sexta-feira, 1 de setembro de 2017

HISTÓRIA - VOLKSWAGEN KOMBI 60 ANOS


O veículo fabricado por mais tempo no Brasil estaria completando 60 anos. Sua história se encerrou no final de 2013, por causa da obrigação de todo o carro fabricado no país ser equipado com airbags frontais e freios ABS a partir do ano seguinte, o que era inviável na Kombi.

Sindicalistas e o ex-ministro da fazenda do desgoverno do PT tentaram adiar a morte do utilitário, isentando a Kombi desta obrigação. Mas o bom senso falou mais alto.

Na Alemanha, a Kombi nasceu em outubro de 1949, sugerida dois anos antes por Ben Pon, um empresário holandês, dono de concessionária que se tornou o primeiro representante da Volkswagen em seu país natal e fora do país de origem da marca. Pon rabiscou em seu caderno de anotações o esboço de um automóvel revolucionário que pudesse transportar cargas de forma eficaz. A ideia veio do Plattenwagen, uma espécie de carrinho motorizado de transporte de peças dentro da fábrica da Volkswagen, que tinha chassi e motor de Fusca, mas a cabine com o volante ficava na parte de trás.





Construído sobre um novo monobloco, mas compartilhando suspensão e motor do Fusca (conhecido na época como Sedan ou Tipo 1), o novo utilitário deveria suportar cerca de 800 kg com um motor de cilindros contrapostos (boxer) de apenas 1.2 litro de cilindrada e 25 cavalos. Para distribuir o peso, Pon recomendou que a carga seja transportada no meio, o motor atrás e os dois passageiros fossem na frente. 

O primeiro furgão monovolume do mundo nasceu com dois nomes oficiais: Typ (tipo) 2, referente ao projeto e Transporter, o nome comercial. O nome Kombi usado por nós é a abreviação de kombinationsfahrzeug, ou seja, combinação de espaço para o transporte de passageiros e carga. Resumindo, veículo multiuso, antecipando o conceito do Doblò, do Kangoo e do Berlingo, que fizeram sucesso inicialmente no Brasil, mas esfriaram nos anos seguintes.


O Plattzenwagen, carrinho de transporte interno de fábrica que inspirou Ben Pon a criar a Kombi

Em 1950, o utilitário começou a ser vendido no Brasil, importado pela Brasmotor, a mesma que traria o Fusca, também representante da Chrysler e antiga dona dos eletrodomésticos Brastemp. Logo passou a ser montadp na sede da empresa, em São Paulo. 

Sua carroceria parecia um pão de fôrma inteiro. Os pára-brisas eram divididos, a frente vertical, por causa do motor traseiro (a entrada do ar que o refrigerava ficava na lateral), e ela tinha um par de faróis redondos. A sua personalidade era dada pelo vinco em V e o grande emblema VW.



Há sessenta anos, já chamado de Kombi, inaugurou a fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. A Kombi começou a ser produzida antes mesmo do Fusca, que já era importado, mas só seria produzido dois anos depois. Como o sedan, a Kombi começou com 50% de nacionalização. 

Foto: Gustavo do Carmo

O primeiro utilitário fabricado no Brasil também tinha o seu defeito: o motor 1200 (já com 30 cv de potência) refrigerado a ar era barulhento. Mas a sua capacidade de transportar até 9 passageiros, os seus 4,8 m³ de espaço útil e a facilidade de manobrar fizeram da Kombi um sucesso. A capacidade menor das concorrentes Willys Rural e Toyota Bandeirante também colaborou para que a van da Volkswagen dominasse o mercado. 

Em 1961, 95% dos componentes já eram feitos aqui. Chegavam o câmbio sincronizado e a versão de seis portas laterais. Disponível inicialmente nas versões furgão (fechado) e passageiros (com oito janelas laterais, quatro de cada lado, sem contar as da coluna traseira e as dos passageiros da frente), ganhou em 1967 a picape. A partir daquele ano, a Kombi brasileira começou a parar no tempo, embora tivesse recebido um novo motor 1500 com 44 cavalos líquidos de potência.





Na Europa, a Kombi evoluía para uma versão que levaria trinta anos para chegar aqui: teto alto, janelas laterais maiores e porta corrediça. Era chamada de Clipper. Depois foi mudando de carroceria até se transformar na Caravalle vendida aqui como importada em 1999, junto com a Eurovan, de grade mais antiga. Lançadas bem na época da desvalorização do Real frente ao dólar, se tornaram caras demais e não pegaram no Brasil.


A atual T6

A primeira das duas únicas mudanças radicais da Kombi brasileira só aconteceu em 1975 e, ainda assim, pela metade. O vinco em V desapareceu, o pára-brisa passou a ser inteiriço e alinhou-se ao teto. As redondinhas luzes de direção deixaram a companhia dos faróis e foram parar próximas ao pára-brisa, retangulares, com lente laranja e integrados a uma entrada de ar. Os para-choques perderam os apliques verticais e ficaram mais retos. As janelas do motorista e do carona deixaram de ser corrediças para terem abertura convencional, por manivela. Atrás, as lanternas deixaram de ser ovais e aumentaram de tamanho. Por dentro, um novo painel que durou até 2005. Com a reestilização, a cilindrada do motor se tornou 1600 e a sua potência subiu para 52 cavalos.


Pronto. A partir daí a Kombi foi ganhando apenas alterações nas calotas, na moldura dos faróis e no acabamento interno. Chegou a oferecer picape de cabine dupla e estendida e até motor a diesel (1600, com 50 cavalos), em 1984, identificado por um indiscreto radiador na frente. Transformou-se em motorhome, ambulância e conquistou de vez os feirantes. Já havia sido camburão de polícia, mas foi trocada pela Chevrolet Veraneio.

Kombi Diesel



Com a reabertura das importações no início dos anos noventa, desembarcaram as coreanas Towner, Topic e Besta e a japonesa L300, da Mitsubishi. Conquistaram compradores, mas não tomaram o lugar da Kombi. A primeira era muito pequena e as três últimas muito grandes. O mesmo valeu para Ducato, Partner, Boxer, Sprinter, Trafic e Master. 

Por isso, a Volkswagen deu apenas uma refrescada na Kombi, sem renovar totalmente o utilitário, mas, finalmente, trazendo as janelas maiores, a porta corrediça e o teto elevado em 11 cm. Eliminou também a divisória entre a cabine e a área de passageiros, fazendo dela uma van "moderna". Voltou a criar uma versão luxuosa, com bancos de veludo, que não existia desde os anos 70, batizando-a de Carat. Comportava apenas sete passageiros contra nove da versão básica.










Em 1998, o motor boxer 1600 ganhou injeção eletrônica. Em 2004, virou bicombustível. E dois anos depois, por causa do aumento da rigidez das leis antipoluentes nacionais, o motor a ar, usado no primeiro Fusca alemão, há quase setenta anos, e há mais de cinquenta no Brasil foi finalmente aposentado. Em seu lugar entrou o 1.4 Total Flex, com refrigeração a água, bicombustível (potência variando entre 78 e 80 cavalos), mas ainda montado na traseira. Visualmente, o carro voltou a usar a grade acoplada do antigo modelo a diesel e, por dentro, um novo quadro de instrumentos, transplantado do Fox e do Gol. Mas criaram uma série especial, a Prata, como despedida para o motor a ar. Em 2007 foi vendida  outra série, desta vez limitada a 50 unidades, em comemoração ao cinquentenário da peua, com pintura saia e blusa: vermelha na carroceria e branca no teto.







Com a saída de cena das vans coreanas e o preço elevado das atuais rivais, a Kombi ganhou sustentação graças aos donos de lotação. Mesmo arcaica, a Kombi brasileira já foi exportada para a Argentina, México e Nigéria. Atualmente, costuma ser comprada por empresas de personalização no exterior que buscam atender aos fãs saudosos da antiga Microbus.




Já se falou que a Kombi ganharia uma nova geração baseada na plataforma AB9 do Gol. Mas não passou de especulação. O conceito Bulli, apresentado no Salão de Genebra de 2011, que criava uma versão modernizada, como fizeram com o Fusca (New Beetle), não vingou. Na exposição de eletrônicos para o consumidor de 2016 (Consumer Eletronics Show - CES), em Las Vegas (EUA), foi apresentado outro conceito, o Budd-e, agora com motor elétrico. Em Detroit 2017 foi apresentada a iDBuzz, outro conceito com motor elétrico, conectado à internet e com formas mais parecidas com a da Kombi, que deve ser mesmo a sucessora do utilitário, se não suspenderem novamente o projeto.



Volkswagen Bulli 2011




Volkswagen Budd-e

Volkswagen ID-Buzz

Em 2009 o Contran deu cinco anos de prazo para que todos os carros fabricados no país estejam equipados com airbags frontais e freios ABS. Indiretamente, seu fim estava decretado. A Volkswagen ainda tentou adaptar os modernos itens de segurança no projeto de 55 anos. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega tentaram fazer pressão no órgão para isentar a Kombi e outros modelos como o Fiat Mille (velho Uno) da obrigatoriedade dos itens de segurança e prolongar a sua vida em mais dois anos, com a justificativa de evitar demissões com a desativação das linhas de montagem. Mas diante da reação negativa da imprensa automotiva, o Contran foi irredutível e a Kombi teve que sair mesmo de produção.



Para preparar a despedida, a Volkswagen já tinha lançado, em agosto de 2013, a série especial Last Edition, limitada, inicialmente a 600 unidades. Vinha exclusivamente na cor "azul calcinha" com teto branco (estilo saia e blusa), cor presente também nas rodas, calotas e banda dos pneus, além dos para-choques. Na lateral e na traseira um selo 56 anos, que marcava a idade que ela tinha ao deixar de ser fabricada no Brasil.


O interior era luxuoso com cortinas, nome da Kombi bordado nas braçadeiras, bancos revestidos de vinil e uma placa de aço escovado com o número da unidade na disposição 001/600. O motor era o 1.4 EA111 Flex de 78/80 cv. A série especial custava R$ 85 mil na época, que já era caro. Mesmo assim, a procura foi grande e a Volks lançou mais 600 unidades, o que motivou algumas ações na justiça de clientes ludibriados com um lote caro que foi vendido como raro, mas que ganhou mais 600 exemplares.






Enquanto Last Edition era vendida, a Volkswagen fazia ações de marketing, dando presentes alusivos à Kombi, como se fosse o testamento de uma "velha senhora" a algumas pessoas selecionadas pela agência de publicidade, como uma moça que nasceu dentro do utilitário, comerciantes que abriram negócio usando o carro, um torcedor que viajou para três Copas do Mundo de Kombi e o filho do criador Ben Pon.







A Kombi enfim deixou de ser produzida em 19 dezembro de 2013, véspera do recesso de fim de ano. A 1.200ª unidade das 1.200 esticadas da Last Edition foi enviada para o museu mundial da Volkswagen em Hannover. Afinal, foi a última Kombi produzida no mundo.



Em termos de segurança a Kombi não deixou saudades. Nas lembranças de vida de seus muitos compradores, com certeza, sim. Mas ela merecia, muito bem, ser modernizada no Brasil, com direito a airbags e freios ABS, responsáveis por sua morte natural.  

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO E GUSTAVO DO CARMO
DADOS DE TESTE KOMBI LAST EDITION: REVISTA QUATRO RODAS


Nenhum comentário:

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (191) Volkswagen (105) Chevrolet (103) História (97) Ford (90) Fiat (82) Carro do Ano (73) Comparativos (73) Lançamento Internacional (72) Em Breve no Brasil (56) Retrospectiva (51) Renault (46) Honda (45) Toyota (44) Citroën (39) Nissan (39) Especial (38) Hyundai (38) Peugeot (37) Sonhos de Consumo (36) Audi (35) Baba Brasil (29) Kia (27) Mercedes (27) BMW (24) No Mercado (22) História em Miniatura (19) Cruze (18) Gol (18) Lembra de mim? (17) Motor do Ano (17) Mário Coutinho Leão (17) Corolla (16) JAC (16) Opel (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Analisando (15) Fiesta (15) História em Fotos (15) Ka (15) Civic (14) Editorial (14) Golf (14) Focus (13) Salão de Genebra 2014 (12) Volvo (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Guscar em Genebra (11) Mitsubishi (11) Palio (11) Retrospectiva 2016 (11) Uno (11) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Corvette (10) Fox (10) HB20 (10) Utilitário do Ano (10) up! (10) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Chery (9) Ecosport (9) Fit (9) Jaguar (9) March (9) Suzuki (9) 500 (8) Carro do Ano 2016 (8) Duster (8) Jeep (8) Onix (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) i30 (8) 3008 (7) Carro Premium (7) City (7) Dodge (7) Fluence (7) Land Rover (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Polo (7) Porsche (7) Prêmios Suplementares (7) Ranger (7) Salão de Genebra 2012 (7) Versa (7) Voyage (7) 208 (6) 308 (6) Aircross (6) Alfa Romeo (6) C3 (6) C4 (6) CR-V (6) Carro do Ano 2017 (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) McLaren (6) Mustang (6) Passat (6) Punto (6) Renegade (6) S10 (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Sentra (6) Sportage (6) Strada (6) Toro (6) A3 (5) Accord (5) Cerato (5) Classe E (5) Cobalt (5) Eles são 10! (5) Guscar MOTO (5) Hilux (5) Jetta (5) Lamborghini (5) Lifan (5) Logan (5) Picape do Ano (5) Salão de Pequim 2014 (5) Saveiro (5) Seat (5) Teste de pista (5) Tracker (5) 2008 (4) 408 (4) A4 (4) A5 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Bentley (4) Campeões de Audiência (4) Captiva (4) Classe C (4) Corsa (4) DS4 (4) Edge (4) Escort (4) Especial Crossovers (4) Frontier (4) Fusca (4) HB20S (4) HR-V (4) Hilux SW4 (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Optima (4) Picanto (4) Prisma (4) Q3 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Série 3 (4) XE (4) 911 (3) Bravo (3) Camaro (3) Camry (3) Captur (3) Celta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) GLC (3) Giulia (3) Ibiza (3) J3 (3) Kicks (3) Malibu (3) Mobi (3) Monza (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Polara (3) Prius (3) QQ (3) RAV4 (3) Salões (3) Sorento (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) Vitara (3) X60 (3) XC90 (3) 147 (2) 507 (2) 508 (2) A1 (2) A8 (2) AMG GT (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Ayrton Senna (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) C1 (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chevette (2) Chrysler (2) Classe A (2) Classe B (2) Classe ML (2) Classe S (2) Classic (2) Creta (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Elantra (2) Elba (2) Espero (2) Estão comentando (2) Expert (2) Fim de Temporada (2) Fiorino (2) GLA (2) GLE (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Jumpy (2) Kadett (2) Kadjar (2) Kombi (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Linea (2) Matérias Especiais (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Opala (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Parati (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) Q5 (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) S60 (2) Santana (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) T-Roc (2) T6 (2) Tiguan (2) Tipo (2) Transit (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vectra GT (2) Veneno (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) Willys (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 164 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 405 (1) 4C (1) 500X (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Argo (1) Arona (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Brasília (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C4 Cactus (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Classe X (1) Clio (1) Clubman (1) Colorado (1) Compass (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Continental GT (1) Corcel (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) Dauphine (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Pace (1) E-Type (1) EC7 (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equinox (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kona (1) Kuga (1) LF320 (1) LF620 (1) Leaf (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Maverick (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Omega (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SX4 (1) SXC (1) Santa Fe (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Sunny (1) Série 5 (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Touareg (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Tucson (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vale a Pena? (1) Vario (1) Vedette (1) Veloster (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) X-ChangE (1) XF (1) XIV-2 (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Yaris (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)