quinta-feira, 7 de maio de 2015

HISTÓRIA - VOLKSWAGEN GOL 35 ANOS

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO 


O Gol foi lançado em maio de 1980 com a missão de suceder o Fusca no Brasil, na época, com 20 anos de estrada. O nome foi ideia do jornalista da revista Quatro Rodas, Nehemias Vassão, que queria associar o nome ao momento máximo do esporte mais popular do nosso país: o futebol. Outro argumento foi a aproximação esportiva com os outros carros da Volkswagen na Alemanha: o Golf e o Polo. As primeiras versões de acabamento foram a básica (sem nome) e a L.

O projeto começou em 1976, um ano depois do lançamento do Polo na Europa. Este foi importado pelo departamento de engenharia da montadora para estudos. Com o tempo foram surgindo esboços e protótipos até chegar ao modelo definitivo, inspirado no também europeu Scirocco.


Só que quem esperava um motor moderno e refrigerado a água, já usado há seis anos no Passat, se decepcionou. O escolhido foi o mesmo 1.3 refrigerado a ar do Fusca, movido a gasolina, que tinha pouca potência (42 cv) e não andava quase nada (velocidade máxima na faixa dos 125 km/h). Pelo menos foi instalado na frente, mas numa posição longitudinal que seria usada por muitos anos. Poderia ter sido pior e entrado na traseira do carro.

Por dentro, o painel era bem "ergonômico" com o rádio colocado quase no lugar do porta-luvas. O espaço era razoável, melhor que o do Chevrolet Chevette. Uma solução que, a princípio, aliviou um precioso espaço no porta-malas foi a colocação do estepe no compartimento do motor. Porém, quando surgiu o modelo a álcool, no início de 81, com filtro de ar e dupla carburação, o estepe foi para o bagageiro. No entanto, a ideia de um mecânico de concessionária de colocar o pneu com a roda para cima fez voltar o estepe para o capô no novo modelo 1.6, lançado em março.

Ainda com o 1.3 a álcool, o Gol só chegava a 128 km/h. Já com o 1.6 os números subiram para 51 cv e 143 km/h. Por pouco, o Gol não saiu de linha no lugar da Brasília, em 1982. Além da perua, o hatch enfrentava a concorrência do Fusca dentro da própria Volkswagen. Para o motor 1.6, o modelo ganhou as versões de acabamento S e LS.

Entre 1981 e 82 apareceram os seus derivados: Voyage (1981), Parati (meados de 1982) e Saveiro (outubro de 82). O sedan e a perua chegaram com uma frente mais moderna (piscas verticais junto aos faróis maiores) e o motor arrefecido a água que o Gol deveria ter usado desde a estreia. O propulsor 1.5 com carburação simples rendia 65 cavalos. A picape foi lançada com o mesmo motor a ar e frente do hatch. A primeira série especial do Gol foi a Copa, lançada para celebrar o mundial da Espanha e que seria reeditada em 1994 e 2006.

Em 1984, o Gol, finalmente, ganhou o seu motor refrigerado a água, que estreou numa versão esportiva, a GT 1.8. O bloco AP1800 era o mesmo que seria usado em alguns meses no luxuoso Santana. Rendia 99 cavalos de potência. O estepe ficou definitivamente no porta-malas. A frente copiou os irmãos mais sofisticados da família BX, mas na cor do carro. Rodas de alumínio, aerofólio e adesivo no vidro traseiro completavam a aparência externa. Por dentro, bancos esportivos da marca alemã Recaro.


O Gol mais comportado esperou um ano para ganhar o motor a água e a frente definitivamente igual aos irmãos. E a cilindrada era 1.6, já usada no Passat, Voyage e Parati desde 1983. A potência subiu para 81 cavalos. O motor a ar continuou em produção no Gol, numa versão popular chamada BX.

Em 1987, surgia a Autolatina, união entre Volks e Ford. O Fusca já tinha saído de linha havia um ano e, pela primeira vez, o Gol assumiu a liderança do mercado, onde ficou por 27 anos. O Voyage e a Parati começaram a ser exportados para os Estados Unidos com o nome de Fox/Fox Wagon e uma nova frente, traseira e painel.

O Voyage só partia com quatro portas e foi o único da primeira geração do Gol que teve esta versão, vendida no mercado interno entre 1983 e 1986, mas saiu de cena por causa do preconceito do brasileiro contra as portas extras, porque achava que era de taxista. Continuou sendo fabricado para a América do Norte e outros países sul-americanos. Voltou a ser vendido em 1990 como opcional e, no fim da vida, entre 1994 e 1996, passou a vir da Argentina somente nesta configuração.

A remodelação externa do Voyage de exportação para os Estados Unidos chegou ao mercado brasileiro e também ao Gol, mas teve algumas modificações. Os faróis fundos do modelo "norte-americano" foram alinhados com a grade. Comparado à frente antiga, o conjunto ótico diminuiu de tamanho, as lentes das luzes de direção ficaram mais envolventes e os para-choques foram estendidos até o chão. As lanternas do Gol ficaram maiores. A linha também ganhou nova grafia na identificação externa. O painel novo ficou para o ano seguinte. As nomenclaturas BX, S e LS do hatch foram trocadas por C, CL e GL.

A versão esportiva GT do Gol dava lugar à GTS. Voyage e Parati tinham a luxuosa GLS. A partir de 1988, estes três e mais a versão GL (Saveiro incluída) usavam painel interno diferenciado, mais arrojado. O GTS e os GLS tinham o motor AP1800 do Santana, que chegou para os GL de toda linha em 1990.


No final de 88, para começar a ser vendido no ano seguinte, era lançado o Gol GTi, o primeiro carro brasileiro com injeção eletrônica de combustível. Era um 2.0 com um bico injetor para cada cilindro, de forma analógia e rendia 112 cavalos. Com ele, o Gol chegou aos 200 km/h e acelerou em menos de 11 segundos. Se diferenciava visualmente do GTS pelo aerofólio traseiro mais alto na cor do carro, as lentes do pisca brancas e os para-choques e para-lamas prateados.


Em 1990, o AP1600 foi trocado pelo CHT da Ford, rebatizado de AE1600. Os fãs da Volkswagen detestaram a mudança. Para a linha 1991, nova remodelação estética: faróis trapezoidais e lentes dos piscas mais arredondadas e envolventes. O Voyage ganhava novas lanternas. A Parati trocava a depressão da tampa do porta-malas por um friso preto. A grafia da plaqueta de identificação foi mais uma vez mudada. Em 92, chegava o Gol 1000, com motor o motor da Ford reduzido, para enfrentar o Fiat Uno Mille, que quase tirou sua liderança do mercado. Em 1993, voltava o AP1600 e o para-choque dos dois lados passava a ser cinza.


Segunda geração (1994-2013)

No final de 1994, o Gol surgiu com um novo estilo de carroceria. As formas arredondadas lhe valeram o apelido de "bolinha". Frente e traseira foram inspiradas na terceira geração do médio Golf, que acabara de chegar importado do México. Todos os motores (1.0, 1.6 e 1.8) ganharam injeção eletrônica, mas mantiveram a montagem longitudinal. O 1000 virou 1000i Plus. CL e GL acrescentaram um i na sigla. O GTS saiu de linha. Seu lugar foi ocupado pelo GTI (agora com i maiúsculo) porque o esportivo ganhou outra versão com motor 2.0 16v e 145 cv. Duas séries especiais inesquecíveis foram a Rolling Stones e a Atlanta. A primeira, de 1995, em homenagem a vinda da banda inglesa no Brasil. A segunda para celebrar as olimpíadas de 1996 na cidade norte-americana.


Na virada de 95 para 96, foi lançada a versão TSi (Tourism Sport injection), um GLi com aerofólio traseiro, coluna preta e motor AP1800, que posteriormente ganhou motor 2.0. Ainda em 96, com o fim da Autolatina, o motor 1000 passou a ser fabricado pela própria Volkswagen e ganhou o nome de AT1000. Todos os motores também ganharam injeção eletrônica multipoint Mi. Parati e Saveiro também foram reestilizadas. A perua apareceu no final de 1995 apenas com duas portas. Também ganhou a sua versão GTI 16v e um motor 1.0 16v em 1997. A picape se atrasou, mas foi lançada com uma janela-espia para dar impressão de cabine estendida no final daquele mesmo ano. O Voyage morreu em 1996 para dar lugar ao Polo Classic, importado da Argentina. Em 1998, Gol e Parati ganhavam pela primeira vez em sua história uma versão de quatro portas. O hatch de quatro portas ganhou ainda a inédita versão GLS 2000i.




Mil, novecentos e noventa e nove marcou a entrada da Geração III do Gol e da Parati. Na verdade, uma remodelação estética da segunda geração. Faróis e grades entravam no padrão mundial VW da época, com de lentes mais transparentes. A traseira do Gol ficava mais lisa e arredondada. A Saveiro com nova frente só apareceu em 2000. Por dentro, o painel também mudou. E totalmente. O quadro de instrumentos ganhou iluminação azul. Mas a qualidade dos plásticos caiu. As siglas, com exceção da GTI 16v, deram lugar a pacotes de equipamentos como Sportline e Confortline. Em 2001 a antiga versão esportiva, descaracterizada pelas quatro portas e o desaparecimento da bolha no capô, também desapareceu. Tal como o primeiro Gol, que não saiu de linha quando apareceu a nova carroceria em 1994, a "Geração II" continuou sendo fabricada até 2005 com o nome de Special.


Em junho de 2000, para aproveitar a nossa confusa política tributária, foram lançados o Gol e Parati 1.0 16V Turbo. Na época, os motores 1.0 pagavam menos imposto e a Volkswagen viu uma ótima oportunidade para oferecer um popular com alto desempenho. Tinha 112 cavalos de potência. Quando o Polo surgiu em 2002, o governo mudou as regras e reduziu o imposto dos modelos 1.6. O Gol Turbo foi sumindo aos poucos. A Parati durou um pouco mais. Ninguém percebeu, mas já tivemos um downsizing nacional que não deu certo.





O motor 1.0 ganhou comando roletado dos balancins e acelerador eletrônico, que aumentaram a potência do oito válvulas para 65 cv e do 16v para 76 cv. O motor 1.8 do Gol ganhou umas férias.

Para a linha 2003, o Gol e seus irmãos ganharam novos pára-choques e perderam uma aleta na grade. A Parati sofreu mudanças na traseira que a deixou parecida com as peruas do Golf e do Bora de 1999, desconhecidas do mercado brasileiro. O Special ganhava a companhia do City, com frente da Geração 3. Março daquele mesmo ano marcava mais um pioneirismo do Gol que passava a ser o primeiro carro movido a álcool e a gasolina. Era o início da era Flex. TOTALFLEX foi o nome escolhido pela Volkswagen.


No final de 2003 era lançado o Fox, com apenas duas portas. A partir de então o Gol passou a competir no segmento de carros mais simples, voltados a frotistas e fiéis fãs do modelo. Voltou o motor 1.8, agora flexível. No início de 2005 o 1.0 também passou a ser flex. O 1.0 16v saiu de linha.

Em agosto de 2005, o Gol chegou à "quarta geração". Na verdade, foi a mesma estratégia usada pela Volkswagen no "Geração III". A dianteira adotou novos faróis, grade mais larga e pára-choques recortados em "V". A lanterna traseira ganhou novos elementos, como uma saliência circular que saltava aos olhos.

A empolgação foi tão grande que a montadora tirou de vez todas as versões anteriores, inclusive a Special e a City com frente de 1995 e 1999. Mas o Gol G4 foi projetado para ser mais simples que o Fox. Por isso, o painel ganhou o mesmo quadro de instrumentos do irmão mais novo. Já o acabamento empobreceu, com plástico rústico em excesso no painel e no revestimento das portas.

O motor 1.0 Flex ganhava três cavalos de potência, indo de 65 cv com gasolina para 68 cv e com álcool de 68 para 71 cv. No ano seguinte foi lançada a tradicional série especial "Copa", em alusão à Copa do Mundo na Alemanha. Tinha motor 1.6 Flex e grade e centro do pára-choque frontal pretos, acentuando o V da identidade da marca.

Em 2007 surgiu a meio-off-road-light Rallye com suspensão elevada em 2,7 centímetros e centro superior do pára-choque prateado. Mesmo expediente foi usado nas versões Crossover, Track and Field e Surf da perua Parati. Nesta linha, a picape Saveiro já teve as versões Crossover, SuperSurf e também a Surf, além da Titan.






Terceira geração (2008)

Em 2008, o Gol, enfim, foi totalmente reestilizado: mais arredondado, faróis espichados, grade de único filete, para-choque dianteiro contínuo, vinco percorrendo todas as portas e lanternas praticamente na lateral. A plataforma recondicionada de 1980 deu lugar ao novo conjunto PQ-24, usado no Polo e no Fox. Isso possibilitou a tão esperada posição transversal do motor, que ficou restrito ao 1.0 e 1.6 de oito válvulas, também alterados. O 1.0 passou a ter torque elevado (VHT), passando a render 72 cavalos com gasolina e 76 cv com álcool. Já o 1.6 trocou o antigo AP pelo moderno EA-111, também dos irmãos mais caros, rendendo 101 e 104 cv.

O acabamento interno melhorou, mas ainda ficou aquém dos outros modelos da marca. Pelo menos o quadro de instrumentos voltou a ter velocímetro e conta-giros separados, que agora cercam o display do configurador de funções e do computador de bordo. Airbags frontais e freios ABS voltaram para a lista de opcionais.





A nova geração do Gol trouxe de volta o sedã Voyage, no final de 2008. Desta vez, a perua Parati foi a descartada da linha, por causa da SpaceFox. Ela saiu de cena definitivamente em 2012. Em 2009 foi lançada a nova Saveiro, agora com opção de cabine simples ou estendida, como a rival Fiat Strada, e desenho diferenciado, com caçamba inspirada na média Amarok e rodas escurecidas na esportiva Trooper.





Ainda em 2009, Gol e Voyage ganharam a opção do câmbio automatizado i-Motion, que tem embreagem eletrônica e permite a mudança de marchas manual sequencial ou automática, com direito a indicação das marchas no painel. No ano seguinte, a Saveiro ganhou mais uma versão: a Cross. É ainda mais esportiva e trilheira, para concorrer com a Strada Adventure e a Peugeot Hoggar, picape baseada no hatch 206 (depois 207), que não vingou no mercado brasileiro.





Também em 2010, para aproveitar o Mundial de futebol naquele ano, na África do Sul, a série especial Seleção substituiu o nome Copa, usado em 1982, 1994 e 2006. Patrocinadora da CBF até o ano passado, a Volkswagen ganhou o direito de ostentar o distintivo da entidade nas portas dianteiras, na tampa do porta-malas e no encosto dos bancos da versão do Gol. Atualmente patrocinando a Chevrolet, pode ser que o Gol Copa volte em 2018.


Na linha 2011 foi lançado o Gol Ecomotion, ainda com a carroceria da Geração 4, que ganhou econômetro no quadro de instrumentos. O Gol antigo também teve a rústica Titan. Descansou em paz no final de 2013, junto com a Kombi, quando entrou em vigor a lei que obriga os carros a saírem de fábrica com airbags frontais e freios ABS a partir do ano passado.


A frente original do Gol de terceira geração ainda ganhou a versão Rallye (os dois últimos face-lifts da segunda geração também tiveram), com a suspensão elevada e os mesmos recursos visuais da Saveiro Cross, como grade preta, moldura na cor da carroceria (o amarelo era uma das opções), parte do para-choque dianteiro preto, grandes faróis de neblina e protetores prateados foscos. O motor era somente o 1.6 VHT.


Outras quatro séries especiais foram a Rock in Rio 1.0 (em homenagem ao festival de Roberto Medina). Vintage (de apenas 30 unidades de uma carroceria branca com faixa no capô, parte da tampa traseira e teto pretos, rodas pretas ou brancas e uma guitarra Tagima de brinde. O motor era o 1.6) e a Black Gol, com carroceria e rodas pretas e motor 1.0. Também com o motor de baixa cilindrada foi a 25 Anos, em comemoração aos anos de liderança de mercado.



Em 2012 o Gol ganhou outro face-lift para uniformizá-lo com o resto da linha Volkswagen em todo o mundo. Detalhe que a frente antiga já estava na linha 2013. Os faróis ficaram maiores, mais angulosos e com máscara negra. A grade também foi escurecida, deixando de ter moldura. Os para-choques também foram renovados.  Na traseira, a tampa do porta-malas ficou um pouco mais saliente e as lanternas ganharam uma pequeníssima suavização da sua ponta e luzes em L. Neste ponto, o sedã Voyage mudou mais: as lanternas ficaram mais horizontais e ganharam extensão na tampa do porta-malas.




O interior teve apenas leves mudanças no revestimento, saídas de ar, botão do ar condicionado e painel central com máscara em preto brilhante. Os instrumentos passaram a ter iluminação branca, mas os displays de informação passaram a ter caracteres vermelhos. O sensor de estacionamento passou a ter gráficos no display do som.


O motor 1.6 nada mudou, mas o 1.0 ganhou novos coletores de admissão, central eletrônica com mais memória, novos bicos injetores e sistema de ignição, além do sistema de partida a frio, que dispensa tanquinho de gasolina. Mudou de nome para TEC. A potência continuou a mesma, mas o torque aumentou.

Meses depois, mais duas novidades para o Gol: a versão Bluemotion, com motor 1.0, rodas de menor banda de rodagem e indicativo de economia, e a inédita versão de duas portas para a terceira geração. Para a linha 2014, ainda em 2013, a versão top passou a se chamar Highline.


A versão "aventureira" Rallye ganhou a sua nova frente, com faróis de neblina ainda maiores e para-choques mais robustos. Com motor 1.0, a versão se chamava Track. Ainda em 2013, a série especial Seleção, com chancela da CBF, foi antecipada por causa da Copa das Confederações, que, assim como a Copa de 2014, seria sediada aqui no Brasil. Apesar das manifestações populares contra os dois eventos, o final da Seleção foi feliz no torneio preparatório. Já na Copa... todo mundo sabe o que aconteceu quando enfrentamos o país onde nasceu a Volkswagen.


No ano passado, a linha 2015 trouxe o novo motor EA211 1.6 16 válvulas de 110 e 120 cavalos apenas para as versões Rallye do Gol e Cross da Saveiro. O Voyage continua esperando o seu até hoje, que está deixando-o ainda mais defasado frente aos seus concorrentes. Inicialmente este motor ganhou a sigla MSI, mas depois esta foi estendida ao antigo 1.6 de apenas oito válvulas.

A versão aventureira da picape também ganhou controles de tração e estabilidade de série. Mais para o final do ano, quase todas as versões ganharam, com atraso, cabine dupla para enfrentar a Fiat Strada, que já tem três portas. A Saveiro chegou com apenas duas. Há a expectativa de uma cabine dupla de quatro portas.


Toda a linha Gol teve a sua nomenclatura de versões padronizada em Trendline, Comfortline e Highline. No entanto, a Saveiro tem a sua básica Startline e a top Cross, o Voyage a top Evidence e pacotes Fun e Urban e o Gol ganhou no final do ano passado a básica Special, com duas e quatro portas, além da Track 1.0 e a Rallye 1.6.

Além do motor 1.6 16v estar limitado à versão mais cara e de já demonstrar sinais de envelhecimento, mesmo com a frente padronizada, o Gol sofreu dois duros golpes no ano passado. Primeiro perdeu a carroceria antiga G4 no final de 2013, substituída pelo moderno Up!. Sem ela, que representava metade de suas vendas, o Gol perdeu, ao final de 2014, a liderança de vendas, após 27 anos, para o Fiat Palio.

Como aquele adolescente rebelde que se recusa a aprender com os erros, a Volkswagen promete apenas mais um novo (e imperceptível) face-lift para o Gol, em vez da quarta geração, que só deve vir em 2018. Depois não sabe porque chegou ao sétimo lugar em vendas.

Mesmo assim, o Gol chega aos 35 anos trazendo no currículo robustez, confiabilidade e liderança de vendas por 27 anos. Mas só uma geração inteiramente nova pode lhe dar mais vitalidade para alcançar os 40.



2 comentários:

Anônimo disse...

saudades do gol quadrado... só quem é da geração dos anos 90 sabe do saudoso ap 1.8 que até hoje deixa muitos novinhos comendo poeira...(digo para um motor sadio e bem regulado.. nada de comparar com essas sucatas que andam por ai... tenho dó quando vejo um ap funcionando com apenas 2 cilindros fumaçando todo apenas um estágio do 2e ou tldz funcionando mal e ainda achando que o carro não presta ou querendo fazer média... isso é um insulto para um carro que fez história... e não só ele como muitos velhinhos ai que se bem tratados dão um show... para mim, o gol quadrado e o bola foram os melhores e os lendários esportivos... GTI, GTS.. e o turbo, pena que esse foi muito mal cuidado por seus donos... vejo esse up tsi e penso ele daqui a 10 anos se tornando mal falado como o gol foi... estou vendo um gts 88 aparentemente sem muita coisa a fazer e realizar o sonho de criança em ver um gts totalmente novo..
Um comentário particular... esses carros novos não passam de um monte de eletrônica e plástico a bordo em que tudo você tem assistência onde acaba até certo ponto tirando o gosto de dirigir e realmente levar o seu potencial até onde você fica com a adrenalina nas pontas dos pés e mãos!! senão os esportivos tops não viriam com cambio automático com opção de troca manual, não é a mesma coisa que um cambio manual.. mas releva..além do mais parece que uma montadora copia a outra em tudo desde design até potência..
e hoje todo mundo diz que quer ter saúde fazendo exercícios, querem perder peso, mas sai da academia ou da sua caminhada e entra no seu carro com ar e direção sem fazer o mínimo de esforço... depois estamos ficando uma sociedade obesa e sedenta e querem saber a causa.. isso é só um detalhe entre muitos que não vem ao caso do automóvel.. queria ter sido da geração dos opalas 70... mais ainda tive sorte!!! e você no seu "new"2016 ao ver um "old" na sua frente tenha humildade e saiba respeitar, pois um dia ele foi tão novo quanto ao seu e se ele for "bombado" certamente ainda irá bater no seu! :)
Eternamente amante do GOL quadrado e bola!!

Anônimo disse...

Verdade pura !!

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (191) Volkswagen (105) Chevrolet (103) História (97) Ford (90) Fiat (82) Carro do Ano (73) Comparativos (73) Lançamento Internacional (72) Em Breve no Brasil (56) Retrospectiva (51) Renault (46) Honda (45) Toyota (44) Citroën (39) Nissan (39) Especial (38) Hyundai (38) Peugeot (37) Sonhos de Consumo (36) Audi (35) Baba Brasil (29) Kia (27) Mercedes (27) BMW (24) No Mercado (22) História em Miniatura (19) Cruze (18) Gol (18) Lembra de mim? (17) Motor do Ano (17) Mário Coutinho Leão (17) Corolla (16) JAC (16) Opel (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Analisando (15) Fiesta (15) História em Fotos (15) Ka (15) Civic (14) Editorial (14) Golf (14) Focus (13) Salão de Genebra 2014 (12) Volvo (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Guscar em Genebra (11) Mitsubishi (11) Palio (11) Retrospectiva 2016 (11) Uno (11) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Corvette (10) Fox (10) HB20 (10) Utilitário do Ano (10) up! (10) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Chery (9) Ecosport (9) Fit (9) Jaguar (9) March (9) Suzuki (9) 500 (8) Carro do Ano 2016 (8) Duster (8) Jeep (8) Onix (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) i30 (8) 3008 (7) Carro Premium (7) City (7) Dodge (7) Fluence (7) Land Rover (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Polo (7) Porsche (7) Prêmios Suplementares (7) Ranger (7) Salão de Genebra 2012 (7) Versa (7) Voyage (7) 208 (6) 308 (6) Aircross (6) Alfa Romeo (6) C3 (6) C4 (6) CR-V (6) Carro do Ano 2017 (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) McLaren (6) Mustang (6) Passat (6) Punto (6) Renegade (6) S10 (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Sentra (6) Sportage (6) Strada (6) Toro (6) A3 (5) Accord (5) Cerato (5) Classe E (5) Cobalt (5) Eles são 10! (5) Guscar MOTO (5) Hilux (5) Jetta (5) Lamborghini (5) Lifan (5) Logan (5) Picape do Ano (5) Salão de Pequim 2014 (5) Saveiro (5) Seat (5) Teste de pista (5) Tracker (5) 2008 (4) 408 (4) A4 (4) A5 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Bentley (4) Campeões de Audiência (4) Captiva (4) Classe C (4) Corsa (4) DS4 (4) Edge (4) Escort (4) Especial Crossovers (4) Frontier (4) Fusca (4) HB20S (4) HR-V (4) Hilux SW4 (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Optima (4) Picanto (4) Prisma (4) Q3 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Série 3 (4) XE (4) 911 (3) Bravo (3) Camaro (3) Camry (3) Captur (3) Celta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) GLC (3) Giulia (3) Ibiza (3) J3 (3) Kicks (3) Malibu (3) Mobi (3) Monza (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Polara (3) Prius (3) QQ (3) RAV4 (3) Salões (3) Sorento (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) Vitara (3) X60 (3) XC90 (3) 147 (2) 507 (2) 508 (2) A1 (2) A8 (2) AMG GT (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Ayrton Senna (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) C1 (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chevette (2) Chrysler (2) Classe A (2) Classe B (2) Classe ML (2) Classe S (2) Classic (2) Creta (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Elantra (2) Elba (2) Espero (2) Estão comentando (2) Expert (2) Fim de Temporada (2) Fiorino (2) GLA (2) GLE (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Jumpy (2) Kadett (2) Kadjar (2) Kombi (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Linea (2) Matérias Especiais (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Opala (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Parati (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) Q5 (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) S60 (2) Santana (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) T-Roc (2) T6 (2) Tiguan (2) Tipo (2) Transit (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vectra GT (2) Veneno (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) Willys (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 164 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 405 (1) 4C (1) 500X (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Argo (1) Arona (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Brasília (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C4 Cactus (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Classe X (1) Clio (1) Clubman (1) Colorado (1) Compass (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Continental GT (1) Corcel (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) Dauphine (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Pace (1) E-Type (1) EC7 (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equinox (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kona (1) Kuga (1) LF320 (1) LF620 (1) Leaf (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Maverick (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Omega (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SX4 (1) SXC (1) Santa Fe (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Sunny (1) Série 5 (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Touareg (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Tucson (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vale a Pena? (1) Vario (1) Vedette (1) Veloster (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) X-ChangE (1) XF (1) XIV-2 (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Yaris (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)