domingo, 11 de novembro de 2018

HISTÓRIA - CLUBE DOS QUINZE ANOS - VOLKSWAGEN FOX



Fechando a série Clube dos Quinze Anos, que desde abril vem atualizando a história de quatro compactos nacionais que completaram 15 anos de produção em 2018, o Volkswagen Fox é o único que continua estruturalmente com a mesma carroceria desde o lançamento. Só mudou a frente e o interior em 2009 e 2014.
A sua história começa quatro anos antes do lançamento. Em 1999, a Volkswagen inaugurou a sua nova fábrica em São José dos Pinhais, no Paraná (a primeira de veículos de passeio fora do estado de São Paulo), para fabricar o Golf e o Audi A3. No mesmo ano, executivos já pensavam em um hatch pequeno bem brasileiro, bem tupiniquim.


A Volks também estava temerosa de um possível prejuízo com a produção dos modelos médios. Mas primeiro decidiu investir em um compacto mais refinado, com melhor acabamento: o Polo, apresentado na Europa em 2001 e fabricado no Paraná no ano seguinte. Somente com os planos de produzir um modelo mais simples, o Projeto Tupi saiu do papel.

O novo hatch quase se chamou assim. Mas o medo de rejeição ao nome da primeira tribo indígena do Brasil e também de criar atrito com os Diários Associados (donos da extinta TV e ainda existente rádio Tupi), fez a Volkswagen mudar de ideia e buscar no seu arquivo o nome usado na versão de exportação do Voyage para os Estados Unidos. Na língua do marketing, a marca desejava associar o modelo à esperteza da raposa. Em setembro de 2003 era apresentado o Fox, com apenas duas portas, fabricado no Paraná.



Sua traseira alta e a dianteira curta fazem o Fox parecer um monovolume pequeno. A lateral tem coluna traseira um pouco larga, quase como no Golf. Atrás, a tampa do porta-malas era bem vertical e limpa, com lanternas majoritariamente nas laterais. A frente original tinha faróis amendoados e, na grade em forma de canoa, apenas dois filetes na cor do carro, assim como o para-choque, que tinha pequenas entradas de ar e faróis de neblina também minúsculos.

Com 3,80m de comprimento, o Fox era menor que os antigos Polo (3,89) e Gol (3,91m). A distância entre-eixos de 2,46m era a mesma nos três, só que o Gol tinha uma plataforma mais antiga e ainda sofria com a velha posição longitudinal do motor, enquanto que no Polo e Fox este ficava na transversal.

No mercado, o Fox deveria se posicionar entre os dois mais velhos. Mesmo assim, a proposta de simplicidade foi levada mais a sério no interior do que no Gol, que acabou empobrecido em um face-lift em 2005. A intenção clara era reduzir os custos de produção.


O painel se limitava a uma bancada abaixo do para-brisa, a parte horizontal arredondada com os difusores de ar retangulares, um console no centro (com o display do som e o comando de ventilação ou ar condicionado) e o quadro de instrumentos minimalista, que concentrava velocímetro, luzes e display do hodômetro, com o conta-giros (minúsculo, de difícil leitura) e marcador de combustível como "parenteses". A economia deu tão certo que a mesma peça também foi usada posteriormente no Gol "Geração 4" e até na Kombi (2006).


Não havia nem porta-luvas. Ou melhor, existia, mas era sem tampa e muito raso. Para compensar, o Fox ganhou 17 porta-objetos, entre eles a parte superior do painel, outro acima do console central, alguns porta-copos e a gaveta embaixo do banco do motorista.

O acabamento do painel e das portas era de puro plástico duro. Não havia nenhuma espuma ou borracha e nenhum tecido, a não ser nos bancos. Por falar neles, houve uma grande preocupação com a posição de dirigir do motorista e conforto do carona, especialmente no ponto H do corpo, formado pelo quadril e as pernas. Ambos ficavam um pouco elevados.


O espaço interno amplo era a principal qualidade do Fox. E de fato ainda é, mas para a cabeça (altura externa de 1,54m) é bem melhor. Uma inovação foi o banco traseiro corrediço (opcional) que aumentava o espaço para as pernas ou o porta-malas de 260 para 353 litros.

A lista de equipamentos do Fox nunca foi muito generosa, já que a Volkswagen queria fazer dele um carro barato (que não era). Ar condicionado, trio elétrico, rodas de liga-leve, CD Player com controle no volante, freios ABS e airbags frontais faziam parte da lista de opcionais. De série mesmo só abertura interna do porta-malas, bancos com ajuste de altura e direção hidráulica.

O Fox foi lançado com motores 1.0 e 1.6. A novidade era que eles já podiam ser abastecidos com álcool e/ou gasolina no mesmo tanque. O sistema Total Flex (como a Volkswagen batizou os seus bicombustíveis) tinha sido lançado no Brasil, pelo então presidente Lula (hoje preso por corrupção), em abril de 2003, no Gol Power 1.6. Era o início de uma "tecnologia" que hoje domina o mercado. A identificação era feita por uma placa no rodapé central do vidro traseiro.


Se com o motor 1.6 o Fox perdeu a corrida histórica para ser o primeiro Flex do Brasil (foi o terceiro, pois a Chevrolet já tinha lançado o Corsa Flexpower), pelo menos conseguiu ter o primeiro motor 1.0 bicombustível.

O 1.0 rendia 71 cavalos com gasolina e 72 cv com álcool (um a mais que o Gol com o mesmo propulsor somente a gasolina). Com 101 e 103 cv, o 1.6 Total Flex do Fox também era mais potente que o do velho líder (97/99 cv).

As versões de acabamento eram a City (que tinha para-choques de série pretos) com motor 1.0, a Plus e Sportline, ambas com 1.0 ou 1.6. O preço sem opcionais variava entre 21 mil e 26.750 reais, mas pulava para R$ 30 e 40 mil respectivamente quando completo.

Em 2003, as quatro portas já eram exigidas no mercado. Mesmo assim, no Fox, elas demoraram seis meses, chegando ao mercado somente em abril de 2004. Deixando o Fox ainda com mais cara de minivan. As portas dianteiras ficaram mais leves, mas o carro ficou mais pesado. Custava cerca de 1.500 reais a mais, mas valia a pena pela praticidade.



Naquele ano, a Volks decidiu exportar o Fox para a Europa, mas encarregou a velha fábrica de São Bernardo do Campo para produzir o lote internacional. que chegou ao Velho Continente em 2005. Da mesma forma que o velho Fox (o Voyage) para os Estados Unidos tinha airbags e cinto de segurança automático, o Fox "europeu" saía de São Paulo equipado com bolsas de ar laterais, controle de estabilidade e ar condicionado digital, teto solar, entre outros itens que o brasileiro não podia ter na sua raposa.

Outra diferença superior do Fox do "primeiro mundo" era a frente mais moderna, com grade preta e para-choques com vincos em V, que era o conceito VW da época. O acabamento interno também era um pouquinho superior, o volante tinha outro desenho e o porta-luvas saía com tampa. Mesmo assim, não foi poupado das críticas pela imprensa local, que pelo menos elogiou o seu espaço interno. Em compensação, os europeus não tiveram as quatro portas laterais e o hatch só levava quatro passageiros. O assento central do banco traseiro foi ocupado por um porta-objetos e porta-copos.


Os motores a gasolina para lá eram um 1.2 de três cilindros e 54 cavalos de potência e um 1.4 de quatro cilindros de 75 cavalos. Havia também um a diesel 1.4, também de três cilindros, com 69 cv. Não preciso nem dizer que carro de passeio a diesel é proibido aqui, né?


O Fox tentou substituir por lá o velho pequenino Lupo. Este nome foi usado no México pelo carro brasileiro para não criar confusão com o então presidente do país latino-americano Vicente Fox. De volta à Europa, o Fox parou de ser exportado em 2006 e demorou  cinco anos para ser substituído pelo Up!, lançado aqui no início de 2014. 


Enquanto o Fox ganhava o mundo, no Brasil ele ganhava uma versão aventureira. Seguia o rastro do sucesso da Fiat Palio Weekend Adventure, que, com quebra-mato no para-choque, faróis de milha, estribos, para-choques e para-lamas de plástico fosco, pneus de uso misto, rack no teto e suspensão elevada, conquistou não só quem gostava de enfrentar lamas como também surfistas, jovens motoristas, taxistas, moradores de bairros sem pavimentação.

Conceito Crossfox 2003
O Crossfox tinha tudo isso, menos os pneus de uso misto e mais o chamativo estepe na tampa do porta-malas, mesmo sendo um hatch compacto. Pegou carona na moda (já brega) do Ford Ecosport. Foi apresentado na mesma ocasião do lançamento em 2003 como um protótipo de apenas duas portas. Mas chegou ao mercado somente em 2005 com quatro.


O quebra-mato ainda era daqueles clássicos: um tubo à frente da grade, integrado aos par de faróis de milha (havia os de neblina nas extremidades do para-choque). Completavam o visual aventureiro, as chapas de alumínio nos para-choques - simulando um protetor - e adesivos com o nome do modelo na base da lateral e o desenho de uma raposa na traseira, que além de fazer apologia à perspicácia do animal, também remetia ao significado do nome.

O estepe, ao contrário do rival Ecosport, tinha abertura bem complicada. Era preciso destravar, puxar o suporte e por fim levantar o porta-malas. A Volkswagen disse que a porta de abertura lateral sairia cara, mas acho que se colocasse a dobradiça no lado esquerdo da tampa do bagageiro sairia mais barato.


O quebra-mato e o estepe contribuíram para o aumento do comprimento de 3,80 para 4,09m. Os dois racks transversais do teto também ajudaram a altura a espichar de 1,54m para 1,64m. A largura e a distância entre-eixos também subiram de 1,64m e 2,46m para 1,69m e 2,47m, respectivamente. A altura livre do solo era 182 mm contra 136 mm do Fox normal. O ângulo de entrada era baixo, apenas 20º, mas o de saída era de impressionantes 35º.

Mas o Crossfox também carecia de personalidade. O motor era o mesmo 1.6 de oito válvulas do modelo comum. O interior tinha de diferente apenas detalhes em alumínio e os bancos com tecidos azul e cinza (pela primeira vez era oferecido a opção de revestimento em couro) e o desenho da raposa bordado neles. A lista de equipamentos de série também não foi melhorada. Ar condicionado, trio elétrico, CD Player, freios ABS e airbags frontais continuavam opcionais. O preço já era caro: R$ 39.712 (quase quatro mil reais a mais que o Sportline 1.6 de quatro portas, que já tinha aumentado de preço). Completo já chegava aos R$ 50 mil.


Mesmo assim, cativou o mesmo público da Palio Adventure. Os taxistas nem tanto. Em compensação, foi homenageado em 2009 por uma jovem cantora piauiense chamada Stephany, com uma música sobre a melodia da balada "A Thousand Miles" da americana Vanessa Carlton. O refrão da letra brasileira diz assim: "Eu sou linda. Absoluta. Eu sou Stephany. No meu Crossfox eu vou sair".

O Crossfox deixou os hatches pequenos com visual lameiro, como Citroën C3 XTR e Renault Sandero Stepway, comendo poeira e se tornou referência no gênero, assim como a Palio Weekend Adventure mandava nas peruas. Mas a Volkswagen já preparava um troco.


O projeto do Fox ia além do hatch e do aventureiro. Estava previsto também um misto de perua e monovolume. Esse modelo chegou em 2006 com o nome de SpaceFox, bem mais simpático que o estranho batismo que ganhou na Argentina, onde é fabricada e de lá vem para o Brasil até hoje: Suran.

A Suran, ou melhor, a SpaceFox ganhou, além de comprimento (de 4,09m no Crossfox para 4,18m), uma terceira janela lateral que não deixa a coluna tão cega, melhorando a visibilidade. A distância entre-eixos de 2,46m é a mesma.

A dianteira, com grade escura e para-choque vincado, veio do Fox de exportação. Mas a traseira, com vidro côncavo e detalhes circulares dentro das lanternas com prolongamento horizontal, foi desenhada especialmente para a perua. Sim, a Spacefox ficou mais parecida com uma perua do que com uma minivan, apesar de curta e alta.


O interior manteve a mesma estrutura do painel e acabamento das portas do Fox. Mas os detalhes foram melhorados e também vieram da versão europeia do hatch. Os plásticos passaram a ter dois tons de cinza, o porta-luvas ganhou uma tampa, a base da alavanca do câmbio ganhou contorno cromado e as portas ganharam outra textura de plástico, imitando um tecido. O espaço interno é o mesmo do Fox, mas a capacidade do porta-malas aumentou para 430 litros ou 527 litros, com os bancos avançados (na Spacefox o sistema era oferecido de série). E se rebater o banco traseiro, o volume cresce para 951 litros. No porta-malas há uma tomada de 12 volts, assim como no console do painel.


O motor era o mesmo 1.6 Total Flex, com os 103 cavalos a álcool. E só ele equipava as duas versões Plus e Comfortline. A mais barata custava R$ 45.650 e enfim trazia bons equipamentos de série como ar condicionado e trio elétrico. Airbags frontais, freios ABS, CD Player (já com MP3), volante regulável em altura e bancos em couro eram opcionais na versão básica, mas de série na completa.  A chegada da Spacefox e a sua boa aceitação no mercado colaborou para o fim da Parati, a perua derivada do Gol Geração 4, no ano passado.


Com o sucesso da Spacefox a Volkswagen enfim adotou no hatch doméstico a frente com grade escura do Fox de exportação. Isso foi apenas em 2007, como modelo 2008. Mas o porta-luvas com tampa não veio. Como o Crossfox já tinha grade cinza, a mudança mais vísível foi no para-choque, que além de receber os vincos, incorporou o quebra-mato, passando a ter apenas uma barra achatada cinza com o nome do modelo gravado à frente da grade. Na lateral, a assinatura foi reduzida para a área da porta da frente, acompanhado de desenhos estilizados de raposa.

Fox Route


No modelo 2009, os motores 1.0 e 1.6 ganharam mais potência com álcool. Apesar do torque não ter mudado, o nome do motor passou a se chamar VHT (Volkswagen High Torque). No 1.0 a potência subiu para 76 e no 1.6 para 104 cavalos. Com gasolina, a potência continuou em 72 e 101 cv, respectivamente. A versão City deu lugar à versão básica sem nome. Por outro lado, chegaram as séries especiais Extreme, Sunrise e Route.

Extreme
A primeira tinha visual esportivo, ao estilo dos carros "tunados" com uma curta faixa branca na lateral dianteira (perto dos faróis, parecia a haste de um óculos), o centro do para-choque preto (evidenciando o V), faróis escurecidos e película escura nos vidros. Por dentro, o quadro de instrumentos compacto tinha fundo branco e os bancos desenho de raposa. O motor era 1.6. A Sunrise era uma aventureira leve, com faróis e caixas das rodas escuros e bagageiro no teto. Era tão leve que o motor era o 1.0. Já a Route, com um acabamento melhor, mas de aparência normal, tinha as duas opções de motorização. Virou versão definitiva e também foi oferecida na Spacefox, que só tem motor 1.6.


Em 2008, a imagem do Fox ficou arranhada por denúncias de que teve gente com dedos amputados na hora de aumentar o espaço do porta-malas, por causa da argola apertada da alça de operação. Com o peso do encosto e a velocidade brusca, o dedo ficava preso e era machucado. A Volkswagen convocou um recall das 477 mil unidades vendidas para trocar a peça por um novo formato de alça. Na época, já tinham sido produzidas 820 mil unidades desde 2003.


A boa notícia é que marca de um milhão de unidades fabricadas foi atingida em 2009. Como presente, ganhou o face-lift dianteiro e o novo painel interno que deu outra cara ao Fox e o padronizou com a linha Volkswagen de todo o mundo.

Os faróis ficaram mais angulosos e ganharam máscara escura, duplo refletor (opcional) de luz aparente e uma estrutura simulando luzes diurnas de LED (talvez seja até uma preparação para o novo equipamento). A grade entre os faróis continua preta, mas agora mais larga, com os filetes bem mais finos e totalmente horizontais. O para-choque também perdeu os vincos em V, ficou alinhado com a grade e foi rasgado pela entrada de ar principal. 


A traseira do Fox quase não mudou. As lanternas mantiveram o formato, mas ganharam novas lentes. A tampa do porta-malas só ganhou um discreto aerofólio no teto e um vinco entre elas. Na Spacefox, que só chegou no meio de 2010, as lanternas ficaram mais retas, perdendo a estrutura circular dentro dela e a transparência da lente, que ficou mais vermelha.



Com o face-lift, a frente do Crossfox ficou mais discreta. O "quebra-mato" embutido e os dois pares de faróis de milha foram extintos. Os de neblina incorporaram as duas funções. A grade do para-choque, ganhou tela em formato de colmeia. Na lateral, o estribo ficou mais sutil e o suporte para bagageiro no teto ficou na posição longitudinal. O nome de versão foi reduzido novamente, passando a ficar em um fundo preto e na parte traseira. traseira. Os detalhes prateados nos para-choques continuaram. Atrás, agora tem outro, em que metade serve de suporte para o pneu sobressalente, que pode ser aberto pela chave. Na hora da abertura, também abre o porta-malas automaticamente. Ficou bem mais prático e ainda dá a impressão de que é uma peça única.



Apesar do plástico ainda duro e de alguns remendos, o novo desenho do painel deu um ar de sofisticação que o Fox não tinha. Em um comparativo que eu fiz aqui no Guscar, cheguei a dizer que o painel antigo era um esqueleto, uma estrutura provisória. Agora tem cara de painel de verdade, lembrando o do novo Polo europeu. O console ficou integrado ao quadro de instrumentos, que deixou de ser concentrado para assumir um formato convencional: velocímetro e conta-giros circulares em cada lado, com marcadores de combustível e óleo dentro deles e, no centro, o display do i-System, como a VW chama o seu computador de bordo, enfim adotado. O volante também foi padronizado com a linha da marca e ganhou braço inferior cromado e vazado. Seus botões de comando deixaram de ficar no inferior do miolo (parecia uma membrana) para ficar nos dois braços superiores.



Os painéis das portas, pela primeira vez, ganharam revestimento de tecido (nas versões mais completas, claro). No Crossfox, que não tinha muitos detalhes exclusivos, os bancos dianteiros ganharam elásticos trançados na lateral e textura ondulada no assento e no encosto.

A Volkswagen mudou a nomenclatura das versões do Fox, que passaram a se chamar 1.6 (a versão básica), Trend e Prime. O Crossfox, claro, continuou. Ar condicionado, direção hidráulica e trio elétrico continuaram opcionais em toda a linha, exceto no aventureiro - que só cobrava a mais pelo ar - e na SpaceFox.

Como já tinham mudado no ano anterior, os motores VHT 1.0 e 1.6 permaneceram no novo modelo. Na mecânica, a grande novidade foi o câmbio automatizado ASG, popularmente chamado de i-Motion, que é um manual sequencial com (somente uma) embreagem robotizada e função automática. Se contribuiu para baratear o custo de produção e popularizar o automático entre os compactos no Brasil, seu ponto negativo era os trancos (ou soluços) que dava quando as marchas mudavam sozinhas. O Crossfox, porém, precisou esperar três anos para ganhar a transmissão. 


Em 2011, a SpaceFox finalmente ganhou a sua versão aventureira. Com o nome de SpaceCross, chegou ao mercado cinco anos depois de um conceito aventureiro ter sido apresentado no Salão de São Paulo. O conceito tinha o painel antigo, mas com detalhes brancos (assim como os bancos), e os instrumentos eram separados como hoje e não aquele concentrado. A SpaceCross definitiva, claro, tinha a frente e o interior da família já com o face-lift.


Demorada resposta à pioneira do gênero, a Fiat Palio Adventure, a SpaceCross tinha estribos laterais, para-choques reforçados, suspensão elevada e a mesma frente do Crossfox. Só não tinha (felizmente) o estepe na tampa do porta-malas como o irmão. O motor é o 1.6. 

Por R$ 58 mil reais era bem completa, trazendo de série o ar condicionado, trio elétrico, rodas de alumínio, sensor de estacionamento traseiro, freios ABS e airbags frontais. O câmbio i-Motion com aletas no volante e rádio/CD Player com MP3 e conexão Bluetooth eram opcionais. Na Argentina, de onde ainda vem, é chamada de Suran Cross.


Em 2011, o Fox hatch ganhou a primeira série especial depois do face-lift. A Rock in Rio 1.6 trazia rodas esportivas com desenho diferenciado, protetor de para-lama preto e logotipos do festival de rock que a Volkswagen patrocina. Por dentro, detalhes vermelhos no bordado dos bancos, alavanca de câmbio e saídas de ar. O equipamento de série mais atrativo era o CD Player com MP3, Bluetooth e senha para baixar músicas gravadas no festival que estava voltando para o Rio após edições em Lisboa e Madrid. Ar condicionado e freios ABS eram opcionais. Foram produzidas 1.050 unidades.


Outras séries especiais foram a BlackFox e a SilverFox. Só eram vendidas com motor 1.0 e nas cores preta e prata, respectivamente, seguindo o nome em inglês. Mas as rodas de alumínio de 15 polegadas do Black eram em grafite e as do Silver pretas. Também tinham lanternas escurecidas. Ofereciam som com Bluetooth e teto solar como opcionais. Em 2009, o BlackFox já tinha sido a última série especial antes do face-lift.


O Fox entrou na era ecológica em 2012. Motor híbrido? Ha, ha, ha! Naaaaão! Nem pensar. A primeira edição do Bluemotion tinha motor flex 1.6, pneus com menor pressão e composto de sílica para diminuir a resistência ao rolamento, falta de opção de rodas de liga-leve, grade selada para reduzir a aerodinâmica, direção eletro-hidráulica, câmbio com relações de marcha alongadas, mostrador para indicar o consumo instantâneo e momento ideal pra trocar de marcha e, claro, poucos equipamentos de série. Tudo para baixar o peso, e consequentemente, reduzir o consumo e diminuir a emissão de gases poluentes (teoria óbvia).


Na carona do face-lift do Gol, que também ganhou frente padronizada, o Fox ganhou a linha 2013, ainda em 2012, com freios ABS e airbags frontais de série. O motor 1.0 mudou de nome de VHT para TEC, mantendo a potência, com promessa de melhor consumo. 

Em 2013 voltaram duas versões, uma limitada e outra permanente: a Rock in Rio, na onda do festival musical bienal e se realizou, na época, pela primeira vez com a tão esperada periodicidade de dois anos. O RiR manteve o motor 1.6, as rodas de alumínio, os detalhes vermelhos no interior, mas a faixa nas portas passou a ser cinza e com uma guitarra estilizada. Entre os novos itens se destacavam o acabamento do volante em couro e um novo rádio/toca-CD/MP3/Bluetooth com visor do sensor de estacionamento traseiro. Ao contrário do Rock in Rio de 2011, o de 2013 tinha ar condicionado, trio elétrico, airbags frontais e freios ABS, mas os sensores de chuva e de faróis eram opcionais.



Os itens do Rock in Rio já faziam parte da linha Fox 2014 e eram os mesmos da versão top, que passou a se chamar Highline, inclusive para a Spacefox, que além desta, da básica e da Cross, tinha a Trend. Na perua, sem alarde, o inovador sistema de banco traseiro corrediço passou a opcional. 

Ainda em 2013, o Bluemotion trocou o 1.6 pelo 1.0 EA-211 de três cilindros, testado no Fox para equipar o então futuro compacto Up!, seu sucessor na Europa. Com quatro válvulas em cada um deles, tem menos atrito na batida dos pistões, que aumentaram de tamanho, e passaram a gerar mais potência, que agora é de 75 e 82 cavalos com gasolina e álcool, respectivamente. O motor foi a melhor tentativa para reduzir o consumo e realmente reduziu bem. Os outros detalhes e justificativas são os mesmos do Bluemotion 1.6, a não ser pelo novo desenho das calotas. Em comparativo aqui no Guscar, o Fox Bluemotion derrotou o Kia Picanto e o Hyundai HB20, que também têm motor 1.0 de três cilindros.



Motor EA-211 Três cilindros do Fox Bluemotion 2014

No final de 2013 foi lançada mais uma série especial, a Seleção, com aerofólio sobre o vidro traseiro em preto brilhante, rodas exclusivas de 15 polegadas e detalhes decorativos externos e internos alusivos à CBF (Confederação Brasileira de Futebol), então patrocinada pela Volkswagen. Era equipado com vidros elétricos nas quatro portas; direção com assistência hidráulica; sistema de som com funções de rádio, CD-player com MP3, entradas auxiliar e USB e conexão Bluetooth para telefone celular; I-System (que inclui o sistema ECO Comfort, que orienta o motorista a dirigir de forma mais econômica, por meio de mensagens no painel); alarme keyless; chave do tipo canivete; e travas e retrovisores elétricos com o sistema “tilt-down”, que regula automaticamente o espelho retrovisor do lado do passageiro, apontando para o meio-fio toda vez que a marcha à ré é engatada. Ar-condicionado, volante multifuncional com comandos integrados do sistema de som e do I-System (nos veículos equipados com o câmbio automatizado ASG o volante multifuncional inclui shift paddles para trocas manuais de marchas), faróis e lanternas de neblina e sensores de estacionamento traseiros eram opcionais. Tinha motores 1.0 e 1.6.


Em 2014, o Fox ganhou uma nova reestilização que foi mais visível na traseira: ganhou lanternas mais finas na lateral e um prolongamento da mesma na tampa do porta-malas. O emblema VW passou a ter a função de maçaneta. A frente também mudou. A grade ficou mais fina e os faróis ganharam refletores retangulares, simulando ser de full-LED. Na base do mesmo, um friso cromado que continuava na grade. O para-choque ganhou mais vincos e na área dos faróis de neblina, foram adotados frisos pontiagudos, como se fossem garras.



Por dentro, a única mudança perceptível foi nas saídas de ar que ficaram maiores e mais retangulares. A área do painel ganhou acabamento em cinza escuro. Foram oferecidos novos equipamentos, principalmente para a versão Highline, começando pelo volante com base reta do Golf GTI e também controle de tração, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros com tela colorida de visualização no painel, detalhes cromados na carroceria, pedais de alumínio, rede no porta-malas, travamento das portas e porta-malas por controle remoto e volante com comandos do som e do computador de bordo. Tudo de série. Entre os opcionais estavam rodas de liga-leve de 16 polegadas, controle de estabilidade (ESP), assistência em rampas (HHC), GPS (inédito no Fox), teto-solar, bancos em couro, retrovisor interno eletrocrômico e controle de cruzeiro ("píloto automático"). Outra novidade foi a pintura Azul Aqua do Highline.


A versão top também passou a contar com o motor 1.6 16v EA-211, com 110 e 120 cavalos de potência. O câmbio manual desta passou a ter seis marchas e o automatizado i-Motion ganhou um novo módulo para permitir trocas mais rápidas. As demais versões continuaram os motores 1.6 de oito válvulas e 1.0 de quatro cilindros, além do câmbio manual de cinco marchas. O 1.0 de três cilindros continuou exclusivo do Bluemotion. 


Somente em 2015, como linha 2016 o tricilíndrico chegou a toda linha Fox, assim como o ar condicionado, a direção assistida elétrica, os vidros e travas elétricos de série e a opção de sistema multimídia App Connect, com navegador e espelhamento com Android e Apple. Foi lançada a série especial Pepper 1.6 16v e relançada a Rock in Rio 1.6 8v. 





Ao contrário do esperado, 2016 não trouxe a nova geração do Fox. A Volkswagen deu prioridade ao projeto do novo Polo, que chegou no ano passado. Na reorganização da linha de compactos da marca alemã, que já tem Gol, Up!, Fox e Polo, acabou sobrando para o Fox, que perdeu diversas versões, incluindo a aventureira musicada Crossfox. Por dentro, o painel já apresentava máscara prateada. Ainda foram lançadas a Run 1.6 8v e Track 1.0, com visual aventureiro, há dois anos. Para a linha 2017 a novidade foi a câmera de ré. 




Desde o ano passado, a linha Fox tem apenas duas versões: Connect e XTreme, ambas somente com motor 1.6 8v, com opção de câmbio manual ou automatizado, ambos de cinco marchas, somente para a Connect. A XTreme tem o visual semelhante à Track, como o bagageiro no teto e grade colmeiada e as luzes de neblina retangulares do Pepper. A Spacefox tem apenas a Trendline 1.6. 



Se o Honda Fit sofre indefinição na sua produção por ser um monovolume, Citroën C3 e Fox, que já foi o segundo carro mais vendido do país, agonizam por serem hatches. Nesta série especial de quatro compactos lançados em 2003, só o Ford Ecosport tem um futuro mais visível, por estar dentro da moda dos utilitários esportivos. 


TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO

Termina aqui a série Clube dos Quinze Anos. Veja os outros modelos que completaram 15 anos em 2018: 



Nenhum comentário:

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (204) História (128) Volkswagen (124) Chevrolet (118) Ford (105) Fiat (86) Lançamento Internacional (85) Carro do Ano (82) Comparativos (80) Em Breve no Brasil (62) Retrospectiva (62) Honda (51) Toyota (49) Renault (47) Hyundai (45) Citroën (44) Sonhos de Consumo (44) Peugeot (43) Nissan (42) Especial (38) Audi (37) Baba Brasil (34) Mercedes (34) Kia (30) BMW (29) História em Fotos (24) História em Miniatura (22) Lembra de mim? (22) No Mercado (22) Cruze (20) Motor do Ano (19) Gol (18) Volvo (18) Corolla (17) JAC (17) Mário Coutinho Leão (17) Opel (17) Editorial (16) Focus (16) Ka (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Analisando (15) Civic (15) Fiesta (15) Golf (15) Ecosport (14) Mitsubishi (13) Fox (12) Jeep (12) Palio (12) Salão de Genebra 2014 (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Fit (11) Guscar em Genebra (11) HB20 (11) Polo (11) Retrospectiva 2016 (11) Uno (11) up! (11) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Corvette (10) Suzuki (10) Utilitário do Ano (10) 3008 (9) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Carro do Ano 2018 (9) Chery (9) Jaguar (9) March (9) Onix (9) Retrospectiva 2017 (9) i30 (9) 500 (8) C3 (8) Carro Premium (8) Carro do Ano 2016 (8) City (8) Dodge (8) Duster (8) Mustang (8) Prêmios Suplementares (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) Alfa Romeo (7) CR-V (7) Cerato (7) Fluence (7) Jetta (7) Land Rover (7) McLaren (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Porsche (7) Ranger (7) Renegade (7) S10 (7) Salão de Genebra 2012 (7) Seat (7) Sportage (7) Versa (7) Voyage (7) 208 (6) 308 (6) Aircross (6) Bentley (6) C4 (6) Carro do Ano 2017 (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) Lamborghini (6) Passat (6) Picape do Ano (6) Punto (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Saveiro (6) Sentra (6) Strada (6) Toro (6) Tracker (6) 408 (5) A3 (5) A5 (5) Accord (5) Campeões de Audiência (5) Classe E (5) Clube dos Quinze (5) Cobalt (5) Eles são 10! (5) Escort (5) Frontier (5) Guscar MOTO (5) HR-V (5) Hilux (5) Lifan (5) Logan (5) RAV4 (5) Salão de Pequim 2014 (5) Série 3 (5) Teste de pista (5) 2008 (4) 508 (4) A4 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Captiva (4) Captur (4) Classe A (4) Classe C (4) Corsa (4) DS4 (4) Edge (4) Equinox (4) Especial Crossovers (4) Fusca (4) GLE (4) HB20S (4) Hilux SW4 (4) Ibiza (4) Jumpy (4) Kicks (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Optima (4) Picanto (4) Polara (4) Prisma (4) Q3 (4) S60 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Vitara (4) Willys (4) XE (4) 911 (3) A1 (3) AMG GT (3) Ayrton Senna (3) Bravo (3) Camaro (3) Camry (3) Celta (3) Chevette (3) Classe ML (3) Continental GT (3) Creta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) Expert (3) Fim de Temporada (3) GLC (3) Giulia (3) J3 (3) Kadett (3) Malibu (3) Mobi (3) Monza (3) Omega (3) Opala (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Parati (3) Prius (3) QQ (3) Salões (3) Santa Fe (3) Sorento (3) T-Roc (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Tiguan (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) X60 (3) XC40 (3) XC90 (3) Yaris (3) 147 (2) 164 (2) 405 (2) 507 (2) A8 (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Argo (2) Arona (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) Brasília (2) C1 (2) C4 Cactus (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chrysler (2) Classe B (2) Classe S (2) Classic (2) Compass (2) Corcel (2) Cronos (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Dauphine (2) Elantra (2) Elba (2) Espero (2) Estão comentando (2) Fiorino (2) GLA (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Kadjar (2) Kombi (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Leaf (2) Linea (2) Maverick (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Motor do Ano 2018 (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) Q5 (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Retrospectiva 2018 (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) Santana (2) Silverado (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) Série 5 (2) Série 8 (2) T6 (2) Tipo (2) Touareg (2) Transit (2) Tucson (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vectra GT (2) Veloster (2) Veneno (2) Virtus (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 203 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 401 (1) 402 (1) 403 (1) 404 (1) 406 (1) 407 (1) 4C (1) 5008 (1) 500X (1) 504 (1) 505 (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Blazer (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carro Premium 2018 (1) Carro Superpremium do Ano (1) Carro Superpremium do Ano 2018 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Classe G (1) Classe X (1) Clio (1) Clubman (1) Colorado (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) Cullinan (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Pace (1) E-Type (1) EC7 (1) Eclipse (1) Eclipse Cross (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kona (1) Kuga (1) LF320 (1) LF620 (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Logus (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Matérias Especiais (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Picape do Ano 2018 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Rolls-Royce (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SVX (1) SX4 (1) SXC (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Senna (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Subaru (1) Sunny (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T-Cross (1) T40 (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tigra (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Urus (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vale a Pena? (1) Vario (1) Vedette (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Vito (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) Wrangler (1) X-ChangE (1) X2 (1) XC60 (1) XF (1) XIV-2 (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)