sábado, 25 de julho de 2015

HISTÓRIA - BMW SÉRIE 3: 40 ANOS

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO


Modelo mais vendido da BMW, o Série 3 começou a sua história no Brasil há quase 25 anos, quando as importações foram reabertas pelo ex-presidente Fernando Collor. Já a sua trajetória mundial tem quarenta anos. Em julho de 1975 ele foi apresentado no Estádio Olímpico de Munique como o sucessor do compacto Neuer Klasse (ou nova Classe), também conhecido como Série 02, que ficou famoso pelos modelos 1602, 1502 (o último remanescente) e 2002.



1a Geração (E21 - 1975-1985) 




O projeto do novo modelo tinha o código de E21, mas ao receber designações diferentes para cada versão de motor como 316, 318, 320 e 320i, ficou oficialmente conhecido como Série 3. O primeiro número se referia a tal série. Já os outros dois à cilindrada, respectivamente 1.6, 1.8, 2.0 e 2.0 com injeção de combustível (ainda mecânica) que só chegaria no final do ano.

A carroceria, que media 4,35m de comprimento e 2,56m de distância entre-eixos, por 1,61m de largura e 1,38m de altura, continuava com três volumes e duas portas como o antecessor, lançado no mercado em 1966, portanto, muito antigo para enfrentar o moderno concorrente conterrâneo Audi 80, de 1972.

BMW New Class 1602 - Antecessor do Série 3

Por isso, o Série 3 trouxe o estilo para a nova década, com o rebaixamento do teto, capô e porta-malas, além da inclinação da grade e área das lanternas, que assumiram um formato em cunha. Paul Bracq, Wilhelm Hofmeister e Claus Luthe eram os autores do desenho.


O famoso rim duplo deixou de ser embutido no desenho frontal para se tornar uma peça cravada na grade, embora as suas aletas internas fossem verticais (e são até hoje). A grade era preta. Os faróis continuaram redondos e em único par nas versões 316 e 318. Já o 320 e 320i foram lançados com dois pares, se tornando marca registrada da BMW. As luzes de direção passaram a ser verticais nos cantos da dianteira. Os para-choques cromados ganharam frisos emborrachados. Nos Estados Unidos eram mais avançados para atender à legislação local. As janelas laterais tinham o canto inferior arredondado. As lanternas horizontais ficaram maiores em comprimento, mas reduziram a altura em relação ao Série 02. Para fazer uma comparação com um carro conhecido no Brasil lembravam as do Chevette. 


O interior ficou mais luxuoso, com acabamento em carpete no assoalho e veludo ou couro nas portas e nos bancos. O painel ganhou quadro de instrumentos maior, de leitura simples, e a parte central passou a ser voltada para o motorista. Este gabinete tinha relógio analógico, afogador e acendedor de cigarros cercados pelos quatro comandos deslizantes do ventilador. Embaixo ficava o rádio e mais abaixo um porta-objetos. As saídas de ar ficavam próximas do para-brisa.


As versões 316, 318 e 320 tinham carburador Solex de corpo duplo. Os motores 1.6, 1.8 e 2.0, todos de quatro cilindros, rendiam, respectivamente, 90, 98 e 109 cavalos. Esta série de motores se chamava M10. O 320i, com injeção mecânica Bosch K-Jetronic, tinha 129 cavalos, potência que caiu para 110 cavalos nos Estados Unidos, onde o 320i era o único Série 3 oferecido. Esta versão acelerava de 0 a 100 km/h em 10 segundos e alcançava os 180 km/h.

Todos tinham câmbio manual Getrag de quatro marchas de série. O manual de cinco e o automático de três da ZF eram opcionais. A tração era traseira, que já naquela época começava a perder espaço para a dianteira, mas a BMW a mantém até hoje (a van Série 2 Active Tourer é o primeiro modelo da marca a ter força motriz na dianteira).

Em 1977 a geração E21 começou a crescer com outra tradição da BMW: o motor de seis cilindros em linha, da série M20. O Série 5 já tinha mas era 2.8. O Série 3 ganhou dois inéditos: um 2.0 e um 2.3. O primeiro ainda tinha carburador e rendia 122 cavalos. Acabou substituindo os 320 de quatro cilindros. O 2.3 tinha injeção mecânica, 143 cavalos, acelerava em 8,8 segundos e alcançava os 200 km/h. E seus freios traseiros eram a disco.


O Série 3 não nasceu para ser esportivo. Mas tinha que seguir a tradição BMW nas competições. O antecessor 2002 disputou ralis e provas de velocidade na pista na Europa e também no Brasil. Naquele ano, o E21, pilotado pelos franceses Hervé Poulain e Marcel Mignot, ficou em segundo lugar nas 24 Horas de Le Mans na sua categoria (de carros de produção - grupo 5) e nono no geral. O modelo repleto de aerofólios, saias e entradas de ar laterais foi todo pintado por Roy Lichtenstein para o estúdio BMW Art Collection.


Voltando ao mercado, o 320i de quatro cilindros ganhou nos Estados Unidos uma versão com bancos Recaro, volante de três raios, rodas BBS e diferencial autobloqueante, chamada 320iS. E não havia identificação na tampa do porta-malas para não chamar atenção. O 320 de seis cilindros não foi vendido no mercado norte-americano porque não tinha opção de câmbio automático.

Em 1978 a encarroçadora independente Baur criou uma versão conversível do 320 e do 323i, podendo manter as colunas centrais, dando-lhe um aspecto de targa. Já a Alpina criou a versão B6, com motor 2.8 do Série 5, com 221 cavalos de potência, decorado por spoiler rebaixado e faixas laterais.


Para 1980, a BMW trocou o único retrovisor externo cromado por um par (opcional) com carcaça de plástico. No interior, o painel central ganhou mais um par de saídas de ar, além das que já ficavam próximas ao para-brisa. Sem a necessidade de afogador nas versões com injeção, o acendedor de cigarros que ficava ao seu lado foi deslocado para baixo. O relógio passou para o quadro de instrumentos. O rádio foi substituído pelos botões giratórios do ventilador e desceu para o console.


Na motorização, o 318 ganhou a injeção mecânica e, consequentemente, o i no final da nomenclatura, além de mais sete cavalos de potência, passando para 105 cv. A cilindrada que não combina com o nome da versão não é uma prática só de hoje. Já naquela época, o 316 ganhou motor 1.8 com carburador (agora da marca Pierburg) e o seu antigo 1.6, com a potência reduzida para 75 cv, foi herdado pela nova versão 315 em 1981. 


Nos Estados Unidos o 320i, com o fim dos motores M10 2.0 de quatro cilindros na Europa, passou a ter um 1.8 com injeção mecânica mais moderna, sensor de oxigênio e catalisador. 

Em dezembro de 1981 foi lançada a segunda geração do Série 3, conhecida como E30. Já o E21 durou até 1985 e teve mais de 1,3 milhões de unidades vendidas.




2a Geração (E30 - 1982-1990)



A segunda geração, chamada E30, conservou a silhueta do E21, mas mudou a frente e a traseira. A mudança frontal mais perceptível foi a mudança das luzes de direção dos cantos para o para-choque. O rim cromado da BMW ficou mais baixo e um pouquinho mais largo. A grade preta e os duplos faróis circulares foram mantidos. Na traseira a tampa do porta-malas ficou mais alta e as lanternas também cresceram de tamanho, continuando horizontais. A placa passou do para-choque para entre elas, dentro de um compartimento recuado.

O desenho ainda foi assinado por Claus Luthe. Ele havia assumido a chefia do projeto do E21. Com a saída Paul Bracq, trabalhou inteiramente no E30. Antes da BMW, Luthe trabalhava no grupo Volkswagen e também desenhou o rival Audi 80 e o NSU RO80. O comprimento foi reduzido para 4,32m, mas a largura subiu para 1,65m e a distância entre-eixos aumentou para 2,57m, provando a mudança da plataforma. A altura foi mantida em 1,38m.


O interior foi modernizado com um novo desenho do painel, que continuou voltado para o motorista, mas agora se integrou ao quadro de instrumentos, cuja parte superior ganhou três lados. Na lista de equipamentos as novidades eram o computador de bordo (no painel central), check-control e alerta de manutenção programada (ambos no quadro de instrumentos). As saídas de ar agora se limitavam às do painel central e nas extremidades do tablier. As que ficavam próximas ao para-brisa foram retiradas.


A motorização e as versões continuaram as mesmas dos últimos modelos do E21: 316 com motor M10 1.8 de 90 cavalos, 318i com 1.8 com injeção mecânica e 105 cavalos, 320i com o M20 seis cilindros 2.0 de 125 cv e o 323i com o M20 2.3 de 143 cv. A transmissão teve novidades. Os dois modelos mais baratos continuaram com o câmbio manual Getrag de quatro marchas e automático ZF de três, enquanto os de seis cilindros ficaram com o manual de cinco e ganharam o automático de quatro velocidades.

No início de 1983, o Série 3 ganhou a inédita versão de quatro portas, que não existia no E21. A Baur continuou fabricando o targa para a nova geração.


Uma série de novidades surgiu em 1985: o 323i dava lugar ao 325i, que se tornou clássico com seu motor 2.5 de seis cilindros, com injeção eletrônica Bosch Motronic. A potência subiu para 170 cavalos. O 320i ganhou a mesma injeção e a potência aumentou para 129 cavalos, igual do extinto 2.0 injetado de quatro cilindros.

Tradicionalmente usado na Europa, o motor a diesel estreava no Série 3 apenas na sua segunda geração. Era um M21 2.4 quatro cilindros de 86 cavalos, sem turbo, chamado 324d. Naquele mesmo ano também foi incluída a tração integral na linha, ideal para andar na neve. A versão se chamava 325ix e tinha maior força na traseira. O conversível com capota totalmente retrátil (eletricamente) também estreava no E30, desta vez produzido pela própria BMW. A versão 325e era voltada para a economia e uma precursora da atual Blue Efficient. O motor era 2.7 e a potência de apenas 122 cavalos.


A grande novidade daquele ano foi a M3, primeira versão oficialmente esportiva do Série 3, com spoilers nos para-choques, para-lamas alargados, saias laterais e um aerofólio sobre a tampa do porta-malas. A carroceria era duas portas. No interior apenas novos grafismos no quadro de instrumentos, ponteiros vermelhos, termômetro de óleo, bancos em couro com maior apoio lateral e faixa nas cores da Motorsport, divisão de competições da BMW na base do volante. O propulsor, preparado pela própria Motorsport, era o S14 quatro cilindros 2.3 reforçado por mais duas válvulas em cada cilindro, agora totalizando 16. Tinha 200 cavalos, potência que caiu para 195 quando ganhou catalisador. Curiosamente, o S14 derivava do motor do antigo 1502. O câmbio era manual de cinco marchas. O M3 acelerava de 0 a 100 km/h em 6,7 segundos e alcançava os 235 km/h.


A criação do M3 tinha segundas intenções: disputar o Grupo A do Campeonato Mundial de Turismo da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e era preciso vender o carro para homologá-lo para as competições. O seu principal concorrente era o Mercedes 190E 2.3-16. Acabou conquistando os yuppies, os jovens executivos norte-americanos dos anos 80.


O Série 3 a diesel enfim ganhava turbo em 1987. A versão passava a se chamar 324td no mesmo propulsor M21 2.4 e a potência subia para 115 cavalos.

Naquele mesmo ano entrava em cena a inédita perua Touring, de cinco portas e, para manter a identidade, lanternas horizontais. Tinha o encosto do banco traseiro rebatível em duas partes, amplo espaço interno e as mesmas versões do sedã e do cupê. Começou com a 320i, 325i e 325ix e depois as 316, 318i e 324td.


O sedã ganhava mais novas versões como a 320is, com 192 cv, exclusivo para os mercados italiano e português e que durou três anos, o 318i com injeção eletrônica e 113 cavalos e um 316i de verdade, com motor 1.6, também injetado, de 100 cavalos.  No mercado sul-africano ainda havia um Série 3 com motor 3.210 cm³ de seis cilindros em linha, com 197 cavalos. Se chamava 333i e era preparado pela Alpina.

Em 1988, o E30 ganhou um discretíssimo face-lift que mudou apenas os refletores dos faróis e tirou a moldura cromada das janelas. O M3 ganhou comando de válvulas e a potência subiu para 220 cavalos em uma série especial (Evo) de 505 unidades para permitir a inscrição no DTM, o turismo alemão. A versão mais simples do esportivo ganhou a carroceria conversível, sem o aerofólio.  No ano seguinte, foi lançado o 318is com um 1.8 16 válvulas de 140 cavalos.

M3 Sport Evolution

Em 1990, outra série especial do M3, limitada a 600 unidades (com plaqueta numerada no console): a Sport Evolution, com motor 2.5 e 238 cavalos, também para disputar o DTM. Acelerava em 6,1 segundos e alcançava 248 km/h. Visualmente tinha rodas de 16 polegadas. O aerofólio e o spoiler dianteiro eram reguláveis em ângulo. A suspensão tinha controle eletrônico de amortecimento, com três programas Conforto, Normal e Esporte. O interior tinha bancos em concha Sparco ainda mais envolventes e com encosto vazado, mas não trazia frescuras como ar condicionado e vidros elétricos. Entre diversas outras séries especiais, o M3 teve 17 mil unidades vendidas, superando as 5 mil previstas.

Interior do M3 Sport Evolution

Após 2,34 milhões de unidades, o Série 3 E30 já se preparava a ceder lugar à família E36, que enfim revolucionava o estilo para a última década do século XX.



3a Geração (E36 - 1990-1998)


O Série 3 para os anos 1990 ganhou o código E36 e, pela primeira vez, mudou radicalmente o seu estilo. Ficou menos quadrado e mais musculoso. E ainda cresceu: o comprimento saltou para 4,43m, a distância entre-eixos para 2,70m, a largura para 1,70m e a altura para 1,39m. A revolução ficou a cargo de Boyke Boyer e do japonês Joji Nagashima.

Na frente, o rim característico da BMW ganhou volume e não só voltou a fazer parte do desenho, a exemplo do velho 02, como também assumiu a função de grade principal. Os duplos faróis circulares passaram a ficar protegidos por uma tela retangular de vidro. As luzes de direção voltaram para as extremidades frontais, ficando maiores e mais presentes nas laterais. O para-choque, na cor do carro, também foi integrado ao conjunto, incorporando os faróis de neblina e uma entrada de ar inferior.


Na lateral, as janelas ficaram maiores e com colunas mais largas. Havia uma leve saliência na linha de cintura. Os retrovisores externos ganharam carcaça na cor da carroceria. Na traseira, o vidro é mais inclinado e as lanternas ficaram concentradas nos cantos, com a tampa do porta-malas alta, convexa e indo até o para-choque, melhorando o acesso e o volume de carga. O para-choque também estava embutido no desenho. Apesar de bem moderno, começou a ser projetado em 1981.


O interior ganhou nova forração das portas e o painel tornou-se uma peça única, incorporando o lado do carona, embora a parte central continuasse voltada para o motorista. O check control e o computador de bordo foram unificados no painel central. Com a tração traseira, criava-se um túnel de transmissão que atrapalhava o espaço para as pernas no banco de trás. Outra crítica era a oferta de ar condicionado, ajuste de altura do volante e vidros traseiros elétricos apenas como opcionais para um carro que pretendia ser premium.


O E36 foi apresentado no Salão de Paris de 1990 e começou a ser vendido no início do ano seguinte nas versões 316i (com motor 1.6 de 100 cv), 318i (1.8 de 113 cv), 320i (2.0 de 150 cv) e 325i (2.5 de 192 cv), todos com quatro portas. Os motores eram basicamente os mesmos do E30, sendo que os dois últimos, de seis cilindros, ganharam potência. O 318i perdeu dois cavalos e o 316i manteve os 100. Todos passaram a ter câmbio de cinco marchas de série. Como opcional, as versões de quatro cilindros tinham transmissão automática de quatro velocidades e os de seis de cinco. A tração, como não poderia deixar de ser, era traseira, com a integral opcional, oferecida mais tarde.

No ano seguinte, enquanto o Série 3 chegava ao Brasil, com as importações recém-liberadas, inicialmente na versão 325i, era lançado na Europa o 325td, turbodiesel, agora com motor de seis cilindros e 116 cv.


Em 1992 chegou o Série 3 Coupé E36/2 (portas), mais elegante, esportivo, baixo e com colunas mais inclinadas que o sedã. A carroceria estreava um novo motor 1.8 com comando variável de válvulas (sistema VANOS) de 140 cavalos na versão 318is, que ganharia quatro portas mais tarde. No ano seguinte surgiu o novo M3, exclusivamente cupê, com motor de seis cilindros em linha (a BMW não usa V6 até hoje) 3.0 de 286 cavalos. Se diferenciava pela grade inferior menor e concentrada no centro, além dos spoilers nos para-choques dianteiro e traseiro.


Ainda em 1993, no Salão de Frankfurt, foi apresentado o Cabriolet (conversível), derivado diretamente do Coupé. Sua inovação ficava por conta da estrutura reforçada do para-brisa e de duas vigas escondidas atrás dos apoios de cabeça do banco traseiro que se levantavam em caso de capotamento iminente. Começou com apenas a versão 325i, mas posteriormente ganhou outras versões, incluindo a M3. Naquele mesmo ano, o 325 turbodiesel ganhava 143 cavalos e acrescentava um s na sigla td. Aqui no Brasil o 325i era eleito o primeiro Carro Importado do Ano da revista Autoesporte. Um título que, na Europa, só a primeira geração chegou mais perto, ao ficar com o vice em 1976, perdendo para o Simca 1310.


A carroceria inédita do E36 foi a hatch de duas portas, chamada de Compact, identificada pela sigla 318ti. Lançado no Salão de Genebra de 1994, era tão bonito quanto o sedã, mas vinha com painel interno mais simples, pois foi uma tentativa de criar um BMW mais acessível antes do atual Série 1.
BMW Série 3 Compact
O desenho do tablier lembrava o Corsa da época, com o quadro de instrumentos destacado e arredondado, mas sem deixar de lado o habitual gabinete voltado para o motorista. Chegou ao Brasil no ano seguinte somente nesta configuração. Na Europa havia também o 316ti. com motor 1.6.


A perua completou a linha em termos de carroceria no início de 1995. Como na geração anterior, sua traseira seguia o estilo do sedã com as lanternas no canto e o amplo vidro traseiro. Já os motores continuavam evoluindo. A novidade da vez era o 318tds, com motor turbodiesel quatro cilindros 1.7 de 90 cavalos.


Assim como as duas gerações anteriores, o Série 3 ganhou, em 1996, um discretíssimo face-lift que só mudou a moldura da grade bipartida e a entrada de ar no parachoque, que ficou inteiriça. A BMW incluiu airbags frontais de série em todas as versões e aproveitou, também, para substituir o 325i pelo 328i, com um motor 2.8 com os mesmos 192 cavalos.

O 2.5 da (por ora) extinta versão não foi aposentado. Ganhou uma dieta que reduziu a sua potência para 170 cavalos e adotou a nomenclatura 323i, para se posicionar entre o 320i e o 328i. O 318is e o Compact 318ti receberam o motor 1.9 do roadster Z4. O motor 3.2 de 321 cavalos passou a equipar o M3, que também ganharia uma inédita versão de quatro portas.

A terceira geração do BMW Série 3 foi substituída em 1998 pelo projeto E46. O hatch continuou até o ano 2000 a tempo de ganhar um motor 1.9 de 105 cavalos na versão 316ti e um de seis cilindros 2.5 na nova 323ti. Com estas últimas novidades, o E30 se tornou o mais vendido: 2,74 milhões de unidades. 


4a Geração (E46 - 1998-2004)



A carroceria E36 fez tanto sucesso que a BMW não revolucionou na geração seguinte, batizada de E46. Mudou bastante, é claro. Ficou mais arredondado, principalmente no teto e nos cantos da dianteira e da traseira. Mas manteve alguns traços do Série 3 anterior. O projeto, iniciado em 1993, foi liderado por Chris Bangle, designer inglês que criaria muita polêmica no futuro. 

A grade continuava integrada ao desenho frontal, mas no E46 se tornou um prolongamento do capô. Os faróis também permaneceram dentro da lente. Entretanto, a sua área ficou recortada na altura inferior dos refletores circulares. As luzes de direção ficaram um pouco menores. As janelas laterais cresceram e ficaram mais arredondadas, como o teto. Na traseira, as lanternas se tornaram triangulares, com um prolongamento somente na parte inferior, passando a imagem de um bumerangue.


O interior evoluiu mais uma vez no refinamento. O quadro de instrumentos voltou a ficar destacado do gabinete central, que continuou voltado para o motorista. A novidade era uma faixa de alumínio ou madeira (dependendo da versão) em toda a extensão do painel. As aletas das saídas de ar se fechavam totalmente para combinar com o estilo. Nas versões mais completas havia uma tela multimídia com navegador GPS (o Série 7 foi o primeiro a usar), embora tivesse apenas cerca de 4 polegadas e ocupava apenas metade do painel. A tecnologia naquela época era mais modesta. Mesmo assim, o Série 3 ficava mais premium, principalmente com a inclusão de outros itens de conforto e segurança como o ar condicionado digital, além de airbags frontais, laterais e de cortina, hoje presentes em carros compactos. O desenho interno foi inspirado no médio-grande Série 5, lançado em 1995.


O novo Série 3 foi apresentado no Salão de Genebra de 1998, mais uma vez apenas na carroceria de quatro portas, que cresceu no comprimento, passando para 4,47m, e na distância entre-eixos, para 2,72m. As demais voltariam a ser lançadas aos poucos. Os concorrentes já eram o Mercedes Classe C, Audi 80 e o Volvo S40. 

Os primeiros motores, quatro a gasolina e um a diesel, eram o 1.9 de 118 cavalos da versão 318i, único com quatro cilindros, pois os três demais eram de seis: o 2.0 de 150 cv (320i), 2.5 de 170 cv (323i) e o 2.8 de 193 cv (328i). A novidade estava no turbodiesel de quatro cilindros 2.0 com injeção direta (na época restrita aos diesel) de 136 cavalos. No câmbio, o automático passou a ter cinco marchas em todas as versões. Posteriormente foram lançados o 316i com motor 1.8 de 105 cavalos e o 330d, turbodiesel 2.9 de seis cilindros e 184 cv.



O Coupé aparecia em 1999, ganhando um C antes da letra i, tendo, por exemplo, as versões iniciais 323Ci e 328Ci. Como a geração anterior, tinha colunas mais inclinadas e visual mais esportivo. No início daquele ano, o Série 3 Sedan E46  chegava ao Brasil, primeiramente apenas na versão 328i. No meio do ano era mais uma vez eleito Carro Importado do Ano da Autoesporte.


Também em 99 aparecia a versão Touring, com janelas mais amplas que o sedã e o cupê e uma novidade: o vidro traseiro que se abre separado da tampa do porta-malas, visando a praticidade. Em 2000 foi a vez do Cabriolet, com as mesmas versões e nomenclaturas do Coupé, e modificações na motorização. O 320i passava a ter um 2.2 de 170 cavalos. A designação 325i voltava ao mercado com os mesmos 192 cavalos que tinha quando deu uma pausa, entrando no lugar do 323i. Já o 328i dava lugar ao 330i de 231 cv. A tração integral também reaparecia na linha nas versões 325xi, 330xi e 330xd.


O M3 Coupé reaparecia com a nova carroceria ainda em 2000. O motor de seis cilindros pulava para 3.25 litros e 343 cavalos. O Série 3 esportivo já acelerava até 100 km/h em 5,2 segundos. No visual, rodas de 19 polegadas, para-choque dianteiro indo até o chão, entrada de ar na lateral e quatro saídas traseiras de escapamento. O aerofólio traseiro, no entanto, era mais discreto. O câmbio de série era manual de seis marchas.


Também há quinze anos atrás era relançado o hatch Compact. Ele mantinha o perfil da geração passada, mas era atualizado com uma frente e traseira exclusivos. A grade até se assemelhava ao resto da linha, mas ele retomava os duplos faróis redondos, agora emoldurados pelo recorte do capô. Já as lanternas traseiras eram verticais e com lente transparente. O painel interno foi uniformizado com o resto da linha. A tela multimídia já tinha seis polegadas.



Era movido por motores 1.8 de 115 cv (316i), 2.0 de 143 cv com abertura variável da válvulas (318i), 2.5 de 192 cv (325i) e 2.0 turbodiesel com 116 (318d) ou 150 cv (320d). As duas gerações do Compact não fizeram sucesso por causa dos poucos equipamentos e do preço elevado. Esta segunda carroceria sequer foi exportada para o Brasil.


Com a linha E46 completa, a BMW promoveu um face-lift (como sempre discretíssimo) e mudanças no motor que o Compact já tinha estreado. O M3 chegou à versão Cabriolet com o novo câmbio automatizado SMG de seis marchas.


Em 2003 o 330d subiu para 204 cavalos. O cupê e o conversível ganharam lanternas traseiras de LED e motores de quatro cilindros, tanto a gasolina (318Ci), quanto a diesel (320Cd). O M3 Coupé ganhava a versão CSL com motor de 360 cavalos, câmbio SMG e fibra de carbono em algumas partes da carroceria.


Em 2004 foi apresentada a série E90, a quinta geração do Série 3. Já o Compact deu lugar ao hatch Série 1. Até hoje é geração a mais vendida, com 3,26 milhões de unidades.  


5a Geração (E90 - 2004-2011)



O designer Chris Bangle já tinha liderado a criação da geração anterior. Nesta quinta, chamada de E90, ele imprimiu o seu estilo. Foi mais comedido em relação aos sedãs 7 e 5. Tanto que o perfil conservou características da geração anterior. Mas não deixou de criar polêmica. E como resultado foi apenas a terceira geração mais vendida, com 2,62 milhões.


Na frente, a grade bipartida foi estilizada, junto com os faróis, que abandonaram definitivamente o formato duplo redondo, ficando pontiagudos. Os dois círculos se transformaram em meros canhões de luz. A lateral ficou conservadora, seguindo o estilo do anterior E46. Na traseira, as lanternas continuaram verticais, mas ganharam um prolongamento triangular vermelho e branco. Somando a parte na lateral adotaram formas hexagonais. O Série 3 já estava se transformando em um sedã médio-grande. Seu comprimento aumentou para 4,52m, a largura para 1,82, a altura 1,42m e a distância entre-eixos 2,76m.


O interior foi o que mais criou polêmica. O painel ficou minimalista, com o quadro de instrumentos (dois únicos circulares, com grafismos simples) e a área da nova tela multimídia (agora de oito polegadas e comandada por uma rosca no console, um sistema chamado iDrive) destacados pela cobertura em arco na parte superior. O gabinete voltado para o motorista, uma tradição no modelo, ficou na parte inferior, apenas onde estão as duas entradas do CD Player, abaixo da faixa prateada e do comando do ar condicionado digital. O modelo também ganhava sistema de entrada sem chave e partida por botão.


A tecnologia não evoluiu só no entretenimento e na praticidade. Na própria construção do carro também. A estrutura era composta por aços de ultra resistência e chapas de aço leve que proporcionava uma plataforma mais rígida que a do E46. Mas a nova plataforma ajudou a reduzir o peso do carro. Os freios eram a disco ventilado nas quatro rodas e novas gerações de ajudas eletrônicas, como o Brake Standby, uma parte do controle de estabilidade que os deixa prontos para entrarem em ação quando o motorista tira o pé do acelerador abruptamente.

O Série 3 E90 foi apresentado no Salão de Genebra de 2005 e chegou ao mercado europeu (novamente) apenas com a carroceria sedã e nas versões 320i, 325i e 330i. Ele já tinha perdido o posto de menor BMW para o Série 1 em 2004, mas o sedã de quatro portas mantém esta característica até hoje.

Série 1

O 2.0 voltava a ter motor de quatro cilindros desde o último ano da primeira geração, em 1981. Até então era de seis. Entregava 150 cavalos. O 2.5 de seis cilindros da versão intermediária chegava a 218 cv. E o 3.0 a 258 cv. O motor a diesel também ficou mais forte: o 2.0 do 320d já estava com 163 cavalos. O câmbio tinha seis marchas, tanto no manual quanto no automático sequencial. No Brasil a quinta geração do Série 3 chegou em meados de 2005 nestas mesmas versões, sendo que a 330i foi dividida em duas: Top e Motorsport, de acabamento mais esportivo.


Voltando à Europa, no final daquele mesmo ano era lançada a perua Touring da nova geração, que recebeu a designação E91. Outra novidade é que a janela lateral pela primeira vez tinha o canto mais recuado na traseira (a anterior tinha bem discretamente). O vidro nesta área cresceu e as lanternas seguiram o estilo do sedã. As versões 318i, 318d e 330d se adicionavam à gama. Nas duas primeiras o motor era 2.0 de quatro cilindros, mas com a potência reduzida para, respectivamente 129 e 122 cavalos. O 3.0 de seis cilindros tinha 231 cv. Também foram reincluídas as versões com tração integral 325xi, 330xi e 330xd.


O Coupé, que também perderia o posto de menor cupê da BMW para a carroceria similar do Série 1, voltava em 2006 com código (E92) e traseira diferenciados. Nesta as lanternas reassumiram o formato de bumerangue, desta vez com o prolongamento na parte de cima. Na dianteira a grade era mais agressiva e o parachoque mais envolvente. O esportivo introduzia na Série 3 o motor TwinTurbo ou biturbo,  O primeiro foi o 3.0 de seis cilindros com 306 cavalos na versão 335i. O segundo turbo também chegou ao diesel na mesma configuração, só que com 286 cv na 335d. A novidade foi estendida ao sedã e à perua. Já o 325d também era 3.0 6L, mas tinha um turbo só e a potência foi reduzida para 197 cv.


Em 2007 o Cabriolet voltava com uma novidade: teto rígido em três partes, em vez da tradicional capota de lona. E o código também era diferente (E93). Os motores mudavam novamente. O 320i passava a ter 170 cv e o 330i subia para 272 cv. Entre os diesel, o 318d subiu para 143 cv e o 320d para 177 cv. Já o 335i ganhou tração integral.


Ainda em 2007 surgia a aguardada quarta geração do M3 quebrando uma tradição. Pela primeira vez era movido por um motor V8 4.0 de 420 cavalos, derivado do V10 do M5. O câmbio era manual ou automatizado de seis marchas e dupla embreagem (DKG). Mesmo com motor maior e mais potente, era 15 quilos mais leve que o M3 anterior. Acelerava de 0 a 100 km/h em menos de cinco segundos, mas tinha a velocidade limitada a 250 km/h, com um pacote opcional que permitia alcançar os 280 km/h. Pela primeira vez, o M3 era lançado simultaneamente nas versões Coupé e quatro portas, que era mais discreto. Na aparência se destacava, além dos já manjados para-choques agressivos, pelo teto preto em fibra de carbono no cupê.



No ano seguinte, sedã e perua ganharam um face-lift nos para-choques e nas lanternas traseiras, que ganharam formato de bumerangue, mas com a extensão na parte de baixo como o E46 e a geração atual. Na mecânica a tração integral se tornou inteligente e chegou às versões com motores de quatro cilindros. O 330d chegou aos 245 cavalos e todos os modelos com câmbio manual ganharam sistema StartStop, que desliga o motor nas paradas de trânsito.



Para tornar o Série 3 mais acessível, foram acrescentados os 316i e 316d, ambos com o mesmo motor 2.0, mas com 116 cavalos, nos dois modelos. Cupê e Cabriolet ganhavam o seu face-lift em 2010. Os motores mudavam de novo. O 335i ganhou um novo turbo, mas manteve a potência para melhorar o consumo. O 320d se dividiu em duas versões, uma com 163 cv somente com câmbio manual e outra com 184 cv. Estas também baixaram o consumo.

O Série 3 E90 se despedia com a versão M3 GTS com motor de 450 cavalos, mas com carroceria 200 kg mais leve. Uma preocupação com o meio ambiente que se intensificaria na geração seguinte: a F30.




6a Geração (F30 - desde 2011)




Livre de ser o BMW mais acessível desde o surgimento do Série 1 em 2004, o Série 3 ficou mais sofisticado em 2011. Mudou até a letra do seu código, agora F30. Ao mesmo tempo, contudo, a preocupação com a emissão de gases poluentes passou a ser prioridade e a sexta geração ganhou motores mais eficientes.


O comprimento já chega aos 4,62m e o entre-eixos aos 2,81m. E pensar que a terceira geração tinha 4,43m e o entre-eixos 2,70m. O estilo também conservou características do anterior, inclusive nas lanternas em L deitado, usadas no face-lift do E90. Só que agora com LEDs. Já o teto aparenta ser mais baixo, apesar da altura ter crescido 1cm (agora em 1,42m). A frente, por sua vez, ficou mais moderna com a grade de moldura cromada tridimensional, ligada por um prolongamento dos faróis, que ficaram mais pontudos na lateral da carroceria e com luzes diurnas de LED.


O interior ficou com desenho mais moderno e, ao mesmo tempo, funcional. A parte central continuou voltada para o motorista, como em todas as gerações, embora discretamente. A tela multimídia de nove polegadas do sistema iDrive é opcional. O sistema também foi aperfeiçoado com um controle mais moderno, agora sensível ao toque, permitindo ao motorista desenhar números. O acabamento, porém, tem muito plástico duro. O espaço interno para as pernas do passageiro que vai no banco de trás evoluiu bastante, mas continua limitando a dois, pois o túnel da eterna tração traseira sempre atrapalhou.




A eficiência do motor é garantida pelo emprego da injeção direta em conjunto com o turbo, que equipa todas as versões do modelo, com gasolina ou diesel. A fase de lançamento da atual geração do Série 3 ficou marcada pelo downsizing e se limitava a dois blocos: 2.0 de quatro cilindros e 3.0 de seis, inclusive para o M3, que deixa de ser V8.



O 2.0 com turbo de dois fluxos e injeção direta, rendendo 245 cavalos equipa o 328i (passando longe da cilindrada real). Aqui no Brasil, o 328i chegou em junho de 2012, nas versões de acabamento básico, Sport, Luxury e Plus. O outro é o 3.0 de seis cilindros, também TwinPower, de 306 cv, chamado de 335i, que aqui só chegou na versão M Sport. Para os europeus havia o 320d com 2.0 turbodiesel de 184 cv. Para nós o Série 3 F30 só chegou com câmbio automático de oito marchas, mas lá na Europa tem também o manual de seis.


Meses depois chegou o 320i, com o mesmo motor 2.0 a gasolina, só que entregando apenas 184 cavalos. É este propulsor que mais uma vez insere o Brasil na história de 40 anos do Série 3. No ano seguinte, este 2.0 ganhou aqui a possibilidade de ser abastecido também com álcool na versão Active Flex, se tornando o primeiro importado premium a receber um motor bicombustível com turbo.

Foto: Leonardo Felix / UOL

Ainda em 2012, na Europa, o Série 3 ganhava uma versão híbrida: o 335i Active Hybrid, com motor de seis cilindros 3.0 de 306 cv e mais 40 cv do motor elétrico. O 2.0 turbodiesel chegou às versões 316d (116 cv) e 318d (143 cv). O 3.0 de seis cilindros foi oferecido nas versões 330d (258 cv) e 335d (313 cv). A tração integral inteligente xDrive também voltou.


A perua Touring (F31), que não é vendida no Brasil desde a geração E46, também regressou à linha em 2012, mais esportiva, prática e com teto solar panorâmico. Na motorização, mais novidades com a linha Efficient Dynamics 1.6 para as versões 316i (136 cv, que chegou ao mercado brasileiro) e 320i (170 cv). O diesel ganhou um 2.0 biturbo de 218 cavalos no 325d. Na China foi lançada uma versão alongada do sedã.


Em 2013, o Série 3 voltou a ter uma carroceria hatch com o GranTurismo (GT - F34), pegando carona no sucesso do Série 5 GT. Desta vez a carroceria é de quatro portas, com vocação esportiva e aerofólio retrátil. A distância entre-eixos é de 2.92m e o comprimento 4,82m, 20cm maior que o sedã. Aqui no Brasil ele é vendido nas versões 320i Sport e 328i M Sport, sem motores flex.


Se o Série 3 ganhou uma nova carroceria ele perdeu duas. Tudo bem que o cupê e o cabriolet ainda usam a mesma base. Mas mudaram de nome para atender a uma nova política de nomenclatura da BMW: colocar modelos esportivos com números pares e os sedãs de quatro portas com ímpares.


Assim, o tradicional Coupé, carroceria original do Série 3 em 1975, passou a se chamar Série 4 (F32) junto com o conversível (F33). As versões a gasolina são a 420i (2.0 de 184 cv), 428i (2.0 de 245 cv) e a 435i (3.0 seis cilindros de 306 cv), única vendida aqui. Os 418d, 420d, 425d, 430d e 435d compõem a linha a diesel. Os três primeiros com motor 2.0 de quatro cilindros (143, 190 e 218 cv) e os dois últimos 3.0 de seis cilindros (258 e 313 cv).


Ah! E não poderia faltar a esportiva M4, sucessora da clássica M3 Coupé, com 431 cavalos do seis cilindros. É oferecida com câmbio manual de seis marchas ou automatizada DKG de sete e nas carrocerias Coupé e Cabriolet. M3 agora só com quatro portas com o mesmo motor e câmbio do Coupé.




O Série 3 GT não foi o único estreante na família. Já fazendo parte do Série 4, foi lançado no Salão de Genebra de 2014, o Gran Coupé, um cupê de quatro portas para concorrer com o Audi A5 Sportback, já que o Mercedes CLA faz parte do porte do Série 1 sedã, que ainda não foi lançado. A marca da estrela de três pontas também ainda não tem um CLC.

Na Europa disponível nas mesmas versões e motorizações do Coupé de duas portas e aqui somente na versão 428i nos pacotes Sport e M Sport, com o mesmo motor 2.0 TwinPower de 245 cavalos e câmbio automático de oito marchas, é mais elegante e fluído que o 3GT.  A carroceria tem 4,64m de comprimento, 2cm a mais. A distância entre-eixos de 2,81m é a mesma do sedã. Os preços anunciados em dezembro eram de R$ 223.950 para a Sport e R$ 239.950 para a M Sport. 


Foto: Gustavo do Carmo 

O 320i, de 184 cavalos, foi o primeiro Série 3 a ganhar motor flex no Brasil no final de 2013. Em agosto do ano passado chegou o 328i, de 245 cv. Ambos ainda importados. Mas o grande momento do Série 3 e da BMW no Brasil foi em dezembro de 2014, quando os dois chegaram às concessionárias fabricados em Santa Catarina, na unidade de Araquari.


Na Europa, para comemorar os 40 anos, a BMW fez mais um tradicional discretíssimo face-lift, que deu faróis inteiramente de LED e novas motorizações e versões, entre elas o motor de três cilindros 1.5 de 136 cv do Mini Cooper (a quarta configuração de motor do atual Série 3) para o 318i, um 1.6 de quatro cilindros de mesma potência para o 316i e uma nova incrementação do 3.0 de seis cilindros do 335i, que agora rende 326 cavalos e se chama 340i, uma designação inédita no Série 3.



Apesar de parecer um modelo compacto e popular  na sua primeira geração, o BMW Série 3 sempre foi um modelo premium. Em quatro décadas, ele evoluiu em estilo, conforto, segurança, tecnologia, mecânica e até em proteção ao meio ambiente. E o Brasil já contribui na produção desta história.



Nenhum comentário:

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (188) Chevrolet (103) Volkswagen (102) História (95) Ford (89) Fiat (81) Carro do Ano (73) Comparativos (72) Lançamento Internacional (70) Em Breve no Brasil (55) Retrospectiva (51) Renault (46) Toyota (44) Honda (43) Citroën (39) Nissan (39) Especial (38) Hyundai (38) Peugeot (37) Sonhos de Consumo (35) Audi (32) Baba Brasil (28) Kia (27) Mercedes (26) BMW (24) No Mercado (22) História em Miniatura (19) Cruze (18) Gol (18) Motor do Ano (17) Mário Coutinho Leão (17) Corolla (16) JAC (16) Lembra de mim? (16) Opel (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Analisando (15) Fiesta (15) Ka (15) Civic (14) Editorial (14) Golf (14) História em Fotos (14) Focus (13) Salão de Genebra 2014 (12) Volvo (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Guscar em Genebra (11) Mitsubishi (11) Palio (11) Retrospectiva 2016 (11) Uno (11) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Corvette (10) Fox (10) HB20 (10) Utilitário do Ano (10) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Fit (9) March (9) Suzuki (9) up! (9) 500 (8) Carro do Ano 2016 (8) Chery (8) Duster (8) Ecosport (8) Jaguar (8) Jeep (8) Onix (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) i30 (8) 3008 (7) Carro Premium (7) City (7) Dodge (7) Fluence (7) Land Rover (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Polo (7) Porsche (7) Prêmios Suplementares (7) Ranger (7) Salão de Genebra 2012 (7) Versa (7) Voyage (7) 208 (6) 308 (6) Aircross (6) C3 (6) C4 (6) CR-V (6) Carro do Ano 2017 (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) McLaren (6) Mustang (6) Passat (6) Punto (6) Renegade (6) S10 (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Sentra (6) Sportage (6) Strada (6) Toro (6) A3 (5) Alfa Romeo (5) Cerato (5) Classe E (5) Cobalt (5) Eles são 10! (5) Guscar MOTO (5) Hilux (5) Jetta (5) Lamborghini (5) Lifan (5) Logan (5) Picape do Ano (5) Salão de Pequim 2014 (5) Saveiro (5) Seat (5) Teste de pista (5) Tracker (5) 2008 (4) 408 (4) A4 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Bentley (4) Campeões de Audiência (4) Captiva (4) Classe C (4) Corsa (4) DS4 (4) Edge (4) Escort (4) Especial Crossovers (4) Frontier (4) Fusca (4) HB20S (4) HR-V (4) Hilux SW4 (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Optima (4) Picanto (4) Prisma (4) Q3 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Série 3 (4) XE (4) 911 (3) A5 (3) Accord (3) Bravo (3) Camaro (3) Camry (3) Captur (3) Celta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) GLC (3) Giulia (3) Ibiza (3) J3 (3) Kicks (3) Malibu (3) Monza (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Polara (3) Prius (3) RAV4 (3) Salões (3) Sorento (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) Vitara (3) X60 (3) XC90 (3) 147 (2) 507 (2) 508 (2) A1 (2) AMG GT (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Ayrton Senna (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) C1 (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chevette (2) Chrysler (2) Classe A (2) Classe B (2) Classe ML (2) Classe S (2) Classic (2) Creta (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Elantra (2) Elba (2) Espero (2) Estão comentando (2) Expert (2) Fim de Temporada (2) Fiorino (2) GLA (2) GLE (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Jumpy (2) Kadett (2) Kadjar (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Linea (2) Matérias Especiais (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mobi (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Opala (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Parati (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) QQ (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) S60 (2) Santana (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) T6 (2) Tiguan (2) Tipo (2) Transit (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vectra GT (2) Veneno (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) Willys (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 405 (1) 4C (1) 500X (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) A8 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Argo (1) Arona (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Brasília (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C4 Cactus (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Clio (1) Clubman (1) Colorado (1) Compass (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Continental GT (1) Corcel (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) Dauphine (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Type (1) EC7 (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equinox (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kombi (1) Kona (1) Kuga (1) LF320 (1) LF620 (1) Leaf (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Maverick (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Omega (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Q5 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SX4 (1) SXC (1) Santa Fe (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Sunny (1) Série 5 (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T-Roc (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Touareg (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Tucson (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vale a Pena? (1) Vario (1) Vedette (1) Veloster (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) X-ChangE (1) XF (1) XIV-2 (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Yaris (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)