sábado, 24 de outubro de 2015

HISTÓRIA - RENAULT MÉGANE 20 ANOS

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO



Quase no fim da primeira metade da década de 1990, o hatch médio 19 era o que a Renault tinha para enfrentar a já moderna terceira geração do líder do mercado Volkswagen Golf na Europa. A Opel também já possuía o Astra, a Citroën o ZX e a Peugeot o 306. Com exceção deste último, lançado em 1993, todos surgiram dois anos antes.

Renault 19


Mesmo com a Ford ainda contando com o Escort, a Fiat com o Tipo e a Rover com o antigo 400, a marca francesa precisava modernizar o seu representante no segmento. Acontece que o seu sucessor começou a ser desenvolvido já em 1988, quando o 19 foi lançado. O projeto X64 pretendia, não apenas, modernizar o hatch como também criar uma família de carrocerias formada por um hatch de quatro portas, um sedã de três volumes, um cupê esportivo, um roadster, uma perua e uma inédita minivan, mais compacta que a já veterana Espace de 1984.


Primeira geração (1996-2002 - No Brasil de 1998 a 2005)


O Mégane foi apresentado no Salão de Frankfurt de 1995, nas versões hatch de quatro portas (ou cinco, como os europeus os classificam) e cupê, junto com três novos concorrentes: os Fiat Bravo e Brava, o Alfa Romeo 146 e o Nissan Almera. O nome escolhido evoca força, grandeza, segurança e confiabilidade. Uma curiosidade é que a denominação foi usada num protótipo apresentado no mesmo ano de lançamento do 19.

Mégane Concept 1988
Apesar da necessidade de se modernizar, o Mégane utilizou boa parte da estrutura do antecessor, como a plataforma, transmissão e alguns motores. Mas as linhas retas do 19 deram lugar a um perfil arredondado no teto e nas janelas. O capô longo terminava num "bico de pássaro" bem no centro da grade, onde foi colocado o losango e também moldava a parte superior dos faróis (ainda) trapezoidais. As lanternas curtas tinham forma de folha de árvore e ficavam entre a lateral e a traseira alta. O de três portas era mais um cupê esportivo do que um hatch. As lanternas eram um pouco diferentes: mais arredondadas e com uma máscara escura que deixava as lentes com aspecto circular.  


O interior, de aparência comum nas duas carrocerias, também tinha várias partes arredondadas: centro do painel (que também era gordinho), saídas de ar e revestimento das portas. Os bancos eram macios e confortáveis e o espaço interno do hatch cresceu em relação ao 19, graças ao aumento da distância entre-eixos de 2,54 para 2,58 metros. O porta-malas tinha 350 litros. Já o cupê era mais apertado no banco de trás (que tinha apenas dois lugares - 2+2) e o porta-malas tinha apenas 288 litros. Também, ele era mais curto (4,02 contra 4,13m) e tinha menor distância entre as rodas (2,46m)

O Mégane trazia ainda modernidade em segurança. Os cintos de segurança de três pontos do banco traseiro foram fixados na coluna traseira para os passageiros das extremidades. Estes também ganharam pré-tensionador e limitador de força. O do meio também ganhou cinto de três pontos. O novo modelo obteve quatro estrelas no crash-test da EuroNCAP.


A mecânica também veio do 19, mas foi melhorada para equipar o Mégane. Faziam parte da linha os motores 1.4 (de 70 e 75 cavalos), 1.6 (90 cv) e 2.0 (de oito válvulas e 115 cv) a gasolina e 1.9 a diesel, sem (65 cv) e com turbo (95 e 100 cv). O 2.0 era o único que tinha 16 válvulas e, inicialmente, era exclusivo do cupê. Entregava 150 cavalos.

As versões se chamavam RN, RT, RXE e Initiale. Naquela época, a lista de equipamentos era modesta e se resumia a ar condicionado manual, alarme e rádio toca-fitas. Os apoios de cabeça no banco traseiro nem chegava a ser de série em todas as versões.


No Salão de Genebra de 1996 foi apresentada a terceira carroceria do Mégane e a mais importante: o monovolume Scénic. O nome também veio de um conceito, só que apresentado em 1991 e representava a intenção de roubar a cena do mercado.

Scénic Concept 1991
Tinha a frente e as lanternas iguais às do hatch de quatro portas, mas se diferenciava pelo teto mais alto e a traseira vertical. Por dentro, o estilo do painel e acabamento das portas também era o mesmo. Mas os ocupantes ficavam em uma posição mais alta nos bancos, o volante estava um pouco mais horizontal, a alavanca do câmbio mais baixa e atrás, em vez de um único banco com encosto bipartido, como é comum, havia três bancos individuais, rebatíveis e removíveis.



A Scénic não tinha bancos que formavam uma sala de estar e nem os passageiros podiam ficar em pé seu interior, como a Espace, mas tinha na remoção e avanço dos bancos traseiros, além das mesinhas atrás dos dianteiros, a sua maior versatilidade. Na Europa tinha motores 1.4, 1.6 e 2.0 e a mesma denominação de versões do hatch. Fez tanto sucesso que ganhou vários concorrentes como o Opel Zafira, o Citroën Xsara Picasso, o feioso Fiat Multipla, Ford C-Max e Volkswagen Touran. Na Europa, deu ao Renault o seu quarto título de Carro do Ano do continente em 1997.

Este modelo teve grande importância no Brasil, pois foi o primeiro Renault fabricado no país, em São José dos Pinhais, PR. Mas demorou três anos para chegar. Na mesma época, o Mégane e o Scénic europeus já ganharam um face-lift, do qual eu falo depois.


Antes disso, voltando para 1996, no Salão de Paris surgiu a versão sedã, que na Europa foi chamada de Classic. Era trinta centímetros mais longa (4,43m de comprimento) e tinha uma traseira mais conservadora com lanternas mais horizontais, embora ainda arredondadas, com um friso escuro entre elas. O seu grande atrativo era o porta-malas de 510 litros. Já o habitáculo, tanto por fora quanto por dentro, era igual ao do hatch de quatro portas, inclusive no conforto. No Salão de Genebra de 1997, a linha Mégane ficou praticamente completa com o lançamento do Cabriolet, que tinha a mesma base, versões e motor do Coupé, como o 2.0 de 16 válvulas. O teto era de lona e havia a opção de um acessório que podia cobrir os dois bancos traseiros e transformá-lo num roadster de dois lugares.


Em 1998, o Mégane, enfim, chegou ao Brasil, importado da Argentina, nas carrocerias hatch de quatro portas e sedã. O primeiro nas versões RN 1.6 de 90 cavalos e RXE 2.0 de 115 cavalos. O três volumes só trouxe este último motor nas versões RT e RXE. Em março de 1999 chegou a minivan Scénic nacional, exatamente com a mesma cilindrada e versões do sedã.


A sintonia dos Mégane e Scénic vendidos no Brasil com o mercado europeu duraria pouco. Enquanto o monovolume chegava ao nosso país o hatch, o sedã, o cupê e o conversível ganhavam um face-lift. O capô incorporou totalmente a grade, que passou a ser em meia lua, dividida pelo logo da Renault, e também deixou os faróis com contornos mais elípticos. A traseira continuou a mesma, mudando apenas as lentes das lanternas, que ficaram com o vermelho mais vivo. O friso entre elas, presente no sedã, passou a ser cromado nas versões mais caras.



No interior, nova padronagem dos bancos e volante. Atrás deste, instrumentos com fundo branco e nova disposição. Os difusores de ar deixaram se ser ovais e ficaram mais retangulares, ainda com contornos arredondados.


A grande novidade foi o lançamento da perua Break, completando a família de verdade. Tinha janelas retas e uma traseira vertical com lanternas verticais, mas o porta-malas (484 litros) era menor que o do sedã. Esta versão nunca veio para cá na primeira geração.



No final de 1999 quem mudou a frente foi a Scénic, que, para se diferenciar dos irmãos, ganhou faróis maiores e mais retangulares, assim como a grade. Na traseira, mudaram apenas as lanternas e o vidro passou a ser basculante. Outro grito de independência foi na plaqueta de identificação Scénic, que passou da coluna do vidro lateral traseiro para a tampa do porta-malas, sem o nome Mégane. Por dentro, as mesmas modificações do resto da família e um porta-copos refrigerado no console central.





 No Brasil, naquele mesmo ano, a nossa Scénic ganhava apenas o motor 1.6 16v de 110 cavalos na versão RT. Na Europa, em 2000, a Scénic ganharia a versão aventureira RX4, com direito a para-choques e para-lamas em plástico cinza escuro, estepe na tampa do porta-malas, suspensão elevada e... tração 4x4. O off-road também fazia parte do projeto X64 e inspirou a Fiat Idea Adventure.



O face-lift chegaria aqui naquele mesmo último ano do Século XX para o hatch, sedã e monovolume. O primeiro trocou a versão RN pela RT e ganhou o motor 1.6, que também foi estendido ao três volumes. Os difusores de ar, no entanto, continuaram ovais por aqui.




Segunda geração (2002-2009 - No Brasil de 2006 a 2010)



O Mégane chegou à sua segunda geração na Europa em 2002. Desta vez, com uma plataforma inteiramente nova, aposentando a do Renault 19, que vinha desde os anos 80. Só que as linhas retas do antecessor voltaram com tudo, misturadas a curvas e quinas. A grade ficou maior, mas ainda dividida pelo logo Renault. A traseira tinha os vidros inclinados para baixo, com uma saliência na parte de lataria. A inspiração foi no estranho topo de linha Vel Satis, sucessor do Safrane. O cupê deixou de ter desenho exclusivo e passou a ser considerado um hatch de duas portas. O comprimento aumentou de 4,13 para 4,21m e a distância entre-eixos de 2.58 para 2,63m.



O painel também ficou mais reto, com um console vertical. A cobertura do quadro de instrumentos era ondulada. O freio de mão tinha formato de manche de avião, na parte de trás do console. Uma novidade tecnológica foi o sistema de entrada e partida sem chave. Aliás, o Mégane não tem mais chave e sim um cartão, que é colocado em uma entrada no painel e aperta-se um botão. O sistema foi estreado no Laguna de segunda geração, apresentado dois anos antes. Posteriormente, dispensou-se a necessidade de encaixar o cartão. O Mégane também ganhou ar condicionado digital, controles eletrônicos de estabilidade e tração, sensores de chuva, faróis e estacionamento, faróis de xenônio, airbags laterais e de cortina. Mais seguro, obteve cinco estrelas no crash-test da Euro NCAP e foi eleito o Carro do Ano na Europa 2003 no final do ano anterior, sendo o quinto título da Renault.


O Brasil, por enquanto, ia ficar chupando dedo. A única novidade foi o novo motor 2.0 de 16 válvulas de 138 cavalos para o hatch e o sedã na versão RXE, ainda da primeira geração.

No final de 2002 surgiu o Sedan, este de desenho mais agradável, principalmente na caída do teto. Ele também era maior que o hatch, inclusive na distância entre-eixos. As medidas também subiram em relação ao modelo anterior: comprimento de 4,43 para 4,50m e a distância entre-eixos de 2,58 para 2,69m. 

No Salão de Genebra de 2003 foi apresentado o monovolume Scénic, que ficou maior, mais espaçoso e ganhou uma nova versão de entre-eixos maior (2,74 contra 2,69m) e sete lugares, chamada Grand Scénic. O desenho ficou tão estranho quanto o do hatch, mas por ser mais alto e pelo seu conceito chocava menos. Os faróis eram pontiagudos, a grade dividida por um pilar central, onde fica o logotipo da marca, seguia o padrão Renault e as lanternas tinham desenho vertical. Por dentro, o painel era diferente do resto da linha, com os instrumentos digitais no centro.




O Cabriolet foi apresentado no mesmo evento e trouxe uma novidade: o teto retrátil não só rígido como também de vidro. Mais elegante de toda a linha, era uma resposta ao grande rival Peugeot 308 CC, que tinha teto de alumínio, entrando na moda de modelos como o Peugeot 206 CC, o Volkswagen Eos, BMW Z4 e o Mercedes SLK, que lançou a moda dos conversíveis-cupês. O comprimento (4,35m) era maior que o do hatch, mas a distância entre-eixos continuou mais apertada (2,52m).


A segunda geração do Renault Mégane chegou ao Brasil com uma boa e uma má notícia. A boa é que ele passou a ser produzido em São José dos Pinhais, no Paraná. A ruim é que veio sem o face-lift que ele acabara de ganhar na Europa: o recorte do capô, na parte superior da grade, ficou inclinado e alinhado com os faróis. O Mégane brasileiro veio com esse detalhe na horizontal. O motor 1.6 se tornou flex, com 110 cavalos com gasolina e 115 cv com álcool.

As versões eram a Expression 1.6, Dynamique 1.6 ou 2.0, ainda a gasolina, com câmbio manual de seis marchas ou automático de quatro. Não fez muito sucesso no mercado.




Mégane Sedan com o face-lift que só veio para o Brasil no Cabriolet
Na Europa, mais três versões: a hatch RS, tanto de duas quanto de quatro portas, era preparada pela divisão esportiva Renault Sport com motor turbo de 225 cavalos e rodas escurecidas. Já a GT também era esportiva, mas discreta, com motor turbo de 163 cavalos a gasolina ou 150 cv movido a diesel.

Megane RS
A terceira é a perua Grand Tour, que também foi produzida no Brasil, substituindo o hatch na linha Mégane por aqui. Começou a ser vendida em novembro, apenas na versão Dynamique com motor 1.6 flex e 2.0 a gasolina. Teve boa saída no final de sua vida, por causa do baixo preço, o bom conforto e o porta-malas de 520 litros.



Antes nacional, a minivan Scénic passou a ser importada direto da França. Junto com ela, o Cabriolet com teto de vidro e o face-lift que não veio no sedã nacional. Muito caros, se tornaram carros de imagem e não vingaram no mercado brasileiro.




Terceira geração (2008-2015 - No Brasil, representada pelo sedã Fluence desde 2011) 


Na terceira geração, lançada no Salão de Paris de 2008, as linhas retas e angulosas deram lugar a um estilo musculoso, com linha de cintura alta e janelas ascendentes. A identidade visual frontal era selada, com uma grade bem fina entre os faróis, agora em formato levemente de bumerangue, e o emblema da Renault cortado pela abertura do capô. As lanternas têm formas indefinidas, com prolongamento na tampa do porta-malas. O Mégane III de duas portas voltou a ter o estilo de um cupê diferenciado, com para-choques agressivos, janela lateral traseira menor e pontiaguda, lanternas horizontais nas extremidades e vidro pequeno.




O interior ficou ainda mais caprichado, com painel emborrachado de desenho contínuo e velocímetro digital no quadro de instrumentos. Entre as novidades tecnológicas, destaque para GPS e DVD. 

As medidas cresceram mais uma vez, com o comprimento passando de 4,21 para 4,30m (tanto cupê quanto quatro portas) e o entre-eixos de 2,63 para 2,64m. O porta-malas do hatch, que tinha 350 litros na primeira geração e caiu para 330 litros na segunda, chegou a 405 litros, mas caía para 372 litros se fosse escolhido o estepe de tamanho normal.


Os motores foram renovados, como os 1.6 de 101 e 110 cavalos e 2.0 de 143 cavalos, ainda derivados do velho 19. Novos mesmo eram os TCe, com turbo e injeção direta, nas cilindradas 1.2 de 115 e 130 cavalos, 1.4 de 131 cv e 2.0 de 180 cv. Todos com sistema start-stop, que desliga o motor no sinal de trânsito. Os movidos a diesel eram o 1.5 dCi de 86 e 106 cv, o 1.9 dCi de 131 cv e o 2.0 de 150 e 160 cv. A transmissão automática continuamente variável CVT estreava no Mégane nesta terceira geração.

No Salão de Genebra de 2009 foram apresentadas a terceira geração da Scénic, a segunda do Mégane RS e a nova perua, agora chamada de Sport Tourer. A minivan foi novamente dividida em versões de cinco (comprimento de 4,34m e entre-eixos de 2,70m) e sete lugares (4,56m e 2,77m), mas agora apresenta estilo diferenciado na traseira. Ambas possuem faróis elípticos, com grade fina e lanternas em formato de bumerangue, sendo que na primeira a parte horizontal se concentra na tampa do porta-malas e na Grand na lateral. O interior é semelhante ao do hatch, com o painel horizontal, mas os instrumentos são digitais e coloridos.


Grand Scénic

O Mégane RS manteve o motor 2.0 turbo preparado pela Renault Sport, mas a potência subiu para 250 cavalos. Tinha para-choques agressivos e rodas de 18 ou 19 polegadas. Houve também uma versão Trophy, de 265 cv, chegando posteriormente a 275 cv. A RS quase foi vendida no Brasil, mas a marca francesa, de última hora, viu que não teria lucro. O mesmo aconteceu com a geração anterior. 


A perua Grand Tour mudou de nome para Sport Tourer e ficou com um desenho bem mais dinâmico. Poderia ser uma ótima opção para o Brasil. No ano seguinte, foi apresentado o Coupé-Cabriolet, com lanternas retangulares.



A terceira geração do Mégane já faz parte de uma fase em que a Renault vem desprezando o mercado brasileiro, preferindo modelos mais simples de produzir. Entretanto, isso e mais as baixas vendas registradas pelo Mégane anterior não impediram que o nosso país tivesse um representante da terceira edição do médio. O escolhido foi o sedã Fluence, que tem a mesma base e interior do hatch, cupê e Sport Tourer. 

Adaptado pela sul-coreana Samsung (na Coreia é chamado de SM3), a frente tinha um estilo mais comportado, embora remetendo ao Mégane europeu, com o losango no capô, uma grade retangular no para-choque, faróis ovalados espichados até o para-lamas e lanternas traseiras horizontais.




Aqui no Brasil, o Fluence começou a ser vendido no início de 2011 nas versões Dynamique e Privilége, ambas com motor 2.0 16v Flex de 140 e 143 cavalos. Embora tenha vencido três comparativos contra concorrentes aqui no Guscar, tenho que lamentar que o sedã é o único modelo moderno mais próximo de um Renault autêntico. No final do ano seguinte foi lançada a versão esportiva GT, com motor 2.0 Turbo de 180 cavalos, com a assinatura da Renault Sport. Na Europa teve uma versão elétrica, chamada Z.E. (de Zero Emission), com a grade levemente diferente.



No ano passado, o Fluence vendido no Brasil ganhou um face-lift que mudou os faróis (agora de máscara escura e luzes diurnas em LED) e a grade, que passou a ser sorridente e moldada pelo logotipo da marca de enormes proporções. Uma identidade visual já usada no Clio (tanto no moderno europeu quanto no velho argentino vendido aqui) e no pequeno crossover Captur. Também foi adotada no Mégane europeu, mas já começa a cair em desuso.




Quarta geração (2015) 


A quarta geração do Mégane traz outra filosofia estética, com a grade mais aberta e de filetes cromados (colmeiada na versão esportiva GT) e faróis com prolongamento em LED, como se fossem lágrimas. A traseira ganhou lanternas que se afunilam e quase ocupam toda a tampa do porta-malas. O perfil continua musculoso, mas está mais reto.


Por dentro, o painel adotou um console central mais inclinado e a tela multimídia agora está na posição vertical. A nova van Espace, que agora é um crossover, e o novo sedã Talisman serviram de inspiração.


A quarta geração do Renault Mégane é um presentão de vinte anos que o Brasil, por enquanto, não poderá ter (talvez nunca), pois fomos condenados a vender apenas os carros rústicos e baratos da romena Dacia com o losango da Renault. O nosso país é como aquele convidado que ajudou na criação do aniversariante, mas os pais não ficaram satisfeitos com a contribuição durante toda a vida do adolescente.




Nenhum comentário:

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (188) Chevrolet (103) Volkswagen (103) História (96) Ford (89) Fiat (82) Carro do Ano (73) Comparativos (73) Lançamento Internacional (72) Em Breve no Brasil (56) Retrospectiva (51) Renault (46) Honda (45) Toyota (44) Citroën (39) Nissan (39) Especial (38) Hyundai (38) Peugeot (37) Sonhos de Consumo (36) Audi (33) Baba Brasil (28) Kia (27) Mercedes (27) BMW (24) No Mercado (22) História em Miniatura (19) Cruze (18) Gol (18) Lembra de mim? (17) Motor do Ano (17) Mário Coutinho Leão (17) Corolla (16) JAC (16) Opel (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Analisando (15) Fiesta (15) História em Fotos (15) Ka (15) Civic (14) Editorial (14) Golf (14) Focus (13) Salão de Genebra 2014 (12) Volvo (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Guscar em Genebra (11) Mitsubishi (11) Palio (11) Retrospectiva 2016 (11) Uno (11) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Corvette (10) Fox (10) HB20 (10) Utilitário do Ano (10) up! (10) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Chery (9) Fit (9) Jaguar (9) March (9) Suzuki (9) 500 (8) Carro do Ano 2016 (8) Duster (8) Ecosport (8) Jeep (8) Onix (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) i30 (8) 3008 (7) Carro Premium (7) City (7) Dodge (7) Fluence (7) Land Rover (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Polo (7) Porsche (7) Prêmios Suplementares (7) Ranger (7) Salão de Genebra 2012 (7) Versa (7) Voyage (7) 208 (6) 308 (6) Aircross (6) Alfa Romeo (6) C3 (6) C4 (6) CR-V (6) Carro do Ano 2017 (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) McLaren (6) Mustang (6) Passat (6) Punto (6) Renegade (6) S10 (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Sentra (6) Sportage (6) Strada (6) Toro (6) A3 (5) Accord (5) Cerato (5) Classe E (5) Cobalt (5) Eles são 10! (5) Guscar MOTO (5) Hilux (5) Jetta (5) Lamborghini (5) Lifan (5) Logan (5) Picape do Ano (5) Salão de Pequim 2014 (5) Saveiro (5) Seat (5) Teste de pista (5) Tracker (5) 2008 (4) 408 (4) A4 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Bentley (4) Campeões de Audiência (4) Captiva (4) Classe C (4) Corsa (4) DS4 (4) Edge (4) Escort (4) Especial Crossovers (4) Frontier (4) Fusca (4) HB20S (4) HR-V (4) Hilux SW4 (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Optima (4) Picanto (4) Prisma (4) Q3 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Série 3 (4) XE (4) 911 (3) A5 (3) Bravo (3) Camaro (3) Camry (3) Captur (3) Celta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) GLC (3) Giulia (3) Ibiza (3) J3 (3) Kicks (3) Malibu (3) Mobi (3) Monza (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Polara (3) Prius (3) QQ (3) RAV4 (3) Salões (3) Sorento (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) Vitara (3) X60 (3) XC90 (3) 147 (2) 507 (2) 508 (2) A1 (2) A8 (2) AMG GT (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Ayrton Senna (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) C1 (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chevette (2) Chrysler (2) Classe A (2) Classe B (2) Classe ML (2) Classe S (2) Classic (2) Creta (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Elantra (2) Elba (2) Espero (2) Estão comentando (2) Expert (2) Fim de Temporada (2) Fiorino (2) GLA (2) GLE (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Jumpy (2) Kadett (2) Kadjar (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Linea (2) Matérias Especiais (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Opala (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Parati (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) S60 (2) Santana (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) T6 (2) Tiguan (2) Tipo (2) Transit (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vectra GT (2) Veneno (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) Willys (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 164 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 405 (1) 4C (1) 500X (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Argo (1) Arona (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Brasília (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C4 Cactus (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Classe X (1) Clio (1) Clubman (1) Colorado (1) Compass (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Continental GT (1) Corcel (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) Dauphine (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Pace (1) E-Type (1) EC7 (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equinox (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kombi (1) Kona (1) Kuga (1) LF320 (1) LF620 (1) Leaf (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Maverick (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Omega (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Q5 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SX4 (1) SXC (1) Santa Fe (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Sunny (1) Série 5 (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T-Roc (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Touareg (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Tucson (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vale a Pena? (1) Vario (1) Vedette (1) Veloster (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) X-ChangE (1) XF (1) XIV-2 (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Yaris (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)