Definition List

domingo, 28 de outubro de 2012

LANÇAMENTO - CHEVROLET ONIX

Texto: Gustavo do Carmo
Fotos: Divulgação


Se você achou que a renovação dos hatches compactos estava completa com os lançamentos do Hyundai HB20 e do Toyota Etios está enganado. Faltava a Chevrolet apresentar o Onix, aguardado desde o ano passado.

A própria marca da General Motors também está quase fechando o ciclo de renovação dos seus carros, faltando apenas o utilitário esportivo compacto Tracker, a nova geração do sedã de luxo Malibu, o sucessor do Celta e a versão sedã do Onix, que é mais um modelo criado por brasileiros e para o Brasil, com a mesma plataforma GSV do hatch premium Sonic, do sedã Cobalt, da minivan Spin e da atual geração europeia da Opel Corsa.

Por falar neste último, é exatamente a carroceria anterior do hatch de origem europeia que o Onix vai substituir oficialmente, embora o porte do novo compacto (3,93m de comprimento, 1,48m de altura e 1,70m de largura) esteja mais próximo do Agile (4m/1,47m/1,68m). No entanto, a sua versão de três volumes deve se chamar Prisma, modelo derivado do Celta. Ambos são fabricados em Gravataí (RS), junto com o Onix, que ocupa uma linha de montagem mais moderna e recém-reformada. 

LTZ

De frente, o Onix segue o estilo dos últimos Chevrolet, com a barra na cor do carro e a gravata dourada não necessariamente no meio da grade. Os modelos só se diferenciam pelo formato dos faróis. No caso do Onix ele é mais reto, lembrando o elétrico Volt. Já na lateral (com 2,53m de distância entre-eixos) e na traseira os designers da GM brincaram de "Imite o mestre" e criaram uma área envidraçada e lanternas muito parecidas com a do líder Volkswagen Gol. A diferença é o vinco saliente na lateral traseira e os vidros maiores. O vidro traseiro arredondado na base se assemelha ao atual Opel Corsa.

LTZ

O painel interno tem o estilo curvado da Spin, mas o acabamento é melhor. Os plásticos aparentam mais qualidade, o aplique do lado do carona é personalizável e o tecido dos bancos é mais requintado. Por falar em tecido, ele só está presente no braço das portas, que infelizmente ficou em posição muito baixa, prejudicando a ergonomia. As maçanetas, flutuantes como a do Agile, são de plástico, mas pintadas de cromado. O quadro de instrumentos mantém o padrão "motocicleta" (conta-giros analógico e velocímetro digital) dos irmãos de plataforma. É a versão moderna dos velhos instrumentos concentrados da Volkswagen, inventado no Fox antigo, adotado no Gol/Parati/Saveiro G4 e usado na Kombi até hoje.




O espaço interno é razoável. Acomoda bem apenas dois adultos de estatura média. O porta-malas, antes esperado para ter 300 litros, ficou com apenas 280, como no Palio e cinco litros a menos que o Gol.


A novidade que o Onix traz, entre os modelos do projeto GSV, é o sistema de entretenimento My Link, opcional a partir da versão LT e de série na LTZ. Ele controla o aviso de faróis ligados, limpador traseiro, travamento das portas, som (abolindo o CD Player), sincronização da agenda do celular e conexão bluetooth do carro através de uma tela touchscreen de 7 polegadas no centro do painel. É a versão  Chevrolet do Sync da Ford. O navegador por GPS será disponibilizado futuramente para download


Os motores serão o SPE/4 (Smart Performance Economy), novo nome do Econo.Flex nas variações 1.0 e o 1.4, ambos de oito válvulas e flex.

O Onix 1.0 tem potência de 78 cavalos com gasolina e 80 cv com álcool (praticamente a mesma do Hyundai HB20). Seu desempenho é bom. A aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 14,8 segundos e a retomada entre 80 e 120 km/h em 27,1 segundos. O nível de ruído de 59,8 decibéis agrada bastante. A frenagem a 80 km/h em 30,6 metros também é aceitável. O consumo decepciona, ainda mais para um carro de 1 litro: 7,6 km/litro na cidade e 11,2 km/l na estrada.

No 1.4 a potência varia entre 98 e 106 cavalos. Seus números estão de razoável para bom, com destaque para a aceleração em 12 segundos, retomada em 17s5 e frenagem em 29,6 metros. O consumo é de 7,9 km/l na cidade e 10,9 km/l na estrada e o nível de ruído é de 60 decibéis. Todos estes dados, com exceção da potência, são da revista Quatro Rodas, com álcool.

As versões do Onix são a LS, LT e LTZ. Esta última terá, nos próximos meses, a opção do já conhecido câmbio automático de seis marchas. A distribuição dos equipamentos ficou assim: 

  • LS 1.0: custa R$ 29.990 e vem com pneus 175/70 R14, ABS com distribuição eletrônica de frenagem (EBD), airbag duplo, ar quente, desembaçador e limpador traseiro, brake light, cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura, para-choques na cor do veículo e abertura interna do tanque de combustível.
  • LT 1.0 e 1.4: sai por respectivos R$ 31.690 e R$ 35.290 e adiciona ao LS pneus 185/65 R15, manopla de câmbio com detalhe cromados, abertura elétrica do porta-malas, direção hidráulica, maçanetas pintadas na cor do carro, moldura da grade cromada, travas elétricas, vidros elétricos nas portas dianteiras, alarme, antena no teto, banco do motorista com regulagem de altura, faróis com máscara negra, banco traseiro bipartido, chave canivete, lanternas fumê, controle de luminosidade do painel e saídas de ar com acabamento cromado. Os opcionais são o ar condicionado (R$ 2.100) e o My Link (R$ 1.200)
LT

  • O top LTZ 1.4 pode ser adquirido por R$ 41.990 e acrescenta vidros elétricos traseiros, ar-condicionado, computador de bordo, Bluetooth, quatro alto-falantes, entrada USB, retrovisores com controle elétrico, faróis de neblina, rodas de liga leve com acabamento diamantado e o sistema multimídia My Link. 
O Onix também terá os kits de personalização Joy, Race e 24 Horas, sendo os dois últimos esportivos. Além de diferentes rodas de liga-leve, a rede autorizada Chevrolet vai oferecer como acessório a câmera de ré. 

O novo hatch, que promete incomodar a liderança do quase "sósia" Gol, foi apresentado no Salão do Automóvel e será oficialmente lançado no dia 31 de outubro. As vendas nas concessionárias devem se iniciar em novembro, mas a configuração já aparece na internet. 

O Onix pretende substituir o Corsa para enfrentar Gol, Palio, HB20, March e Etios. Mas o Celta e o Agile, com plataforma de 1994, devem ser afetados. O Agile ganhou um câmbio automatizado Easytronic para não ser canibalizado pelo novo irmão. 


Pontos Fortes

+ Estilo
+ Acabamento
+ Desempenho
+ Ruído 1.0


Pontos Fracos 

- Consumo 1.0
- Ergonomia
- sistema MyLink sem navegador


FICHA TÉCNICA - CHEVROLET ONIX
Motores: Quatro cilindros, transversal, flex, 999 cm³, 8 válvulas (1.0)
Quatro cilindros, transversal, flex, 1.389 cm³, 8 válvulas (1.4)
Potência: 78 cv (gasolina) e 80 cv (álcool) - 1.0 / 98 e 106 cv (1.4)
Aceleração de 0 a 100 km/h: 14,8 segundos (1.0) / 12 seg. (1.4) (Quatro Rodas, com álcool)
Velocidade máxima: 167 km/h  (1.0) / 180 km/h (1.4) (fabricante)
Consumo: 7,6 km/l na cidade e 11,2 km/l na estrada (1.0) / 7,9 km/l e 10,9 km/l (1.4) 
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 3,93/1,70/1,48/2,53 m
Porta-malas: 362 litros
Tanque: 54 litros
Preços: de R$ 29.990 (LS 1.0) a R$ 41.990

Nenhum comentário: