou no estilo, equipamentos de série, principalmente de segurança, e manutenção. E isso é muito bom. Mas peca no motor, no ruído interno alto, na frenagem, no consumo e no porta-malas. O acabamento é muito simples, apesar de bem montado. 

Campeão de vendas há quase 25 anos, o Gol tem o melhor acabamento, o maior porta-malas, anda mais e gasta menos combustível. Seu visual de 2008 ainda agrada, mas já pede o face-lift que o resto da linha Volkswagen já tem. Deve ganhar no ano que vem. 

E o Uno perde o seu segundo comparativo. Se no final de janeiro ficou atrás do Gol e do chinês Chery Face, agora ele também é ultrapassado pelo Nissan March e, pior, pelo velho Celta. Só ganhou no conforto (nível de ruído) e dividiu o consumo com o Gol e o Celta. 

O Nissan March tem um preço bom, a lista de equipamentos de série agrada e o pós-venda promete pesar menos no bolso. Em 2013 será fabricado em Resende, aqui no estado do Rio de Janeiro. Mas por causa de alguns defeitos, vai ter que aproveitar bastante o seu rostinho bonito e simpático para quebrar a hegemonia das quatro grandes marcas presentes no mercado brasileiro. 



Resumo 

Preço - Celta
Motor - Celta
Desempenho - Gol
Consumo - Gol, Uno e Celta
Segurança - March e Celta
Conforto - Uno
Porta-malas - Gol
Estilo - March
Acabamento - Gol
Assistência - March
Espaço interno - Celta
Equipamentos de série - March



Classificação Final e Ficha Técnica



1º CHEVROLET CELTA LT 1.0 VHCE 4 portas - 5 vitórias

Motor: Quatro cilindros, transversal, flex, 999 cm³, 8 válvulas
Potência: 77 cv (gasolina) e 78 cv (álcool)
Aceleração de 0 a 100 km/h: 14,7 segundos (álcool - Revista Quatro Rodas)
Velocidade máxima: 161 km/h (álcool)
Consumo Médio: 10,2 km/l (álcool - Revista Quatro Rodas)
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 3,79 /1,62/1,43 /2,44 m
Porta-malas: 260 litros
Tanque: 54 litros
Preços: R$ 29.614 (LT básico), R$ 33.616 (LT completo)








2º NISSAN MARCH 1.0 S - 4 vitórias (3 sozinho e 1 empatado com o Celta)

Motor: Quatro cilindros, transversal, flex, 998 cm³, 16 válvulas
Potência: 74 cv (gasolina e álcool)
Aceleração de 0 a 100 km/h: 14 segundos (álcool - Revista Quatro Rodas)
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo Médio: 9,75 km/l (álcool - Revista Quatro Rodas)
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 3,78 /1,67/1,53 /2,45 m
Porta-malas: 265 litros
Tanque: 41 litros
Preços: R$ 27.790 (básico), R$ 34.110 (S com pintura metálica) e R$ 34.810 (S com rodas de liga-leve)







3º VOLKSWAGEN GOL 1.0 - 4 vitórias (3 sozinho e 1 empatado com o Celta e o Uno)

Motor: Quatro cilindros, transversal, flex, 999 cm³, 8 válvulas
Potência: 72 cv (gasolina) e 76 cv (álcool)
Aceleração de 0 a 100 km/h: 14,5 segundos (álcool - Revista Quatro Rodas)
Velocidade máxima: 169 km/h (álcool)
Consumo Médio: 10,35 km/l (álcool - Revista Quatro Rodas)
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 3,84 /1,66/1,45 /2,47 m
Porta-malas: 285 litros
Tanque: 55 litros
Preços: R$ 30.380 (básico), R$ 38.040 (intermediário) e R$ 44.810 (completo)







4º FIAT UNO VIVACE 1.0 EVO 4 portas- 2 vitórias 

Motor: Quatro cilindros, transversal, flex, 999 cm³, 8 válvulas
Potência: 73 cv (gasolina) e 75 cv (álcool)
Aceleração de 0 a 100 km/h: 17,1 segundos (álcool - Revista Quatro Rodas)
Velocidade máxima: 153 km/h (álcool)
Consumo Médio: 10,3 km/l (álcool - Revista Quatro Rodas)
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 3,77 /1,64/1,48 /2,38 m
Porta-malas: 280 litros
Tanque: 48 litros
Preços: R$ 28.480 (básico), R$ 33.780 (intermediário) e R$ 37.754 (completo)
19

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (209) História (135) Volkswagen (128) Chevrolet (125) Ford (112) Lançamento Internacional (88) Fiat (86) Carro do Ano (83) Comparativos (83) Retrospectiva (71) Em Breve no Brasil (66) Honda (53) Renault (51) Toyota (49) Hyundai (48) Peugeot (48) Citroën (46) Sonhos de Consumo (46) Nissan (43) Especial (38) Audi (37) Baba Brasil (36) Mercedes (36) Kia (31) BMW (29) História em Fotos (27) Lembra de mim? (24) História em Miniatura (23) No Mercado (22) Cruze (20) Motor do Ano (19) Gol (18) Opel (18) Volvo (18) Analisando (17) Corolla (17) Focus (17) JAC (17) Mário Coutinho Leão (17) Editorial (16) Ka (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Civic (15) Fiesta (15) Golf (15) Ecosport (14) Jeep (14) Mitsubishi (13) Fox (12) Palio (12) Salão de Genebra 2014 (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Corvette (11) Fit (11) Guscar em Genebra (11) HB20 (11) Polo (11) Retrospectiva 2016 (11) Retrospectiva 2018 (11) Uno (11) up! (11) 3008 (10) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Chery (10) Jaguar (10) Suzuki (10) Utilitário do Ano (10) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Carro do Ano 2018 (9) March (9) Mustang (9) Onix (9) Retrospectiva 2017 (9) i30 (9) 500 (8) C3 (8) Carro Premium (8) Carro do Ano 2016 (8) City (8) Dodge (8) Duster (8) McLaren (8) Prêmios Suplementares (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) Sportage (8) 208 (7) Alfa Romeo (7) CR-V (7) Cerato (7) Fluence (7) Jetta (7) Land Rover (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Porsche (7) Ranger (7) Renegade (7) S10 (7) Salão de Genebra 2012 (7) Seat (7) Versa (7) Voyage (7) 308 (6) Accord (6) Aircross (6) Bentley (6) C4 (6) Carro do Ano 2017 (6) Classe A (6) Corsa (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) Lamborghini (6) Passat (6) Picape do Ano (6) Punto (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Saveiro (6) Sentra (6) Strada (6) Toro (6) Tracker (6) 2008 (5) 408 (5) 508 (5) A3 (5) A5 (5) Campeões de Audiência (5) Captur (5) Classe E (5) Clube dos Quinze (5) Cobalt (5) Edge (5) Eles são 10! (5) Equinox (5) Escort (5) Frontier (5) Guscar MOTO (5) HR-V (5) Hilux (5) Lifan (5) Logan (5) RAV4 (5) Salão de Pequim 2014 (5) Série 3 (5) Teste de pista (5) A4 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Camaro (4) Captiva (4) Classe C (4) DS4 (4) Especial Crossovers (4) Fusca (4) GLE (4) HB20S (4) Hilux SW4 (4) Ibiza (4) Jumpy (4) Kadett (4) Kicks (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Opala (4) Optima (4) Picanto (4) Polara (4) Prisma (4) Q3 (4) S60 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Vitara (4) Willys (4) XE (4) 911 (3) A1 (3) AMG GT (3) Ayrton Senna (3) Bravo (3) Camry (3) Celta (3) Chevette (3) Classe ML (3) Clio (3) Compass (3) Continental GT (3) Creta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) Expert (3) Fim de Temporada (3) GLC (3) Giulia (3) J3 (3) Malibu (3) Mobi (3) Monza (3) Omega (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Parati (3) Prius (3) QQ (3) Salões (3) Santa Fe (3) Sorento (3) T-Cross (3) T-Roc (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Tiguan (3) Tucson (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) Veloster (3) X60 (3) XC40 (3) XC90 (3) Yaris (3) 147 (2) 164 (2) 405 (2) 5008 (2) 507 (2) A8 (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Argo (2) Arona (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) Brasília (2) C1 (2) C4 Cactus (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chrysler (2) Classe B (2) Classe S (2) Classic (2) Corcel (2) Cronos (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Dauphine (2) Elantra (2) Elba (2) Escape (2) Espero (2) Estão comentando (2) Fiorino (2) GLA (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Kadjar (2) Kombi (2) Kuga (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Leaf (2) Linea (2) Logus (2) Maverick (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Motor do Ano 2018 (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) Q5 (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) Santana (2) Senna (2) Silverado (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) Série 5 (2) Série 8 (2) T6 (2) Tipo (2) Touareg (2) Transit (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vale a Pena? (2) Vectra GT (2) Veneno (2) Virtus (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 203 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 401 (1) 402 (1) 403 (1) 404 (1) 406 (1) 407 (1) 4C (1) 500X (1) 504 (1) 505 (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Blazer (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Capri (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carro Premium 2018 (1) Carro Superpremium do Ano (1) Carro Superpremium do Ano 2018 (1) Carro do Ano 2019 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Classe G (1) Classe X (1) Clubman (1) Colorado (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) Cullinan (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Pace (1) E-Type (1) EC7 (1) Eclipse (1) Eclipse Cross (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) I-Pace (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kona (1) LF320 (1) LF620 (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Matérias Especiais (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Picape do Ano 2018 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Rolls-Royce (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SVX (1) SX4 (1) SXC (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Subaru (1) Sunny (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T40 (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tigra (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Urus (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vario (1) Vedette (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Vito (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) Wrangler (1) X-ChangE (1) X2 (1) XC60 (1) XF (1) XIV-2 (1) Xantia (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)