sexta-feira, 25 de julho de 2014

HISTÓRIA - VOLKSWAGEN PASSAT: 40 ANOS NO BRASIL


TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO E INTERNET
FONTE DE CONSULTA: BESTCARS WEBSITE E ACERVO QUATRO RODAS


O Passat tem o nome de um vento equatorial mas o batismo não foi claramente uma homenagem póstuma à forma de refrigeração (a ar) do motor que marcou os carros da Volkswagen. Até porque o primeiro Volks com motor arrefecido a água na Europa foi o K70, um sedã médio da extinta NSU que ganhou emblema VW quando foi adquirida pela conterrânea.

NSU/VW K70

Por sua vez, o Passat foi projetado sobre a plataforma da primeira geração do Audi 80 (1972). Esta marca também foi adquirida pela fabricante do carro do povo. Para se diferenciar da sua matriz luxuosa, que era três volumes, o Passat foi simplificado com a carroceria fastback, de duas ou quatro portas laterais. O restante era igual ao 80, como a ampla área envidraçada, a grade padronizada preta com um (redondo ou oval) ou dois pares (redondos) de faróis e lanternas traseiras horizontais abaixo da tampa do porta-malas. Ambos foram desenhados pelo designer Giorgetto Giugiaro.

Audi 80 - A base do Passat

O médio completou os seus 40 anos no ano passado na Europa. Em 2014, é a vez do Brasil comemorar a data.


Aqui sim, o Passat foi o primeiro Volkswagen fabricado com motor refrigerado a água. Mas a sua modernidade não estava apenas nisso. A plataforma era inteiramente nova e o próprio propulsor também passou para a frente do carro, em posição longitudinal. Além disso, suspensão, tração, transmissão, coluna de direção e carroceria eram novidade.

Foram tantas inovações que a fábrica precisou treinar os mecânicos brasileiros, acostumados com o motor a ar de cilindros opostos e o radiador montado na lateral. Os vendedores de concessionárias chegaram a praguejar contra o novo carro e chamá-lo de anti-Volkswagen. Fizeram o mesmo com a Brasília um ano antes e ela acabou se tornando o carro mais vendido do país. É o velho complexo de vira-latas brasileiro, que achava que não merecia ou tinha preguiça de trabalhar para se adaptar a um projeto mais moderno.

Até uma tempestade caiu sobre o Rio de Janeiro na festa de lançamento, em 1974. Mas o Passat trouxe novos ventos e muita água rolou nos quarenta anos seguintes.

Foto: Marcelo Nadólskis


O Passat foi lançado em julho daquele ano, com estilo idêntico ao europeu, mas somente com um par de faróis redondos, na carroceria de duas portas e nas versões L e LS, com rodas de aço, sem calotas.  Posteriormente, foi lançada uma breve versão intermediária LM. O único motor tinha 1.5 litro e rendia 65 cavalos de potência líquida.

O interior tinha painel horizontal com acabamento em madeira (opcional) e quadro de instrumentos em formato de caixa. O miolo do volante era horizontal e pentagonal. A qualidade dos materiais era boa, especialmente na LS, porém, os bancos e as maçanetas eram muito baixos. O espaço interno acomodava três passageiros, mas a carroceria de 4,18m de comprimento - 13 cm mais curta que a do TL, hatch que o Passat substituiu posteriormente - limitava o conforto para as pernas. A sua distância entre-eixos era de 2,47m. O porta-malas, cuja tampa só abria o baú, tinha capacidade para 362 litros (medição da revista Quatro Rodas). O rádio AM era opcional.

Do blog http://blog.hpdopassat.com.br/
Na mecânica, além das inovações no motor, a tração era dianteira, o câmbio tinha quatro marchas, a transmissão juntas homocinéticas, a suspensão dianteira vinha com raio de rolagem negativo (garantindo uma ótima estabilidade nas curvas) e os dois circuitos do freio atuavam em diagonal. A coluna de direção era deformável, procurando reduzir as lesões no motorista em caso de colisão. O cinto de segurança tinha três pontos somente para o motorista.

Foto: Marcelo Nadólskis

Em 1975 chegou a versão de quatro portas, que se destacava por formar uma terceira janela com a inclusão da coluna da porta traseira, cortando o amplo vidro lateral traseiro trapezoidal. Tinha o mesmo motor e as mesmas duas versões de acabamento. A única novidade mecânica foi a adoção do servo-freio, cuja ausência foi muito criticada no lançamento. No mesmo ano ele foi eleito o Carro do Ano pela revista Autoesporte pela primeira vez.


Em 1976, a primeira grande novidade da linha Passat foi a versão esportiva TS (Touring Sport), que inaugurou o motor 1.6 refrigerado a água na Volkswagen, com 80 cavalos de potência líquida. Visualmente, além da faixa na lateral até a coluna do vidro na carroceria (exclusivamente duas portas) com a sigla da versão, se destacava pelos dois pares de faróis redondos. Também dupla era a saída de escapamento. Os pneus eram radiais. Dois anos depois, a faixa ficou mais larga e somente na altura das rodas.


Por dentro, o volante tinha três braços de alumínio perfurado com o nome da versão no centro. O quadro de instrumentos ganhou conta-giros, o painel, um console central com manômetro, voltímetro e relógio e os bancos dianteiros ficaram mais altos, com apoio de cabeça integrado (estilo semelhante ao do atual compacto Up!). O ar condicionado passou a ser oferecido como opcional.

Foto: Renato Bellote
Uma forma de promover o Passat TS foi inscrevê-lo nas provas de turismo e rali. Ele foi campeão brasileiro desta última modalidade em 1977 e chegou a ficar em quarto lugar geral numa das raras etapas válidas pelo Campeonato Mundial de Rali (conhecido como WRC) disputadas no Brasil. Mas isso só em 1982, no último ano da prova por aqui. Disputou o antigo Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos até o final de 1989, um ano depois do fim de sua produção.



Ainda em 1976 foi lançado o Passat com três portas. Ou seja, a tampa do porta-malas passava a englobar o vidro traseiro e o banco de trás podia ser rebatido, como num hatch comum. E foi adicionada uma versão básica, abaixo da L. O câmbio também foi modificado.


Mais mudanças importantes vieram em 1978, com a chegada da série especial Surf, de acabamento jovem (para a época) como revestimento xadrez nos bancos, e da versão luxuosa LSE (Luxo Super Executivo), que tinha quatro portas e incorporava recursos do TS como os quatro faróis, o motor 1.6, o console central, o ar condicionado opcional e os bancos dianteiros altos, além de tecidos mais refinados. O traseiro ainda ganhou apoios de cabeça e apoio de braço central.

Passat Surf

Passat LSE

Enquanto o Passat nacional era lançado, em 1974, os europeus ganhavam a versão perua, que nunca existiu oficialmente por aqui na primeira geração. As que surgiram foram adaptações da concessionária paulista Dacon, que também lançou um cupê de três volumes. Passat perua de fábrica só mesmo a Quantum, em 1985, e depois as versões importadas dez anos depois.

Reprodução: Revista Quatro Rodas

Em 1979, o Passat recebeu uma nova frente, diferente da adotada na Europa. A do nosso ficou mais alta, com faróis retangulares e maiores, acompanhados dos piscas de direção e a grade ganhou um friso cromado horizontal ao redor do emblema, exceto na Surf, que virou permanente. Esta e a TS tinham o seu nome na grade. Na verdade, a frente brasileira foi inspirada na segunda geração do Audi 80.


Audi 80 1978 - Wikipedia

Os para-choques, tanto o dianteiro quanto o traseiro, ganharam extensões de plástico até as laterais. A traseira continuou a mesma, ao contrário do europeu. No interior, o volante do TS ganhou quatro braços. Naquele mesmo ano, os motores, primeiro o 1.5 e depois o 1.6 (que em em 1981 chegou ao LS) ganharam versões movidas a álcool, influenciados pelo programa do governo (Proálcool). O face-lift motivou o segundo e último título de Carro do Ano da Autoesporte para o Passat no ano seguinte.

Anúncio no Que Barato!

Após quatro anos sem grandes alterações importantes, 1983 trouxe muitas. A começar por um novo face-lift, que deixou o Passat com quatro faróis, agora quadrados e recuados (na verdade, protegidos por uma moldura espelhada) em relação à grade. O capô também ficou mais baixo. No interior, os bancos dianteiros ganharam apoio de cabeça em vez de serem altos. O Passat já estava com quase dez anos de mercado e já sofria a concorrência do moderno Chevrolet Monza hatch. O sedã ficou a cargo do novíssimo Santana, sua segunda geração na Europa, que só chegaria aqui no ano seguinte e conviveria com o Passat por quatro anos.


Também chegaram em 83 o novo motor 1.6 MD270 (que passou a ser único para toda a linha), o câmbio 3+E e a versão GTS, que substituiu a TS. A cilindrada ficou estampada na grade. O primeiro ganhou carburador de corpo duplo, novo comando de válvulas, ignição eletrônica de série, pistões de liga mais leve, maior taxa de compressão e mais um cavalo de potência. A transmissão ganhou overdrive e relações mais espaçadas. A quarta marcha passou a servir para economizar combustível.

A GTS se destacava pelas rodas esportivas escuras e cromadas (que hoje seriam chamadas de diamantadas) opcionais e assinatura na grade e na lateral, entre os pneus. A LSE passou a ser intermediária, cedendo o seu posto de mais luxuoso para a GLS, com rodas trançadas. O quadro de instrumentos ganhou máscara prateada, parecida com o Passat importado atual. 

Para a linha 1984 as versões ganharam sobrenome, com exceção da básica, que passou a se chamar Special e ganhou molduras pretas nos faróis. A LS (que depois virou GL) ganhou o complemento Village, a LSE Paddock e a GTS acrescentou o Pointer, que futuramente batizaria um hatch médio de quatro portas derivado do Ford Escort através da extinta Autolatina. O nome atualmente é mais lembrado no Passat do que no modelo próprio.


Volkswagen Pointer - Hatch médio baseado no Ford Escort vendido entre 1994 e 1996

O Passat GTS Pointer tinha a mesma aparência do modelo 83, mas por dentro ganhou um novo revestimento em tecido, banco traseiro com apoio de braço central, vidros verdes, volante com miolo horizontal espumado de quatro braços e buzina disparada em quatro bolas e os anatômicos bancos Recaro, com ajuste de altura. O teto solar (manual) era opcional.

O GTS Pointer chegou ao mercado com motor 1.6, mas, para atender aos fãs do velho TS, decepcionados com a uniformização mecânica, acabou adotando o mesmo 1.8 (AP800), de 85 cavalos, do Santana.


No final de 1985, o Passat ganhava mais uma modificação, a última, como para-choques totalmente de plástico, lanternas traseiras frisadas e, por dentro, painel com quinas suavizadas, novas saídas de ar e novo quadro de instrumentos com o mesmo grafismo do Santana, formado pelas luzes de operação em LED (primitivo, claro, só as luzinhas, mesmo) e telinha de cristal líquido, que futuramente seria usado na linha Gol. Na mecânica, o câmbio, enfim, passou para cinco marchas e o motor AP600 substituiu o MD270 e aumentou para 85 cavalos. Já o AP800 do GTS Pointer subiu para 99 cavalos.

GTS Pointer - Home Page do Passat 

Em 1986, a Volkswagen lançou no mercado brasileiro o lote excedente do Passat exportado para o Iraque desde três anos antes. O país asiático, então governado pelo finado ditador Saddam Hussein, pagava pela importação dos Passats com barris de petróleo, que a Volkswagen do Brasil revendia para a Petrobras, que deu um fim no acordo quando já estava com bastante combustível.

Passat Iraque / Foto: Christian Castanho / Revista Quatro Rodas

O Passat Iraque, na verdade, era uma série especial baseada na LSE com minicalotas das rodas de aço cromadas e quatro portas, com o painel do GTS Pointer e bancos com tecido vermelho na maioria das opções de cores. Só o azul tinha estofamento cinza. O motor ainda era o MD270 com 81 cavalos e o câmbio de apenas quatro marchas. Trazia ar condicionado e toca-fitas.

Passat Iraque - Foto: Internet

Passat Iraque - Foto: Cláudio Larangeira/Quatro Rodas, reproduzida do Home Page do Passat 

O vento do Passat parou de soprar nas fábricas de São Bernardo do Campo e Taubaté no final de 1988, com mais de 675 mil unidades vendidas (mais precisamente 676.819). Seu nome ficou sete anos ausente do Brasil até voltar no início de 1995, importado diretamente da Alemanha, na terceira geração. Desde então foi representado pelo Santana.



O Passat importado 

Aproveitando o sucesso do Plano Real, pareado com o dólar, e a farra das importações, o Passat voltou ao Brasil já com o face-lift que devolveu a grade convencional, com a moldura em U na cor do carro, que era padrão da Volkswagen na época. A terceira geração havia sido lançada na Europa em 1988 com a frente selada, permitindo a entrada de ar para o radiador somente pelo emblema VW.

Passat alemão 1988 (não vendido aqui)
Santana

Um detalhe é que esta nova carroceria serviu de inspiração para a reestilização do nosso Santana. A Volkswagen pensava em lançar o modelo original. Mas o custo de produção, provocado pela instalação transversal do motor e a plataforma do inexistente Golf de segunda geração, seria tão alto que foi feita a velha conhecida gambiarra brasileira, com peças bem baratas, aproveitadas até do primeiro Santana, como o chassi e as portas. E o nosso "Passat" de terceira geração nem de longe lembrou o alemão.

O verdadeiro Passat chegou nas versões 2.0 de 116 cavalos (chamada de GL, mas sem identificação na carroceria) e VR6, de seis cilindros em V e 2.8 litros com 174 cv. Trouxe airbags para motorista e passageiro, bancos em couro e um câmbio automático pela primeira vez na história do modelo. E também uma variação perua (para o Brasil), que resgatou outro nome clássico usado no país: a Variant, que tinha as mesmas versões.

Passat alemão vendido aqui (1995)




Três anos depois, a quarta geração ficou mais tecnológica, trazendo ar condicionado digital, porta-copos, airbags laterais e câmbio Tiptronic, com mudança manual sequencial. A plataforma vinha do Audi A4, sucessor do mesmo 80 que deu origem ao primeiro Passat. A carroceria ficou com o teto arredondado, mas com a traseira reta, com lanternas verticais pela primeira vez. Os motores, que voltaram para a posição longitudinal, eram o 1.8 de cinco cilindros, com quatro válvulas cada (totalizando 20), aspirado, com 125 cavalos, e turbinado, de 150 cv. E não faltaram também o motor V6 2.8 de 190 cv e a perua Variant. Encareceu muito quando o dólar começou a subir demais em 1999. Foi de 1 real para R$ 1,50. 




Em 2001, novo face-lift, que deixou a grade mais imponente e os faróis com superfície complexa (uma novidade da época). As lanternas traseiras ganharam detalhes na lente em formato de círculos e gravata. O CD Player, opcional, entrou na lista de equipamentos. O motor 1.8 foi trocado pelo velho 2.0 do Santana, de apenas 116 cavalos.




A quinta geração trouxe mais recursos tecnológicos como o freio de estacionamento elétrico acionado por tecla, entrada e sistema de partida sem chave e por botão, piloto automático e controles de estabilidade e tração. O porta-malas do sedã já estava com 565 litros e a da Variant na casa dos 600 litros. O comprimento já era de 4,76m. A plataforma voltou a ser do médio Golf (agora o quinto) e o motor recuperou a posição transversal. A grade seguia o conceito em V, com a parte central do para-choque cromada, que a Volkswagen usava então e as lanternas traseiras voltavam a ter disposição horizontal, continuando com as lentes de detalhes circulares. 






O motor 1.8 turbo deu lugar ao 2.0 com injeção direta, então chamado FSI, que rendia 150 cavalos. O turbo aumentou para 200 cv no ano seguinte, mudando o nome posteriormente para TSI. O motor V6 também ganhou os mesmos recursos e cilindrada de 3.2, passando para 250 cavalos. O câmbio automático passou a ser automatizado com dupla embreagem, chamado DSG, de seis marchas. O Passat também ganhou tração integral 4Motion no Brasil, pela primeira vez.

Em 2009, a Volkswagen aderiu à moda dos cupês de quatro portas com o CC, na verdade um sedã com teto arredondado e área envidraçada pequena. Posteriormente ele ganhou a versão esportiva R-Line e depois o face-lift que o deixou independente da linha Passat.



O modelo atualmente vendido no país teve apenas uma leve mudança para implantar o novo padrão estético da marca. As lanternas perderam os elementos circulares. Chegou ao Brasil em 2011, com novos equipamentos como a central multimídia, o assistente de estacionamento, piloto automático que controla a distância para o veículo da frente e o detector de ponto cego nos retrovisores externos. O motor TSI 2.0 já tem 211 cavalos e o câmbio DSG ainda tem seis marchas.




Para o Salão de Paris já foi apresentada a sexta edição do Passat, ainda mais moderna, com a plataforma modular MQB do sétimo Golf, mas com a mesma sobriedade dos dois últimos modelos. Quadro com instrumentos virtuais, internet sem fio, assistente de congestionamento e iluminação interna por LEDs são equipamentos que darão mais fôlego, ou melhor, mais vento para o Passat. E ainda praguejavam contra ele.





AVISO: Algumas fotos deste post foram tiradas de pesquisa do Google. Dei crédito quando possível, mas não daria tempo de pedir e receber a resposta da autorização. O motivo é que eu fui adicionando as fotos depois de escrever o texto, de acordo com a necessidade. As fotos de divulgação foram prioridade absoluta na minha busca, mas na dificuldade de encontrar a imagem correspondente, adicionei a mais apropriada. 

Portanto, se o dono não concordar com o uso da foto ou encontrar erro no crédito, peço que entre em contato comigo através do comentário, para que eu retire a foto, inclua ou corrija o nome do autor. 

Nenhum comentário:

últimos posts

Tópicos

Lançamento Nacional (191) Volkswagen (105) Chevrolet (103) História (97) Ford (90) Fiat (82) Carro do Ano (73) Comparativos (73) Lançamento Internacional (72) Em Breve no Brasil (56) Retrospectiva (51) Renault (46) Honda (45) Toyota (44) Citroën (39) Nissan (39) Especial (38) Hyundai (38) Peugeot (37) Sonhos de Consumo (36) Audi (35) Baba Brasil (29) Kia (27) Mercedes (27) BMW (24) No Mercado (22) História em Miniatura (19) Cruze (18) Gol (18) Lembra de mim? (17) Motor do Ano (17) Mário Coutinho Leão (17) Corolla (16) JAC (16) Opel (16) Pré-estreia (16) Rádio Motor (16) Analisando (15) Fiesta (15) História em Fotos (15) Ka (15) Civic (14) Editorial (14) Golf (14) Focus (13) Salão de Genebra 2014 (12) Volvo (12) Carro do Ano 2013 (11) Carro do Ano 2014 (11) Carro do Ano 2015 (11) Guscar em Genebra (11) Mitsubishi (11) Palio (11) Retrospectiva 2016 (11) Uno (11) Carro do Ano 2010 (10) Carro do Ano 2011 (10) Corvette (10) Fox (10) HB20 (10) Utilitário do Ano (10) up! (10) Avaliação (9) Carro do Ano 2012 (9) Chery (9) Ecosport (9) Fit (9) Jaguar (9) March (9) Suzuki (9) 500 (8) Carro do Ano 2016 (8) Duster (8) Jeep (8) Onix (8) Retrospectiva 2015 (8) Siena (8) i30 (8) 3008 (7) Carro Premium (7) City (7) Dodge (7) Fluence (7) Land Rover (7) Melhores do Ano (7) Mini (7) Polo (7) Porsche (7) Prêmios Suplementares (7) Ranger (7) Salão de Genebra 2012 (7) Versa (7) Voyage (7) 208 (6) 308 (6) Aircross (6) Alfa Romeo (6) C3 (6) C4 (6) CR-V (6) Carro do Ano 2017 (6) Etios (6) Ferrari (6) Fusion (6) McLaren (6) Mustang (6) Passat (6) Punto (6) Renegade (6) S10 (6) Salão de Xangai (6) Sandero (6) Sentra (6) Sportage (6) Strada (6) Toro (6) A3 (5) Accord (5) Cerato (5) Classe E (5) Cobalt (5) Eles são 10! (5) Guscar MOTO (5) Hilux (5) Jetta (5) Lamborghini (5) Lifan (5) Logan (5) Picape do Ano (5) Salão de Pequim 2014 (5) Saveiro (5) Seat (5) Teste de pista (5) Tracker (5) 2008 (4) 408 (4) A4 (4) A5 (4) Agile (4) Amarok (4) Astra (4) Bentley (4) Campeões de Audiência (4) Captiva (4) Classe C (4) Corsa (4) DS4 (4) Edge (4) Escort (4) Especial Crossovers (4) Frontier (4) Fusca (4) HB20S (4) HR-V (4) Hilux SW4 (4) L200 (4) Livina (4) Mini Cooper (4) Mégane (4) Optima (4) Picanto (4) Prisma (4) Q3 (4) Sonic (4) Swift (4) Série 1 (4) Série 3 (4) XE (4) 911 (3) Bravo (3) Camaro (3) Camry (3) Captur (3) Celta (3) DS3 (3) Direto do Arquivo (3) Discovery (3) GLC (3) Giulia (3) Ibiza (3) J3 (3) Kicks (3) Malibu (3) Mobi (3) Monza (3) Outlander (3) P1 (3) Panamera (3) Polara (3) Prius (3) QQ (3) RAV4 (3) Salões (3) Sorento (3) T5 (3) TT (3) Tiggo (3) Utilitário do Ano 2011 (3) Vectra (3) Vitara (3) X60 (3) XC90 (3) 147 (2) 507 (2) 508 (2) A1 (2) A8 (2) AMG GT (2) ASX (2) Adam (2) Aero (2) Altima (2) Ayrton Senna (2) Azera (2) Bentayga (2) Bolt (2) C1 (2) C4 Lounge (2) C4 Picasso (2) CLA (2) Calibra (2) Carro Verde do Ano (2) Challenger (2) Chevette (2) Chrysler (2) Classe A (2) Classe B (2) Classe ML (2) Classe S (2) Classic (2) Creta (2) DS5 (2) Daewoo (2) Datsun (2) Elantra (2) Elba (2) Espero (2) Estão comentando (2) Expert (2) Fim de Temporada (2) Fiorino (2) GLA (2) GLE (2) Genesis (2) Go (2) Golf Variant (2) Importados de Ontem (2) Insignia (2) J2 (2) J5 (2) J6 (2) Journey (2) Jumpy (2) Kadett (2) Kadjar (2) Kombi (2) La Ferrari (2) Lancia (2) Linea (2) Matérias Especiais (2) Mazda (2) Mille (2) Mini Clubman (2) Mondeo (2) Montana (2) Motor do Ano 2011 (2) Motor do Ano 2013 (2) Motor do Ano 2014 (2) Motor do Ano 2015 (2) Motor do Ano 2016 (2) Motor do Ano 2017 (2) Opala (2) Oroch (2) Pajero Dakar (2) Parati (2) Pontiac (2) Pré-estréia (2) Q5 (2) Qoros (2) RS6 (2) Range Rover (2) Rinspeed (2) S-Cross (2) S60 (2) Santana (2) Skoda (2) Smart fortwo (2) Soul (2) Spacefox (2) Symbol (2) Série 2 (2) Série 4 (2) T-Roc (2) T6 (2) Tiguan (2) Tipo (2) Transit (2) Twingo (2) Utilitário do Ano 2010 (2) Utilitário do Ano 2013 (2) Utilitário do Ano 2014 (2) Utilitário do Ano 2015 (2) V40 (2) V90 (2) Vectra GT (2) Veneno (2) Volkswagen Jetta (2) Volt (2) Willys (2) X1 (2) X3 (2) X6 (2) ZX (2) i8 (2) 107 (1) 108 (1) 124 Spider (1) 155 (1) 156 (1) 159 (1) 164 (1) 206 (1) 207 Passion (1) 2CV (1) 300C (1) 301 (1) 4008 (1) 405 (1) 4C (1) 500X (1) 530 (1) 570GT (1) 650S (1) 75 (1) A Concept (1) A6 (1) Alaskan (1) Ami (1) Ampera (1) Anísio Campos (1) Apollo (1) Argo (1) Arona (1) Arteon (1) As Belas do Salão (1) Aston Martin (1) Audi A3 Sedan (1) Aygo (1) B-Max (1) BMW K 1300 R (1) Bertone (1) Brasília (1) Brivido (1) Bugatti (1) C-Elysée (1) C-XR (1) C3 Picasso (1) C4 Cactus (1) C5 (1) Cadenza (1) Cambiano (1) Carens (1) Carro Premium 2010 (1) Carro Premium 2011 (1) Carro Premium 2012 (1) Carro Premium 2013 (1) Carro Premium 2014 (1) Carro Premium 2015 (1) Carro Premium 2016 (1) Carro Premium 2017 (1) Carros Antigos (1) Cee'd (1) Celer (1) Cherokee (1) Citigo (1) Classe X (1) Clio (1) Clubman (1) Colorado (1) Compass (1) Concept Coupé (1) Concept Estate (1) Concept XC Coupé (1) Continental (1) Continental GT (1) Corcel (1) Cordoba (1) Cross Coupé (1) Crossland X (1) D-Max (1) DS 6WR (1) Dacia (1) Dacia Logan (1) Dauphine (1) De olho na Notícia (1) Del Rey (1) Delta (1) Direto da Tela (1) Divulgação (1) Doblò (1) Dock+Go (1) E-Pace (1) E-Type (1) EC7 (1) Emerge-E (1) Enjoy (1) Entre linhas (1) Eos (1) Equinox (1) Equus (1) Espace (1) Evoque (1) Explorer (1) F-Type (1) FF (1) Face (1) Faróis (1) Ferrari 812 Superfast (1) Fiat Coupé (1) Fiat Uno Turbo i.e. (1) Fiat. Ford (1) Firebird (1) Ford GT (1) Ford T (1) Ford. Ka (1) Freemont (1) GS (1) GT4 Stinger. Soul (1) GTC4Lusso (1) Geely (1) Ghibli (1) Giulietta (1) Guscar 10 Anos (1) Hall da Fama Autoesporte (1) Hi-Cross (1) Hoggar (1) Honda CB 600F Hornet (1) Huracan (1) I-Oniq (1) Idea (1) Inca (1) Infiniti (1) Intrado (1) Invitation (1) Isuzu (1) Italdesign (1) KAWASAKI Z300 (1) KTM 390 Duke (1) Karl (1) Kawasaki (1) Kawasaki Ninja 250R (1) Kawasaki Ninja 300 (1) Koleos (1) Kona (1) Kuga (1) LF320 (1) LF620 (1) Leaf (1) Lexus (1) Lincoln (1) Lodgy (1) Lotus (1) MX3 (1) Maserati (1) Maverick (1) Mercedes. A3 (1) Meriva (1) MiTo (1) Mii (1) Miura (1) Model S (1) Mokka (1) Motor do Ano 2010 (1) NMC (1) NS4 (1) NSX (1) New Beetle (1) Nexon (1) Notícias (1) Nuccio (1) Oldsmobile (1) Omega (1) Pacifica (1) Pajero (1) Picape do Ano 2010 (1) Picape do Ano 2011 (1) Picape do Ano 2013 (1) Picape do Ano 2014 (1) Picape do Ano 2015 (1) Picape do Ano 2016 (1) Picape do Ano 2017 (1) Pininfarina (1) Ponto a Ponto (1) Proace (1) Prêmio (1) Pulsar (1) Q2 (1) Qoros 2 (1) Qoros 3 (1) RX (1) RX7 (1) Raridade (1) Romi (1) Romi Isetta (1) S18 (1) S90 (1) SL (1) SLK (1) SP2 (1) SX4 (1) SXC (1) Santa Fe (1) Scirocco (1) Scudo (1) Scénic (1) Smart (1) Smart forfour (1) Sonata (1) Spin (1) Ssangyong (1) Sunny (1) Série 5 (1) Série 6 (1) Série 7 (1) T8 (1) Talisman (1) Tata (1) Tempra (1) Tempra Pick-up (1) Tesla (1) Teste de Consumo (1) Tiida (1) Toledo (1) Toronado (1) Touareg (1) Tourneo (1) Toyota Corolla (1) Trailblazer (1) Trax (1) Tucson (1) Utilitário do Ano 2012 (1) V60 (1) Vale a Pena? (1) Vario (1) Vedette (1) Veloster (1) Veraneio (1) Versailles (1) Vezel (1) Viaggio (1) Vision C (1) Volkswagen GOLF (1) Volkswagen Gol Comfortline 1.0 (1) Vídeos (1) X-ChangE (1) XF (1) XIV-2 (1) Yamaha XT 600Z Ténéré (1) Yamaha YBR 250 Fazer (1) Yaris (1) Z4 (1) Zest (1) Zoe (1) ix35 (1) recall (1)